sábado, fevereiro 28, 2009

Mudanças no Grimoire

Olá meus queridos visitantes e amigos, depois de tantas conversas sobre mudanças e depois de mudar a minha casa, foi a vez do Grimoire levar uma reviravolta! O Banner foi mudado e sê-lo-á de acordo com as estações ou a minha inspiração de momento, wait and see!


A limpeza foi feita, (o que a minha vassourinha trabalhou!!!) a mudança é visível, mas ainda não sei se ficará assim durante muito tempo, poderá ainda sofrer mudanças! Vamos ver.


Espero que gostem e que continuem a sentir-se bem-vindos, Hazel, desculpa mas ainda não foi desta que coloquei uma cor clara de fundo, espero que o cinza das letras torne a tarefa mais fácil ;)*


Aguardo as vossas reações!
Beijocas e espero ainda hoje ter tempo para colocar mais alguma partilha!


Num dia de São Leandro e de Cassiel, Regente da Energia de Saturno

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

9.ª Lição do Mago

O mago vive num estado de conhecimento, que orquestra a sua realização
O campo de consciência organiza-se em torno das nossas intenções
O conhecimento e a intenção são forças. As intenções mudam o campo a nosso favor
As intenções comprimidas em palavras envolvem um poder mágico
O mago não tenta resolver o mistério da Vida, vive-o


Deepak Chopra in, O Caminho do Mago


Num dia São Torcato, Santa Custódia e de Anael, Regente da Energia de Vénus

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Pôr-do-Sol

Às quintas-feiras, se tudo correr como previsto, podem aguardar uma foto da minha autoria. O desafio será sempre o mesmo: O que desperta em vós?

Espero que gostem dos desafios!


Num dia de São Cesário, São Profírio e de Saquiel, Regente da Energia de Júpiter

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Parabéns Mamã

Não há nada que te possa dizer por escrito que não tenha já feito ao vivo, porém, como és importante na minha vida, fica registada a celebração do teu nascimento, sem ti eu não existia! ;d
Para a mamã mais mandona, mais lutadora, mais determinada, mais divertida, mais teimosa, mais brincalhona, mais mãe do MUNDO, os meus PARABÉNS!!!

Que a tua fé nunca acabe e que Ele te ajude sempre!!! Assim seja!


Num dia de São Matias e de Rafale, Regente da Energia de Mercúrio

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Carnaval

(Foto retirada do site http://www.viningsgallery.com/featured-artists/fabian-perez/)

Antes de mais espero que quem anda a brincar ao Carnaval se esteja a divertir imenso. Eu deixei de gostar do Carnaval há muito tempo, mas respeito e até gosto de ver as pessoas mascaradas, as brincadeiras parvas e a eterna desculpa "É Carnaval ninguém leva a mal!" fizeram com que esta festa perdesse a sua graça. O crescer também foi um facto, deixei de sentir necessidade de me mascarar, aliás, das últimas vezes foi um drama encontrar uma máscara que gostasse...
Porém, quando era criança, e até fazia essas brincadeiras parvas, adorava estes três dias. Creio que quando somos crianças estamos mais próximos da nossa verdadeira essência, ainda não nos moldámos por completo às regras e etiquetas da sociedade e somos mais puros. Ainda não racionalizamos as coisas e apenas as intuímos, gostamos de nos revelar aos outros de outra forma.
Por tudo isso achei interessante lembrar-me quais eram as máscaras que eu gostava de usar quando era mais nova. Quando o fiz, a surpresa foi por demais interessante, aprendi algo sobre mim. Por isso hoje faço-vos o seguinte desafio, que máscaras usavam quando eram crianças? De que forma elas se adequam a paixões ou a características que ainda hoje revelam? Essa máscara faz parte da vossa essência ou era apenas algo imposto pelos pais?
Eu, todos os Carnavais, e ai da minha mamã que me mascarasse de outra forma, era Sevilhana. Longo vestido branco com bolas vermelhas, olhos pintados de preto, lábios vermelhos, sapato de verniz salto alto, castanholas na mão, expressão determinada na face, paixão nos olhos e muito amor no corpo. Tudo faz sentido, drama, música e dança, eis uma grande faceta da minha alma! E vós? Estou curiosa de saber se sou só eu ou se há mais almas por aí que reflectiram da mesma forma.
Para terminar vou partilhar um ritual que a minha família e amigos faziam na noite de Carnaval. Era uma espécie de coisa tribal, encabeçada pela minha avó e eu nunca soube o porquê desse ritual ou a sua origem, mas depois da meia-noite, lá íamos todos, e eu adorava esta parte, o teatro que se fazia.
Juntávamo-nos no quintal de alguém, construíamos uma maca, colocávamos em cima um espantalho, construído com as roupas de um homem e enchido de ervas, vestíamo-nos de luto e lá íamos pela Amadora fora a gritar e chorar pela morte do defunto. Era impressionante todas as pessoas vinham à janela, umas sorriam, outras ralhavam, algumas desciam e juntavam-se a nós. O cortejo seguia por um bom percurso e terminava sempre à porta da esquadra. Lá vinham os senhores agentes muito preocupados a pensar que havia já zanga e davam de caras com a minha avó num pranto, a descabelar-se toda, e nós atrás com ar sério a chorar. Era um fartote!
Curiosamente depois destas cenas não me lembro de como terminava, lá devia de ir o homem para o caixote mais perto, como isso não fazia parte da minha fantasia, devo ter eliminado, curioso como a mente humana funciona.

Foram bons tempos, sem dúvida! Tirando os ovos podres na cabeça e os balões de água que vinham antes da maldita farinha!

Num dia de São Sérgio, São Pretextado e de Samael, Regente da Energia de Marte

segunda-feira, fevereiro 23, 2009

Como operar mudanças

Quem me acompanha e conhece sabe aqui se fala muito de mudanças, que volta e meia volta, eu sugiro mudanças ou as cartas do dia nos levam para esse caminho. Mudar a forma de viver, a forma de pensar e de agir, mudar o rumo da vida, nem sempre é fácil e cada um deverá encontrar a forma mais eficaz de ir ao encontro de um vida plena, onde o seu Ser está livre para fazer em consciência as suas escolhas.
Sendo eu uma pessoa mutável, com uma abundância de água e tendo como signo solar um Carneiro, para mim as mudanças são algo essencial. Elas apenas ocorrem e quando não vêm ao meu encontro, eu faço por ir ao encontro delas.
Existem algumas técnicas que podemos utilizar e é isso que hoje venho partilhar convosco.
Para mudar uma fraca qualidade em nós (gostaram do eufemismo?) podemos utilizar uma regra da Cabala. Quando olhar para si e não gostar do que vê, sinta nojo, repulsa por essa sua característica e facilmente o seu ser interior vai operar no sentido de mudar. Visualize-se mudada, veja a sua pessoa a agir de outra forma. Podemos também utilizar os outros como espelho de nós, isto é, quando alguém lhe provoca este tipo de sentimento é porque essa característica está também em si, é tempo de operar as mudanças para não sermos como essa pessoa.
Quando pretende mudar o curso da sua vida terrestre, nem sempre é fácil saber por onde começar. A mudança começa sempre por uma atitude, faça uma lista das coisas que deseja mudar e depois de a elaborar analise o que é mais fácil, mais concretizável nesse momento. Empenhe-se nessa mudança, envie todos os dias para o seu inconsciente o desejo de mudar. Um passo de cada vez, muitas vezes falhamos nas nossas tentativas de mudar porque dispersamos as nossas energias de ataque. Começamos a agir em todas as frentes e quando damos por nós estamos sem forças para levar as mudanças a bom porto.
Por último, tenho uma sugestão que é aquela que mais utilizo. Quando desejamos mesmo mudar o rumo da vida, mas esse rumo tem mais a ver com a nossa forma de estar perante a vida, do que mudanças físicas reais, adoptemos um nome mágico. Esse nome deve conter as qualidades que desejamos encarnar, a forma de vida que desejamos levar. Por exemplo se desejamos abrir-nos mais para o Amor e para os outros poderemos adoptar o nome de uma deusa ou deus que encarne essas qualidades, ou pode ser simplesmente a palavra Amor, Roma (amor ao contrário), Liberdade, Paixão, Freedom, enfim, os exemplos são imensos, cada um saberá por onde começar.
O meu primeiro nome mágico foi Liberdade, vivi-o durante três anos, foi-me dado numa meditação, o meu primeiro baptismo. O meu segundo nome mágico, escolhido por mim, foi vivido durante mais três anos (Marisis) e agora chegou o momento de encontrar outro nome mágico. Para mim, neste momento tem de ser um nome que não tenha qualquer significado, um nome que seja neutro, um nome para o qual eu possa construir uma história.
Mas porquê um nome? É simples, um nome tem uma vibração, tem uma energia, as palavras têm uma energia e quando são aplicadas no nosso subconsciente colocam-nos em sintonia com essa vibração. Sempre que eu precisava de aplicar alguma mudança, dizia o meu nome mágico três vezes, e o meu corpo astral e físico enchiam-se de energia para agir.
Mas atenção o nome mágico só deve ser utilizado por nós, ninguém o deverá conhecer.
Para concluir e porque as mudanças não podem ocorrer apenas no campo astral, uma mudança interior exige uma mudança exterior. Quando sente que mudou as suas formas internas, deve mudar algo na sua vida, por exemplo, o corte de cabelo, a maquilhagem, a roupa, ou simplesmente a sua casa. Esta sugestão tem uma razão simples de ser, muitas vezes mudamos a nossa forma de ser mas os outros, como estão à espera de um determinado padrão de comportamento, condicionam as nossas acções, assim quando a nossa mudança se torna visível no exterior, é mais fácil para os outros compreenderem que mudámos efectivamente. Além do mais, é muitas vezes útil para nos convencer a nós próprios das mudanças que fizemos.

