terça-feira, julho 14, 2009

Reflexão Semanal com o Louco III

A semana com o Louco foi mesmo de loucos!!! Aconteceu de tudo um pouco, a lua cheia, mal entendidos, dificuldades em comunicar com os outros e culminou num encontro de culturas regada de loucura q.b.

Não é a primeira vez que o Louco nos sai este ano, no período de Carnaval esteve assim e na segunda semana de Maio também esteve connosco assim. Curiosamente há temas que se repetem, como o do desapego e da busca da liberdade, talvez o ensinamento do Louco esteja a ser oferecido assim.

O Louco esta semana esteve ao nosso dispor para nos relembrar que quando agimos apenas pela racionalidade, quando apenas a nossa vida é levada pelo mental, haverá sempre uma lacuna a ser preenchida em nós, haverá uma insatisfação, um vazio profundo. Pois dessa forma será difícil encontrar a voz do silêncio que nos habita e que nos guiará com tanto prazer rumo à felicidade.

Mas vamos lá à análise das cartas:

O Louco sai com o 3 de Copas e imediatamente a minha mente divaga para o facto de ainda agirmos demasiado em prol do que pensamos e que, quando regemos a nossa vida pelo mental, as dúvidas surgem.

Quando temos dúvidas sobre quem somos e como devemos agir, associamo-nos a outros, juntamo-nos a pessoas que nos possam dar respostas, esquecendo que estas se encontram no fundo do nosso ser. É importante manter em mente que este tipo de ligações são-nos muito importantes. Pedir ajuda a alguém é importante, o limite está (ou deverá estar) no ponto em que deixamos de tomar as nossas decisões e agimos apenas como nos dizem para agir. Quando deixamos de segurar as rédeas do Carro e as colocámos nas mãos de outro.

Nas relações amorosas isso acontece com frequência. Vamos cedendo e cedendo mais um pouco ao ponto de chegarmos a ficar demasiado longe da nossa essência. Mas fazemos tudo isso em prol de um bem maior, o Amor. Será mesmo assim? Será uma condição deixarmos de ser e fazer o que gostamos porque agora temos outra pessoa na nossa vida? Não me parece que isso seja Amor, pelo menos não o Amor que eu conheço e com o qual me identifico.

Infelizmente (ou felizmente) toda e qualquer relação que se baseie na necessidade, na dependência, no vampirismo, acaba por chegar a um fim. Há sempre um dos dois (ou três) que decide pegar na espada e tornar-se Cavaleiro, cortar as amarras e eliminar os espinhos da relação.

Quando somos nós o Cavaleiro, não há problema nenhum, mas quando o Cavaleiro é o outro, a coisa fica um pouco mais difícil de engolir. Sobram-nos duas atitudes ou lutamos contra o outro ou nos unimos e lutamos os dois pelo mesmo - a reconstrução. Se nos unirmos tudo passará e mais uma vez seremos ligados por boas energias de amor, numa nutrição saudável que nos levará a encontrar a Taça das Taças em conjunto, em uníssono.

Se não formos capazes de nos unir, devemos pensar no porquê? Orgulho ferido? Ego activado por atitudes passadas? Necessidade de reconhecer que todo o esforço, tempo e energia não foram em vão? Se assim é, vamos lembrar o início da semana: Pensamos demais! Essa dor que se sente é causada pela mente, encontre as razões que acha que são a causa da dor e verá que sofre por ilusões.

Que esta semana a Luz do Sol ilumine as nossas dores e nos mostre as Verdades escondidas!

Na primeira hora de Lua do dia de Marte e de S. Boaventura
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...