Espero que com estas dicas que vos ofereci possam escolher mudar alguns aspectos que precisem ou que simplesmente desejam. Façam as adaptações necessárias ao que acabaram de ler, utilizem, não utilizem, façam como vos aprouver, mas uma coisa pelo menos façam, vivam a vossa Vida de forma plena em busca constante de sermos cada vez melhor e mais felizes!
(A foto da pia baptismal é da minha autoria)

Num dia de São Policarpo, São Pedro Damião e de Gabriel, Regente da Energia da Lua

domingo, fevereiro 22, 2009

Melodia para o Hierofante

Depois dos Enamorados chega-nos o Hierofante, V - O Papa, carta imediatamente anterior na Rota. Que ensinamentos nos reserva esta lâmina na semana do Carnaval? Depois das escolhas feitas?


Como não creio em coincidências, mas sim em sincronias, numa altura em que muito temos debatido no blogue do amigo Viajante sobre o Ter e o Ser, esta carta vem ao encontro dessa temática. Com o Hierofante poderemos fazer uma boa avaliação dos nossos medos de perder os bens materiais e de como isso afectaria a nossa vida espiritual, será sem dúvida interessante fazer uma análise sincera ao tema.
Isto porque o Hierofante é regido pelo signo Touro e pode encerrar em si o melhor e o pior do signo. Pode ser um Papa conselheiro por ser equilibrado, com os pés bem assentes no chão, tranquilo e sensato ou um Papa tirano, teimoso e demasiado agarrado ao que tem. Pode representar um sistema religioso caduco ou um apega ao plano manifestado. E na nossa vida como se pode ele manifestar? Teimosia nas nossas crenças, fervor desmesurado nas nossas opiniões, mas também uma capacidade inigualável de trazer a espiritualidade ao campo prático da nossa vida, caberá a cada um fazer a avaliação de como está a desempenhar este papel de Papa.


Esta carta alerta-nos ainda para o domínio dos elementos, para a capacidade de utilizar os conhecimentos adquiridos em algo útil para todos, nem que seja apenas numa pura base de transmissão de saberes. Se as nossas escolhas foram feitas em consciência, podemos agora dizê-las ao mundo, manifestá-las com coragem e pregar a nossa Verdade.
Como esta semana tenho mais um concerto, que aguardo com muita expectativa, e como este artista se encaixa na perfeição nesta lâmina decido escolhê-lo para nos acompanhar nesta jornada com a carta V.
Nitin Sawhney é um jovem artista que mistura na perfeição uma quantidade de estilos de música, de culturas e de religiões, com uma mestria que vale bem a pena conhecer. Da sua excelente discografia retiro a música homónima do álbum Displacing the Priest.
Espero que gostem e que vos seja proveitosa.

A todos uma boa semana!

Reflexão Semanal com os Amantes

Nesta semana em que fomos brindados pelos Enamorados, sai 9 de Espadas no dia de Sol. Esta carta indicou-nos onde deveríamos começar a escolher, mostrou-nos que deveríamos fazer a nossa busca de objectivos com inteligência, buscar as nossas ideologias e ideias simples sobre a vida.
Dia de Lua, porém, trouxe-nos a mensagem de que para alcançar o que pretendemos devemos agir com perseverança nada será assim tão simples, Ás de Discos.
Marte, mostra-nos o caminho da acção e onde poderemos agir, mostrando que é preciso dominar as emoções para atingir os nossos objectivos, estabelecidos no dia de Sol. A Rainha de Discos dá-nos a energia da concretização.
Mercúrio trouxe o Rei de Discos e confirma a mensagem do dia de Lua, os nossos projectos serão concretizados sem mais delongas.
Júpiter, depois de tanta realização, trouxe talvez algumas dúvidas, poderemos ter caído na insegurança e desconfiado se nos estaríamos a expressar da melhor forma, foi um dia para superar as emoções, avaliando-as de forma concreta.
Vénus trouxe consigo um dia peculiar, pois saiu o 6 de Espadas numa semana de escolhas, a dizer que às vezes não somos nós que escolhemos, que é preciso virar costas a determinados aspectos para que eles se resolvam por si só.
Ontem, dia de Saturno com a energia de 5 de Bastões, todas as dúvidas, os dilemas e os enigmas foram dissolvidos, conseguindo assim uma maior confiança na nossa capacidade expressiva.

Foi uma semana intensa e que se conseguiram utilizar as energias que o Universo nos ofereceu através dos ensinamentos do Tarot, terá sido um enorme passo na nossa evolução, pois todas as escolhas e decisões tomadas nos levaram à autoconfiança.
E esta semana que nos trará?

Num dia Santa Margarida de Cortona e de Miguel, Regente da Energia de Sol

sábado, fevereiro 21, 2009

Reflexão Semanal com o Louco

Lamento só colocar agora a reflexão das cartas que saíram a semana passada de 8 a 14 de Fevereiro, mas não tive mesmo tempo, mas acho que foi algo tão importante que decidi partilhar, mesmo tendo passado este tempo todo.

Dia de Sol começou com uma exigência, 5 de Espadas, que nos expressássemos da melhor forma, que comunicássemos aos outros aquilo que nós dá prazer, ainda por cima numa semana regida pelo Louco.
Dia de Lua, 10 de Discos, confirmou-nos a realização ou concretização objectiva importante, algo aconteceu que nos vai ajudar a realizar um dos nossos planos.
Dia de Marte, 3 de Copas, colocou-nos no estado de espírito adequado para receber mensagens, deverá ter sido um dia excelente para as comunicações divinas ou poderá ter indicado alguma dúvida em relação ao caminho a seguir. Este 3 de Copas deixa-me sempre com algumas dúvidas, tanto pode ser excelente como pode trazer indecisões.
Mercúrio trouxe-nos a mensagem esperada, que a concretização daquele projecto poderá não ser tão fácil como esperámos, mas que se nos dedicarmos com empenho, tudo será possível. E esta mensagem foi sendo reforçada e confirmada no decorrer da semana, culminando no Sábado com a saída da mesma carta de Sexta.
Júpiter trouxe, então, a energia que esperávamos, Rei de Discos, indicando que tudo é possível concretizar, que se dirigirmos bem a nossa acção, tudo poderemos conseguir. E Vénus e Saturno, com 9 de Discos, reforçam a mensagem “Tudo pode ser conseguido com esforço e tenacidade!”, mostrou-nos que não devemos parar de buscar a nossa realização pessoal.

Foi uma semana curiosa! E para vós, se ainda se lembrarem?
Num dia de São Maximiano, Santa Ângela de Miricia e de Cassiel, Regente da Energia de Saturno

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

O que é um ritual?

Um ritual é geralmente definido como um padrão específico de acções empreendidas para alcançar um resultado final definido. Estas acções podem ser formais ou informais, mas continuam a ser um conjunto prescrito de ritos cujo objectivo é imprimir uma mudança duradoira na vida e na psique do praticante. Quando combinado com a magia, o resultado final pode ser uma mudança poderosa e espantosa.
in Como Fazer Magia de Edain McCoy

Alguns dos Amigos do Grimoire têm-me questionado sobre o porquê de se fazerem rituais e o que são rituais. Para eles aqui vem a partilha que há muito anda a ser adiada.

Muitas pessoas crêem que os rituais são algo rígido, cheio de secretismos e de simbologias incompreensíveis. O que não deixa de ser uma das vertentes possíveis dos rituais, mas dizer que é apenas isso seria limitar uma Arte que pode ser muito mais rica e que pode ser feita de várias maneiras.
A definição dada no início desta partilha é uma das melhores que encontrei para vos oferecer, pois ela mostra que um ritual deve de facto respeitar alguns preceitos, mas que estes podem ser formais ou informais e aí é-nos dada a liberdade para encaixar a rigidez de alguns rituais (os meus por exemplo) e a flexibilidade de outros (aqueles que apenas se sentam em frente à lua e lhe dedicam algumas palavras ou pensamentos). Um ritual pode ser feito em meditação ou até em sonhos!
O importante para vós, que se sentem atraídos por estas Artes, será criar um espaço, um tempo e um estado adequado para se dedicarem a fazer os vossos rituais. Devem utilizar os mesmos objectos sempre e dedicá-los apenas a esses momentos. Se fazem os rituais em meditação, deve habituar-se a fazer uma repetição de gestos reais ou imaginários, criando um padrão único para o início do vosso ritual e para o fim. Porque a chave de um ritual são os padrões, as acções repetidas que realizamos e que ajudam o nosso inconsciente a preparar-se para o diálogo que se vai realizar.

Todavia, um ritual só deve ser realizado se existir um objectivo suficientemente bom, seja ele provocar uma mudança na vossa vida, desde que esta não afecte nada nem ninguém, ou uma celebração simples da Vida Manifestada. Gerar energia e manipular a energia, mesmo que em meditação, não deve ser encarada de ânimo leve, pois toda a acção tem uma consequência e toda a energia não utilizada ajuda a criar forças de negatividade. Isto é uma regra simples do mundo da espiritualidade, até no Feng Shui (uma arte que os mais cépticos aceitam acreditar com mais facilidade) todas as coisas que não são usadas tornam-se prejudiciais na nossa casa e assim é com a todas as energias.

Sintam-se sempre à vontade para me colocar questões, pois sempre que eu for capaz de responder, fá-lo-ei. Agora podem dizer de vossa justiça, o que é para vós um ritual, quais os padrões que usam, e as intenções são ou não importantes?

Num dia de São Eleutério, São Raimundo e de Anael, Regente da Energia de Vénus

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Encontros especiais

Ontem foi um dia muito especial para mim, tão especial que tem de ficar registado no meu grimoire.
Sou uma mulher tímida, cujas barreiras criadas para proteger o meu coração eram difíceis de ultrapassar, mas há uns tempos atrás encontrei três mulheres magníficas que me mostraram que eu tinha muito para dar e pouco a temer. Elas mostraram-me o caminho da confiança em mim e no que eu tinha para dizer, por isso, ontem quando fui conhecer três mulheres novas na minha vida, estava mais serena, mais confiante, mas mesmo assim tímida e observadora. E um pouco nervosa pela novidade de tudo aquilo, tão nervosa que me perdi num caminho básico…só tinha de virar à direita (risos).
Aprendi a não criar expectativas de nada, pois ao fazê-lo estou a condicionar as pessoas, ou elas são como eu imaginei ou me desiludem e eu não quero isso na minha vida. Assim, fui com a mente em branco, preparada para descobrir novidades e, oh meu Deus..., que novidades descobri eu!

Todas estas bruxinhas são diferentes de mim e uma das outras também, mas havia qualquer coisa que nos unia, uma energia que me fez sentir que as conhecia há muito tempo, em especial a cara de uma delas, senti-me tão em casa, como se fossem minhas amigas há anos, que estranho! Cronos, claro, não foi nosso amigo, esquecemo-nos de lhe fazer uma oferenda e quando demos por nós já o Sol nos tinha abandonado e estava na hora de os Magos regressarem a casa.
No Caminho o meu coração estava radioso, feliz por me ter dado abertamente a pessoas novas, feliz por ter conhecido pessoas tão bonitas, feliz por saber que isto foi o princípio de algo muito Mágico!
Estas bruxas magníficas não poderiam chegar em melhor altura, pois neste novo caminho que escolhi fazer, creio que cada uma delas me vai ajudar a reencontrar mais um pedacinho de mim, a colocar-me num caminho ainda mais de equilíbrio, mas além de tudo isso, o melhor será mesmo estar com alguém pelo prazer simples que é estar com elas. Agora ficam a faltar as outras, sim...porque ainda há mais para vir.
Para vós, que estais a partilhar um pouco da minha vida, fica aqui uma foto das mãos mágicas das feiticeiras, bruxas, magas, xamãs, que estiverem em consílio ontem, dia de Mercúrio.
Para terminar este dia em grande, recebo no meu templo uma das três mulheres que me ajudaram a libertar o meu ser, confirmando tudo o que eu já pensava, que aquela pessoa reservada que antes havia, já era, e no seu lugar está alguém com mais vontade de se dar plenamente aos outros, ainda com aspectos a limar mas que está muito melhor.

Num dia de São Conrado, São Álvaro de Córdova e de Saquiel, Regente da Energia de Júpiter

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Oração aos Anjos de Peixes

Anjos! Irmãos e Irmãs Mais Velhos, ajudai-me a desenvolver uma vontade forte e decidida; amai-me, auxiliai-me.
Seres Poderosos, de Amor Infinito, fazei-me descobrir o real caminho da paz, do êxito moral e material, longe das vias áridas da dificuldade e dos caminhos pedregosos das preocupações.
Anjos-Sóis, Irmãos Eternos, ajudai-me a construir um novo paraíso, esta nova Jerusalém que descerá do Céu quando lhe tivermos preparado um lugar no nosso interior e em tudo o que nos rodeia.
Assim seja!


Esta oração é partilhada hoje pois o Sol entrou em Peixes e com ele esta energia de construir sonhos realistas pode estar ao alcance de todos. Para mim foi uma espécie de magia, depois de tudo o que decidi encontrar esta oração, nem a propósito. Anda há quem não acredite nas Sincronias, como diz a IdoMind em relação à Astrologia!

Quando o adepto está pronto o Mestre aparece e o mestre pode ser tudo, até nós próprios! Desejo-vos que consigam alcançar os vossos Sonhos de forma realista!

Num dia de Teotónio, São Simeão e de Rafael, Regente da Energia de Mercúrio

terça-feira, fevereiro 17, 2009

A Era de Aquário - Leão

Recentemente temos falado muito da era de Aquário, que fiquei a saber pela Medusa que astrologicamente se diz Aquário - Leão, peça fundamental, e com a entrada de Mercúrio em Aquário, a energia que podemos aproveitar é maior. Vou tentar alargar-me um pouco mais sobre este assunto, o que ele significa em termos gerais e como podemos, cada um de nós, aproveitar para nos elevarmos e, por conseguinte, elevar os outros.

No nosso hemisfério Aquário chega no meio do Inverno, abre as portas e as janelas para o Sol entrar com a sua força revigorada, e ele representa exactamente isso, as novas oportunidades. Sendo um signo de ar, encontra-se mais virado para as ideias, para o mental, para as ideologias e, por conseguinte, para as reestruturações sociais. Aquário é o signo da novidade, da criatividade. Representa o futuro, o novo homem e as suas reformas sociais, em suma, tudo o que é inovador e libertador. Ele mostra-nos que o caminho é colectivo mas onde cada um com a sua liberdade deve ser respeitado, que são as peças individuais que formam o todo.
Aquário é o signo de todas as mudanças e todas as possibilidades, para ele nada é impossível, apesar de ser um signo fixo.
Eu adoro mudanças, tenho a casa 8 em Aquário (ainda não sei bem o que isso representa, mas a Medusa vai com certeza dar uma mãozinha) ainda ontem partilhei convosco as minhas decisões de mudança, mas o que não vos disse foi que para se tornar visível essa mudança, decidi mudar o exterior, não o meu físico mas o da minha casa. Acreditem, quando o Homem chegou a casa, não foi fazer o que habitualmente faz, esticou-se no sofá, colocou umas das suas músicas a tocar e ali se deixou permanecer a aproveitar a energia de calma que a sala transpirava. Inspirada por ele, larguei os trabalhos que estava a realizar e fui buscar o meu livro A Divina Comédia, deitei-me no seu colo e ali nos deixámos ficar. Foi tão bom ver que afinal a minha mudança já estava a ser visível no mundo exterior! Como disse a IdoMind, as mudanças só podem ocorrer primeiro em nós (Ain’t that the truth!).
E isto é o que a energia de Aquário nos pede, mudar as formas antigas de actuação, mudar o nosso interior e trazer a Tolerância para o nosso dia-a-dia. No início deste ano Mercúrio já tinha entrado em Aquário e fiz a partilha astrológica na altura, mas como ficou retrógrado, voltou para Capricórnio em vez de seguir para Peixes. Assim, voltámos neste meio de Fevereiro a ter a oportunidade de aproveitar a sua energia. Para ficarem a saber mais sobre isso podem ler a partilha aqui.
Neste momento temos o Sol em Aquário, somente até amanhã às 12h46m hora local, mas temos Mercúrio até dia 8 de Março, Marte até 14 de Março, Júpiter até 17 de Janeiro de 2010 e Neptuno até 4 de Abril de 2011.

Já falei de todas essas conjunturas, mas nunca o fiz sobre Neptuno e eis que descobri umas coisas interessantes que passo a partilhar.
Neptuno em Aquário pode ser perigoso, pode levar-nos às alucinações colectivas, às mudanças radicais de perspectivas futuras, ao direccionarmos a sociedade para o irreal, para a fantasia, para Neptuno. Na verdade esta tendência está por trás de toda esta Era de Aquário – Leão, a busca pelo mundo espiritual pode levar-nos a patamares bizarros, devemos ter em atenção as nossas escolhas individuais, não nos deixarmos envolver com grupos ou pessoas apenas por elas nos “prometerem” a elevação do espírito.
Num mundo onde a informação é em demasia, tornando-a em algo negativo, onde as empresas que mais lucro têm são as das telecomunicações, é estranho pensar que cada vez mais as pessoas estão isoladas, sós. Neste novo mundo que criámos e estamos a ajudar a continuar a criar pode tornar-se difícil encontrar um tempo e um espaço para ficarmos sós, quer seja pela presença constante do telemóvel, da Internet, da televisão ou rádio. Foi isto que me aconteceu nestes últimos tempos, mesmo quando estava só, não conseguia parar de pensar que tinha post para colocar, que assuntos poderia falar, que comentários me tinham feito, enfim…nunca conseguia parar a mente. Foi por isso fundamental para mim afastar-me este fim-de-semana até do Grimoire.Este mundo das telecomunicação, em particular da Internet, é um mundo de oportunidades, mas não deixa de ser um mundo irreal. É fácil chegar aqui e mostrar aquilo que gostava de ser, fingir que sou outra pessoa ou mostrar apenas aquilo que os outros gostariam de ver. Até a esta coisa que todos os dia eu me dedico com Amor, eu tive de parar, afastar-me e ver quem estou eu a ser, pois é muito fácil ir por outro caminho que não aquele que eu desejo. Quanto ao que estou para aqui a dizer, não quero dizer que me mostro uma pessoa que não sou, aliás, seria de todo impossível, há pessoas que me conhecem no dia-a-dia e me lêem todos os dias, elas saberiam se isso acontecesse. Mas quero apenas chamar a atenção para isto, afinal todos nós que escrevemos sobre nós e sobre o nosso caminho, estamos a criar uma imagem irreal de nós, tentemos manter-nos o mais afastados possível para ver se essa imagem corresponde ao que somos na verdade, caso não corresponda, podemos aproveita para mudar o nosso dia-a-dia de forma a pudermos ser essa pessoa que criámos, invertendo algo negativo em positivo. Para mim foi excelente, deu para me redefinir! Estava a ser uma pessoa que eu não queria ser!

Este Neptuno em Aquário, chama-nos à atenção também para uma nova filosofia religiosa, quem dera que fosse finalmente a união entre a religião, a ciência e a filosofia. Se estas três se unissem, acredito que o mundo poderia viver tempos de paz, de tolerância. Poderíamos dar a atenção devida à unidade, isto é, ao corpo, à mente e à emoção. Tentemos durante este período unir as nossas crenças de acordo com a Tolerância, unamos em nós a ciência e religião, depois disso façamos uma nova filosofia de vida que não precisa de ser a de ninguém, basta que seja a nossa e que nos faça feliz. Aprendamos a juntar pelas diferenças e não a separar. Lembremo-nos que Aquário tem a ver com a Liberdade, a liberdade de escolher quem queremos ser, mas também de respeitar as diferenças de escolhas de caminho e que seguir rumos diferentes não significa que tenhamos de deixar de estar em conjunto.
Esta conjuntura pode ainda criar líderes carismáticos e/ou adeptos fanáticos, cegos. Por isso é importante que façamos uma avaliação constante sobre o que os outros nos dizem ser a verdade, se não fizer eco em nós, não tem de ser a nossa verdade. Construir o nosso templo interior é a melhor forma de ajudar esta era que inclui também o signo de Leão. Leão leva-nos para isso mesmo, para a nossa auto-realização. Só podemos dar aos outros depois de nos temos dado a nós! Isto, claro, não tem de ser a vossa verdade, meditem e verifiquem se ela vos faz sentido, se sim aceitem, senão deitem fora, é lixo para vós, tão simples quanto isso. Também eu vou começar a fazer isso, pois afinal eu aceito todas as verdades e redefino as minhas e depois dá bronca!!! Porque simplesmente há verdades, ou partes da verdade, que não têm de ser as minhas.

O que nos leva para o último tema deste planeta, a compaixão. Neptuno é o planeta que nos pode ajudar a compreender que só quando aceitarmos que não há uma única verdade absoluta, que cada um tem parte dela, que os outros são diferentes de nós e que isso não os faz mais ou menos, só aí poderemos compreender verdadeiramente o que é a Compaixão. Aí começamos o nosso processo de cura, de perdoar-nos e só depois poderemos dar aos outros o nosso Eu saudável. A peça fundamental para compreender esta energia é vivermos a nossa Verdade com consciência de que há outras tão verdadeiras como a nossa, se cada um viver a sua vida de forma feliz, mesmo que isolado dos outros, estará a ajudar a todos.

Meus queridos amigos esta é a minha Verdade, a minha visão sobre esta Era de Aquário – Leão, o caminho que escolho fazer. Aceito as vossas partilhas de visões diferentes ou idênticas, comentem para complementar ou refutar. Ajudem a esclarecer este assunto e a encontrar várias formas de chegarmos ao mesmo lugar – Sermos Felizes!

Num dia de São Faustino, São Teodulo de Sion e de Samael, Regente da Energia de Marte

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Escolhas

Bom meus amigos, hoje vou fazer uma partilha sobre mim, não que as outras não o sejam também, mas esta tem mesmo mais a ver comigo, o meu Interior.
Fugi este fim-de-semana e foi o melhor que fiz, fugi da rotina, do conforto do lar, das distracções, das seguranças e fui ter com os meus problemas, com o meu Interior. Quando cheguei a casa e tirei a carta da semana, fez-se mais luz, é um momento de escolher, escolher quem quero ser.
Tenho andado demasiado envolvida com aspectos menos positivos, tenho esperado que algo aconteça, que algumas pessoas ajam, que outras não ajam, que o Universo me dê um sinal. Tenho estudado muito, procurado ainda mais e no meio de tudo isto esqueci-me do essencial, a Paz, a Calma, a Confiança - o básico, o simples. Tive de me confrontar com este aspecto, esta característica minha que sempre tive, a paixão tolda-me a percepção, envolvo-me demais com a espiritualidade, esqueço-me de manter os pés na Terra, esqueço-me de que a regra é básica, viver a Vida simplesmente!

Creio que quem está ao pé de mim já se cansou de me chamar à Terra, que já espera que seja eu sozinha a compreender que não estou a viver e ele tem razão. Quando as pessoas nos avisam é para a nosso bem, mas não podemos esperar que elas lá estejam sempre a desempenhar esse papel. Para mim era bastante confortável, deixava-me ir e quando era de mais, lá estava o neon do namorado a dizer: "Hello, põe os pés na Terra! Estamos aqui e não lá em cima nesse mundo de fantasia" (risos, é mesmo assim, acreditem!).
Viver os problemas da sociedade foi mais uma coisa que me fez andar à deriva. Não posso, nem quero mudar o mundo, as notícias já há muito tempo que não as oiço, mas infelizmente na minha profissional tive de ver o que se passava. Porém, chegou o momento de escolher e eu não quero viver os problemas criados pelos outros, problemas para os quais eu não tenho a solução, quero sim viver a minha vida, ajudar os meus amigos e todas as pessoas reais que se cruzarem na minha vida. Isto não quer dizer que não seja solidária e envie as minhas preces para quem mais necessita, que não fique triste pela forma como estamos a caminhar. Todavia, nos meus rituais começo por pedir que a luz que se vai gerar se expanda pelo Universo em particular pelos lugares onde houver obscuridade. E é só isso que eu posso fazer, enviar energia e esperar que tudo corra bem. Mas o mais importante é realizar a minha vida, se todos fizéssemos isso, a Luz aumentaria mas rápido, sem dúvida.

Posto isto, eis a minha escolha – fazer um caminho mais simples. Dedicar-me a quem está próximo e de mim necessitar, dedicar-me à minha vida. Ouvir o meu coração que me pede para fazer umas coisas, ir em busca de uma paixão – a fotografia! Tenho muitas paixões, a dança (fica cá por casa e pelas saídas), a mitologia (já sabem dessa), a música (tocar flauta, tambores, fazer barulho, muito!) e a fotografia. Esta vai começar a ser experimentada com mais rigor. Aguardem algumas partilhas sobre o tema, vou-me dedicar a encontrar a Beleza e prometo partilhá-la convosco.

Num dia de São Porfírio, Honesto e de Gabriel, Regente da Energia da Lua

domingo, fevereiro 15, 2009

Melodia para os Amantes

Fui passar o fim-de-semana fora (aproveitar a energia do Amor ihihihhih) e só cheguei agora, mas ainda venho a tempo de colocar a carta para esta semana e a minha escolha de música para a inspirar.

Curiosamente, depois do dia dos namorados, a carta que nos sai é Os Enamorados. Carta VI na Rota, indica-nos que há escolhas a serem feitas, opções a tomar, decisões a fazer. Há sempre duas hipóteses na vida, ouvir ou recusar ouvir, escolher ou deixar que escolham por nós, agir ou esperar, fazer ou não fazer...enfim, uma quantidade de situações que servem de exemplo para esta lâmina. Pode ainda representar a escolha de um caminho virtuoso ou vicioso.
Andei, pensei, reflecti, escolhi e não fui capaz de decidir (a carta veio a calhar!), andava a pensar em partilha novamente Mogwai e oferecer-vos um pouco da magia que foi aquele espectáculo, mas fechei os olhos e senti "Deve ser um filme!", fácil!!!
Para mim, o melhor filme que pode ajudar a compreender a energia desta carta é O Fabuloso Destino de Amélie Poulain do brilhante Jean-Pierre Jeunet. Este filme mostra-nos o que é realizar uma vida, fazer um caminho, seguindo o coração escolhendo constantemente ser mais do que pensávamos ser capaz, e claro, seguir um Amor. Creio que a maioria de vós já viu este filme e acredito que vos tocou tanto como a mim, nunca mas fui capaz de andar por Montmartre sem pensar na vida desta Linda menina, sem me deixar invadir pela sua Beleza.
Fica então a música La Valse d´Amélie versão orquestra de Yann Tiersen.
Façam boas escolhas esta semana, sempre que as tiverem de fazer sintam a energia desta carta!

Num dia de São Jovita, São Romualdo e de Miguel, Regente da Energia de Sol

sábado, fevereiro 14, 2009

Dia de São Valentim - a sua importância iniciática

Antes de começar o verdadeiro artigo quero desejar-vos a todos um feliz dia do Amor, hoje é de facto um dia especial! Leiam e fiquem a saber porque vos digo isto! Para saber outras informações sobre este dia, aconselho a lerem o lindo texto da Lemniscata, onde nos fala das tradições e nos relembra as várias fases pelas quais esta tradição passou, espreitem aqui. Além disso podem lá encontrar artigos magníficos para oferecerem às pessoas que amam. ;)

Hoje vou falar-vos sobre umas tradições gregas que ocorriam nestes dias, em particular hoje. Já falei nos rituais do mês de Fevereiro que havia vários rituais a serem celebrados nesta altura, mas o que vos ocultei foi que um dos mais importantes era a iniciação órfica que era escondida pela festa Lupercálias em honra do deus Pã.

Pã é um dos deuses mais importantes para os iniciados, ele representa o domínio sobre a natureza, sobre os nossos instintos animalescos, é o domínio de Marte. Os seus cornos são os raios de Sol, (lembram-se dos carneiros na história de Psique que ficavam enfurecidos por os seus cornos estarem quentes do Sol?), a sua parte inferior animalesca é análoga aos nossos instintos básicos e os seus cascos representam as raízes das árvores, a ligação com o interior da terra. Mas enquanto uns andavam a brincar às lupercálias, no meio dos bosques que vão dar a Delfos, outra festa ocorria.

Imaginem-se numa densa floresta, não sabem para o que vão, mas está uma noite bem amena, uma lua cheia radiosa que é encoberta pelas ramagens frondosas dos freixos e dos choupos. O céu, quando vislumbrado, é cristalino. De repente, vêem uma montanha, a luz da lua dá-lhe uma claridade elísia. Vêem as grutas cobertas de heras, ouvem o murmuras das fontes e das ninfas que palpitam sob a frescura da relva. Cheiram agora um cheiro doce a madressilva e, mais à frente, um amargo a louro, de repente uma nuvem oculta a luz e tudo parece tenebroso. Saem uns fachos de luz de várias partes da floresta, à frente de cada fileira de gente há um homem com um capuz e atrás todo o tipo de pessoas vestidas de formas diferentes. Os primeiros são os mistos de Baco, adolescentes, vestidos de longas túnicas de linho, coroados de hera, com taças de madeira cinzelada. A seguir vêm os mistos de Hércules, rapazes vigorosos com túnicas curtas, pernas nuas, uma pele de leão sobre as espáduas descendo até à cintura e coroas de oliveira sobre as suas cabeças. Em seguida, os mistos de Baco Lacerado, com peles de zebras ou de panteras na cintura, faixas vermelhas na cabeça e tirso numa mão. Perto da gruta escondida estão os mistos de Eros subterrâneo e de Aidoneu, que choram copiosos os seus amigos mortos. Por último vêm as moças que se irão iniciar no misto de Dionísio coroadas de narcisos com peplos azulados. Nestas havia duas categorias, as companheiras de Perséfona, que traziam pequenos cofres, urnas e vasos votivos e as amantes místicas de Afrodite.
Todos os iniciados se banhavam antes no rio para se purificarem, vestiam as roupas da sua escola e esqueciam o seu nome de família ou pátria. Escolhendo um novo nome a partir desse dia.

A marcha continua pela clareira e segue até ao monte de Delfos. Aí encontram Orfeu que nos acolhe com o seguinte discurso:

Saúdo-vos a todos que viesteis renascer depois dos sofrimentos na terra, e que renasceis agora. Vinde beber a luz do templo, vós que saís da noite, mistos, mulheres, iniciado. Vós que chorastes, vinde alegrar-vos. Vós que lutasteis, vinde repousar. Evoco o sol dos mortos. É a pura luz de Dionísio, o grande sol dos iniciados. Pelos vossos sofrimentos no passado, pelo esforço que vos trouxe até aqui, sereis vencedores. Se acreditais nas palavras divinas, já sois vencedores. Depois do longo circuito de existências tenebrosas, saireis afinal do círculo doloroso das gerações, e ver-vos-ei como um só corpo, como uma só alma, na luz de Dionísio.

A chispa divina que nos guia está em nós! Torna-se luzeiro no templo, estrela no céu. Assim cresce a luz da verdade. Ouvi a vibração da lira de sete cordas, a lira de Deus: ela move os mundos. Ouvi, e que o som vos atravesse. E as profundezas dos céus se abrirão.

Socorro aos fracos, consolo aos sofredores, esperança a todos. Mas desgraça aos maus, aos profanos. Eles serão confundidos. No êxtase dos Mistérios, cada um vê até ao fundo a alma do outro. Ali os maus são feridos pelo terror, os profanos pela morte. E agora que Dionísio luziu sobre vós, eu invoco Eros celeste, todo-poderoso. Esteja convosco nos vossos amores, nas vossas lágrimas, nas vossas alegrias. Amai! Tudo Amai! Amai a luz, não as trevas. Durante a viagem, lembrai-vos do fim. As almas mostram no seu corpo sideral todos os pecados cometidos na existência como se fossem manchas horríveis. Para limpar essas manchas, elas têm de voltar à terra. Os puros, os fortes, vão para o sol de Dionísio. Agora entoai - Evoé.

Este discurso foi retirado do livro Os Grandes Iniciados de Edouar Schuré, onde aprendi esta linda história que tem por nome a Festa dionisíaca no vale do Tempe.
A minha partilha vem no sentido de vos oferecer a possibilidade de verem neste deus grego algo mais do que o mero deus do vinho, das festas libertinas, mas sim o deus que inspirava à verdadeira libertação. Se quiserem aprofundar o tema posso aconselhar aos mais audazes a obra O Nascimento da Tragédia de Friedrich Nietzsche.

Num dia de São Valentim, São Cirilo, São Metódio e de Cassiel, Regente da Energia de Saturno

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

A Grande Viagem

Viajava agora com pressa para embarcar no porto de Génova num dos navios que, no princípio do Verão, sobem da ilha para Bruges, Grand e Antuérpia.
Mas já no fim do caminho, a pouca distância de Génova, adoeceu. Foi talvez do sol que escaldava enquanto cavalgava por vales e montes ou foi da água que bebeu de um poço onde iam à noite beber os sardões.
Tremendo de febre, foi bater à porta de um convento. Os frades que o recolheram tiveram grande trabalho para o salvar, pois o Cavaleiro parecia ter o sangue envenenado e delirava dia e noite. Nesse delírio imaginava que nunca mais conseguia chegar ao seu país, pois Veneza erguia-se das águas e arrastava-o consigo para o fundo do mar, e as estátuas de Florença formavam exércitos de bronze e mármore que não o deixavam passar. Os frades trataram-no com chás de raízes de flores, com pílulas de aloés, com xarope de mel e vinho quente, com pós misteriosos e emplastros de farinhas e ervas. A febre foi baixando lentamente e só acabou de todo ao fim de u mês e meio. Então o Cavaleiro quis seguir viagem, mas estava tão fraco, magro e pálido que os frades não o deixaram partir.
Teve de esperar mais um mês no pequeno convento calmo e silencioso. Estendido na sua cela caiada escutava o murmurar das fontes na cerca e os cânticos dos religiosos. Depois, à tarde, passeava no claustro quadrado admirando nas paredes as suaves pinturas dos frescos que contavam os milagres maravilhosos dos santos. Na parede da direita via-se Santo António pregando aos peixes e na parede da esquerda via-se São Francisco fazendo um pacto com o lobo de Gubio.
No meio do claustro corria uma fonte e em sua roda cresciam cravos e rosas brancas. No céu azul, as andorinhas cruzavam o voo.
E das colunas, do murmúrio da fonte, das flores, das pinturas e das aves erguia-se uma grande paz como se os homens, os animais, as plantas e as pedras tivessem encontrado um reino de aliança e de amor.
Nesta paz, as forças do Cavaleiro cresciam dia a dia até que, ao cabo de cinco semanas de descanso, ele pôde despedir-se dos frades e continuar o seu caminho.

in, O Cavaleiro da Dinamarca, Sophia de Mello Breyner Andreson

Hoje, sexta-feira treze, dia de grande poder, escolhi deixar-vos este capítulo de um belo livro de Sophia de Mello Breyner Andreson.
Este capítulo foi escolhido por me ter falado de uma forma mágica. Quando o li, fiquei como uma criança incrédula perante uma maravilha tão grande. Registo-o no meu Grimoire par não me esquecer disso, mas também gostava de ver as vossas reacções a esta partilha.
E é exactamente isso que vos proponho hoje, que vos diz esta história? Que lição apreendem destas palavras mágicas? O que sentiu a vossa alma ao reconhecer estas palavras? Não me pronunciarei para não vos condicionar. Aguardo pacientemente as vossas partilhas! Um bom dia da Sorte para vós!

Num dia de São Gregório, Santa Catarina de Rici e de Anael, Regente da Energia de Vénus

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

8.ª Lição do Mago

O poder é uma faca de dois gumes. O poder do ego procura controlar e dominar
O poder do Mago é o poder do Amor
A cadeira do poder é o Eu interior
O ego segue-nos como uma sombra negra
O seu poder é intoxicante e viciante e finalmente destruidor
O eterno choque de poder termina em unidade


Deepak Chopra in, O Caminho do Mago


Num dia de Santa Eulália e de Saquiel, Regente da Energia de Júpiter

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Análise da história de Psique - I

Demorou tempo mas eis que finalmente inicio a minha análise pessoal sobre a metáfora por detrás da história de Psique. Relembro que ela é apenas a minha visão de uma história e que cada um terá a sua, sendo que esta será muito bem-vinda.

Esta análise vai ser dividida em partes, ficou muito extensa, e além do mais dou-vos a oportunidade de ir digerindo tudo o que eu vou deitar cá para fora. Espero que se aproveite algo!

A primeira parte vai incidir sobre dois conceitos importantes que devem ser retirados da equação enquanto sentimentos, pois hoje em dia estão cheios de conotações diferentes daquelas que os gregos utilizavam, serão eles a Beleza e a Inveja.

O conceito de Beleza grego nada tem a ver com aquilo que comummente se pensa nos dias de hoje. A Beleza era um meio de alcançar o Divino, era uma forma de perfeição que nos colocava em linha directa com as divindades. A Beleza era um ideal de vida, aquilo que movia os pensadores e artistas gregos, bem como os iniciados.
A Beleza nada tinha a ver com o plano físico ela era um ideal, uma ideia, algo que não tinha forma. Os homens apenas a poderiam tentar alcançar mas nunca seriam capaz de a reproduzir.

Portanto, Psique só poderia representar a pureza da Alma quando está no seu estado liberto. Psique pretende demonstrar as características que todos temos dentro de nós, mas que por vezes recusamos aceitar. A beleza de Psique só é mencionada no início enquanto ela vivia em casa dos pais e não se casou. Sendo que o seu casamento representa a descida ao Plano Manifestado, Eros o corpo físico, mas isso ficará para a segunda ou terceira parte desta análise.

Outro conceito que convém esclarecer é o da Inveja. Segundo Aristóteles a inveja procede da vanglória. O que neste caso se aplica, Psique só foi invejada por Afrodite depois da vanglória dos seus pais. O professor Ramiro Marques caracteriza muito bem este sentimento, ainda dentro das ideias gregas e dos seus preceitos éticos: “A inveja nasce da recusa do reconhecimento de que existem pessoas naturalmente excelentes e outras naturalmente medianas e medíocres. Nasce também da recusa em aceitar que a fortuna, ou a boa sorte, estejam desigualmente distribuídas e que essa distribuição desigual faça parte da ordem natural do Universo.” Controverso?
Acreditando que há encarnações e que esta vida é uma escola, devemos poder aceitar que muitos de nós chegaremos ao fim da viajem para verificar que chumbámos na aprendizagem. Lá teremos de voltar a esta esfera para a repetir. Será que os nossos recursos continuarão a ser os mesmos? Teremos direito à abundância depois de ter desperdiçado uma vida, duas, três? Claro que não sei as respostas para estas perguntas, mas esta ideia não me parece de todo absurda. Parece-me simples que a Natureza se encarregue de oferecer mais a quem cá está pela primeira vez e menos a quem ande a “pastelar”. (nem consigo imaginar as vossas caras ao acabar de ler o que escrevi).

Assim, as irmãs de Psique apenas a Invejaram porque se viram confrontadas com o facto de ela ser bafejada pela Sorte e poder viver uma vida diferente da delas. Esta iveja é a negativa, é aquela nutrida pelo sentimento de inferioridade. Se invejar alguém estou a dizer que aquela pessoas não merece o que tem e eu seria mais merecedora. Isto aconteceu-me uma vez na vida, uma colega minha ficou efectiva e eu sabia que ela nem era assim tão boa professora, invejei-a! Queria ter sido eu, achava mais justo, mas depois percebi que afinal não era bem assim. Ela mudou radicalmente depois de efectivar, pelo menos eu vejo isso assim. A ti Cláudia, um pedido de desculpa.

Porém, depois temos a inveja que até nem é negativa, isto é, que se torna num motor de arranque para as nossas vidas. Aquela pessoa tem isto e eu não, invejo-a, não achando que ela não merece, mas pensando que é bom e também quero. Quanto a isto, só há uma pessoa que sabe que de vez em quando eu tenho essa inveja, a minha Irmã (verdadeira e única). Ela tem no seu caminho todas as pessoas interessantes, aliás foi ela que me apresentou a todas, todo o tipo de iniciados! Sortuda e depois não aproveita :d, mas não invejo ninguém! O meu motor de arranque parte de outro princípio.

Posto isto, a inveja era um tema recorrente na Grécia, ela acompanhava a história dos deuses e dos humanos. Segundo os gregos a inveja era um dos piores males do mundo, era decidir sobre a justiça, era fazer o papel dos deuses e decidir se o outro tem ou não o direito à sua felicidade, abundância ou qualquer outra forma de recompensa. Razão pela qual, eu creio, que os deuses eram retratados como invejosos, pois eles decidiam se o humano tinha ou não direito sobre aquilo. Além disso, o verdadeiro iniciado sabe que a inveja é um defeito, se ele sente que o invejam, sabe imediatamente que está desiquilibrado, que a soberba tomou conta da sua alma.

Espero que estes dois conceitos tenham ficado esclarecidos, pois eles são o início da jornada nesta interpretação e creio ser fundamental que se compreenda no contexto grego o que estes dois conceitos representavam.

E para vós, a inveja e a beleza o que são afinal? Motores de arranque, pecados, males do mundo? Aguardo com paciência as vossas partilhas.

Num dia de Nossa Senhora de Lourdes, São Lázaro e de Rafael, Regente da Energia de Mercúrio

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Ritual para a Lua cheia de Fevereiro

Ora, cá fica mais uma partilha. Este ritual foi criado por mim e tem como fonte de inspiração todos os rituais do livro de José Medeiros e a mitologia da deusa Atenas/Minerva, que ontem partilhei. Espero que se o realizarem, vos seja muito útil, que vos ajude a encontrar o equilíbrio, é tudo o que desejo. Eu fí-lo ontem para honrar o Eterno Feminino e alinhar as minhas energias com as das Deusas, espero que esteja tudo correcto, comprovei-o com a técnica que há dias partilhei, e o resultado deu positivo em todos os aspectos, assim espero.

Objectivo: pedir a inspiração da Deusa Atenas para o Bom Caminho e o Bom Combate, que as suas qualidades possam ser integradas na nossa experiência.
Momento adequado: Lua cheia de Fevereiro

Materiais necessário: coroa de hera, carvão, louro em pó, vela púrpura, caldeirão, espada (ou faca), azeite e pão.

Acender a vela púrpura, colocá-la dentro do caldeirão. Saudar o Oriente e dizer:

- Nesta época de grande poder, Sábia Deusa, invoco o teu poder, Senhora do Conhecimento e da Sabedoria, para que me protejas no Bom Caminho e inspires no Bom Combate.

Colocar a coroa de hera sobre o pentagrama e pegar na espada com a mão direita. Dizer:

- Trago esta coroa, símbolo dos pensamentos elevados, em ti a consagro, por ti a purifico e bendigo, para que limpe os meus pensamentos e os ilumine. Trago esta espada na minha mão direita, símbolo da justa acção, em ti a consagro, por ti a purifico e bendigo, para que me oriente no meu caminho e só seja levantada para a guerra justa.

Colocar a coroa de hera na cabeça e dizer:

- Peço-te, Grande Deusa, Senhora do Equilíbrio, que a tua serpente esteja sempre desperta em mim e a tua coruja me guie na escuridão.
Ajuda-me a ter uma acção ponderada, a minha mente sempre clara e as minhas emoções controladas, para meu benefício e dos meus Irmãos.

Acender o carvão e deitar o pó de louro. Dizer:

- Grande Deusa, inspiradora dos homens justos e inteligentes, que o Fogo me purifique e o Ar me inspire a ouvir os ensinamentos dos Mestres Antigos.

Fazer uma meditação sobre os aspectos da nossa vida onde queremos a acção da Deusa.
Colocar o azeite e o pão sobre o altar e consagra-los. Dizer:

- Grande Deusa, eu te consagro este pão e este azeite, símbolos da Terra e da Luz, para que com eles eu possa fazer a união entre o Plano Manifestado e o Plano Espiritual. Assim seja.

Molhar o pão no azeite e comê-lo, enquanto visualiza a energia da Deusa a descer sobre si.

Colocar as mãos em forma de triângulo à frente da cabeça, os polegares unidos e os indicadores também, saudar o Oriente e dizer:

- Grande Mãe, peço-te para que oiças as preces desta tua filha que te pede auxílio e inspiração. Agradeço a tua benevolência e Amor. Assim seja.

Num dia de São Guilherme de Maleval - O Eremita e de Samael, Regente da Energia de Marte

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Deuses do Conhecimento

Fazendo uma breve pesquisa pelas várias mitologias existentes deparo-me com uma história bem interessante. Na mitologia celta, havia seres misteriosos que habitavam as águas escuras dos lagos, rios e riachos. Um desses seres era Fintan (os nomes vão mudando de acordo com a visão de cada autor), este era um salmão da sabedoria, era um metamorfo. Sobreviveu ao dilúvio mudando a sua forma para a de um falcão para sobrevoar as águas e depois voltar em salmão para nelas viver. Conta-se ainda que comeu nozes mágicas e, assim, recebeu todo o conhecimento celta, mas ficou preso numa rede e foi comido por Finn MacCool que acabou adquirindo o seu conhecimento e os seus poderes. Por outro lado temos a deusa Cerridwen, deusa da escuridão e dos poderes proféticos. Ela é a guardiã do caldeirão do submundo, no qual a inspiração e o conhecimento divino são fermentados.
Já na mitologia greco-romana temos a história de Hermafrodito, como símbolo da união entre o Amor e o Conhecimento, dando origem à Sabedoria, ao equilíbrio. Hermafrodito foi o resultado de Mercúrio (Hermes) com Vénus (Afrodite). A sua natureza era de tranquilidade e sabedoria, não se importava com sentimentos relacionados aos instintos humanos.

Apesar de haver todas estas referências, que foram tidas em conta na criação do meu ritual para a Lua do Conhecimento, optei por Atenas/Minerva. Esta foi a minha inspiração para a sintonia com esta lua poderosa.
A sua história é bastante interessante, tendo nascido de uma paixão entre Zeus/Júpiter e Métis/Prudência. A cosmogonia grega está repleta de inícios conturbados onde o pai é destronado pelo filho e Gaia, mãe de Zeus, previu que da união deste com Métis, iria nascer um filho que o destronaria, como ele havia feito com o seu Pai, Cronos/Saturno. Zeus, receoso engoliu-a, usando, é claro, uma artimanha, mais uma das características dos deuses do Olímpo, todos eram muito ardilosos. Enquanto pedia a Métis que se transformasse num ser diferente, ela pouco prudente, transforma-se numa mosca e este engole-a. Durante o tempo de gestação, Métis vai tecendo as roupas de Atenas, o tempo e a paciência como forma de melhor nos armarmos, mais uma analogia sonre a nossa função durante a gestação do filho, escolher as suas qualidades. Um dia, durante uma batalha, Zeus estava cheio de dores de cabeça e quando Hefesto, o ferreiro, lhe dá uma machadada na cabeça, sai de lá Atenas, vestindo um elmo, uma armadura e um escudo.

Atenas é, assim, o símbolo maior da Inteligência Divina, ela sai literalmente da cabeça do Pai. Esta deusa representa, para mim, o lado feminino de Hermes, pois também ela foi a tutora da humanidade, ensinando-nos a tecer, costurar, dançar, pescar, caçar, enfim todas as actividades que nos levaram a evoluir.
Contudo, há uma característica sua que a eleva perante Hermes. Ela não é, como o deus Mensageiro, ardilosa, matreira e enganadora, Atenas rege-se pelo equilíbrio da Espada e pelos olhos da Coruja.
Atenas é uma figura feminina, dai ter sido escolhida para o ritual da lua, mas é uma deusa equilibrada, na minha opinião, não demasiado emocional, ela simboliza a razão e o coração equilibrados. A sua acção é baseada na Justiça, os seus pensamentos inspirados na obra do Pai e o seu Amor alimentado por todos.

Já sei que o Viajante também gosta desta deusa, e vós? É Atenas para vós uma fonte de inspiração? Se tiverem algo a acrescentar a esta história, sintam-se à vontade, já sabem serão sempre bem-vindas mais opiniões.

Num dia de Santa Apolónia, São Cirilo, São Teodoro e de Gabriel, Regente da Energia de Lua

domingo, fevereiro 08, 2009

Melodia para o Louco

Hoje apetece-me fazer uma breve análise às cartas que têm saído, quero ver se temos ou não estado a seguir os conselhos do Universo através das cartas de tarot, isto porque para mim O Louco, a carta desta semana, é sempre um momento de paragem, de auto-análise. O Louco é a carta que eu utilizo para ser o joguete, ele vai fazendo o caminho e quando me sai neste tipo de meditações mostra-me a evolução feita. Então vamos lá, já sabem que serão bem-vindas as vossas partilhas neste assunto.Janeiro trouxe-nos a Temperança, carta que nos tenta ensinar a compreender que depois de qualquer transformação recomeçamos a viagem de forma mais equilibrada, utilizando a Força. Era propícia para o início de um ano novo. A segunda semana trouxe-nos A Imperatriz que nos ensinou que para nos mantermos equilibrados deveremos estar ligados à Força Criadora da Mãe, tornando-nos assim numa força criadora nós próprios. Foi uma semana excelente para iniciar projectos pessoais, que na terceira semana com a Força foram firmados. A Força chamou-nos à atenção para o uso equilibrado das nossas forças instintivas, que era necessário para o nosso equilíbrio descobrir que tipo de animal dorme no nosso interior. Mas para trabalhar essa Força era necessário conhecermos a nossa Sacerdotisa. A Força é a carta do meio da Rota, a primeira metade é trabalho masculino liderado pelo Mago, mas a partir da Força o trabalho passa a ser feminino e regido pela Sacerdotisa. Só depois deste trabalho árduo da descoberta dos nossos medos, forças e poderes, que nos levaram ao nosso equilíbrio tão necessário na jornada, merecemos ver O Sol, carta que deu início ao mês de Fevereiro. Esta carta levou-nos a encontrar a nossa luz interior e a saber expandi-la, ela mostrou que afinal, uns melhor que outros, todos estivemos a fazer as aprendizagens.No meu caso em particular, creio ter conseguido vencer algumas pequenas batalhas, e sair delas com mais consciência de onde reside o meu equilíbrio. Contudo, hoje quando a carta saiu fiquei um pouco triste, pois pensei que esta semana iria ser difícil, O Louco é uma carta muito estranha, ela pode representar a forma como nos sentimos ou como os outros nos vêem. Quanto a mim, não tenho qualquer problema que os outros me vejam Louca, pois sei quem é essa Louca, mas às vezes chateia, não chateia? As conclusões e rótulos são uma coisa aborrecida, para mim, revelam falta de vontade de ver mais longe, são o tipo de pessoas que só vêem o que os olhos físicos as deixam ver e de acordo com os seus próprios padrões, sem elasticidade mental nenhuma. M'enfi...cada um no seu caminho e nas suas aprendizagens. Não sou melhor nem mais do que ninguém, sem dúvida, tenho é outros dilemas para resolver, esse creio que já o ultrapassei.

Mas adiante, que isto hoje vai longo. Para terminar a música que escolho para nos acompanhar esta semana é um mantra cantado pela musa Deva Pramal. Este mantra pode-nos ajudar a encontrar o caminho de regresso. Om Mani Padme Hum que não tem uma tradução directa, cada sílaba pretende invocar um conceito budista, mas de forma geral pode ser encarada da seguinte forma: em função da prática de um caminho, que é uma união indivisível de método e sabedoria, podemos transformar o nosso corpo, palavra e mente impuros, no corpo, palavra e mente sublimes de um Buda. Uma boa semana a Todos!!!

Num dia de São João da Mata, São Jerónimo Emiliano e de Miguel, Regente da Energia de Sol

Reflexão Semanal com o Sol

A primeira semana do mês de Fevereiro começou com a carta Sol e de facto foi para mim uma semana iluminadora, predominou uma auto-descoberta através da contemplação, da gratidão e da dedicação aos amigos.

Dia de Sol, com Rei de Copas, revelou ou uma conquista feita sobre os nossos sentimentos ou marcou o passo para a aprendizagem da semana, que apesar disso foi mais virada para a concretização no plano físico, tendo os Discos sido uma constante.
Dia de Lua, incitado pela energia de 6 de Discos, foi ideal para deixar tudo bem organizado, fazer as nossas escolhas com bastante ordem. Pôr os nossos projectos em marcha mas com muita organização.
Marte trouxe-nos à mente a questão do desapego necessário para se fazer o caminho, isto é, a descoberta de quem somos. Se quisermos realizar essa busca do Graal, devemos viver desapegadamente de tudo e de todos.
Já Mercúrio nos indicou, com o Pajem de Discos, que essa busca concreta só seria possível através de muita confiança, que seria necessário dedicarmo-nos por inteiro, confiando nos projectos do Universo para nós. Nem tudo pode ser explicado na hora e é necessário aprendermos isso.
Júpiter, o eterno benfazejo, aliado à Rainha de Bastões, lembrou-nos que na nossa busca individual nos poderemos tornar demasiado duros, que é necessário expressar a nossa emoção através da compreensão amorosa. Talvez não tenhamos compreendido bem a mensagem de Terça-feira. Ser desapegado não quer dizer obrigatoriamente desligado ou desinteressado.
Vénus e o 9 de Discos voltam a trazer a esperança, pois confirmam-nos que e se conseguimos aplicar tudo o que aprendemos o objectivo será atingido.
Para concluir uma semana, que para mim passou a correr, Saturno traz-nos o 5 de Bastões onde nos é confirmado que temos o espírito de liderança necessário para realizar a tal Obra, que através da nossa auto-expressão e da confiança no Divino poderemos alcançar tudo.
Foi uma semana muito boa para mim, nem tudo o que aqui escrevi se aplica a mim, mas de forma geral sim. Aprendi a controlar os meus sentimentos, isto é, a dirigi-los para onde são necessário, a dar-lhe melhor utilização. E a vossa como foi? Estamos em sintonia?

E esta semana o que nos esperará? A todos uma excelente semana!

sábado, fevereiro 07, 2009

Mês de Fevereiro e os seus significados

Este mês Fevereiro deve o seu nome às festas romanas Februa ou Februatio. Era o mês que os romanos dedicavam à purificação do corpo e da alma, a palavra febre vem também daí. Se formos pensar bem no assunto, fará algum sentido. Em Janeiro fizemos as nossas escolhas e em Fevereiro purificamos o nosso corpo e espírito para que as escolhas possam descer a este plano com mais facilidade, sem obstáculos. Estas festas estavam contudo também associadas à natureza, nesta altura do ano, como preparação para a limpeza antes da Primavera, chovia imenso e os romanos começaram a associar isso a uma purificação da Mãe e decidiram imitá-la. Curiosamente, não me lembro de outro mês de Fevereiro em que tanto tivesse chovido.

Fazendo uma busca rápida pela net, encontro que esta lua cheia tem também o nome de Lua da Busca do Conhecimento, fiquei aos pulos!!! Na lua anterior tentámos fazer uma homenagem aos nossos Antepassados, nesta poderemos pedir-lhes que nos transmitam os conhecimentos antigos que eles, sem internet, sem dinheiro para livros, muitos até sem estudos, conseguiram alcançar pela simples dedicação e observação da Natureza. Assim este mês é excelente para nos dedicarmos aos estudos, treinarmos a nossa mente e homenagear os Mestres. Nesta época escolham ler um livro que sempre tiveram vontade mas nunca se proporcionou, algo que vocês achem demais para a vossa carruagem. Eu ando há tempos com A Divina Comédia de Dante para ler, mas fico sempre com receio. "Será que vou compreender isto?" Este mês vai ser!!!

Para acompanhar essas leituras intensas prepare um chá de loureiro e queime hera, ambas são plantas que favorecem os estudos, a dedicação. Se tiverem mais sugestões partilhem, é sempre bom oferecer um leque de escolhas. Neste mês podemos, ainda, invocar o poder da deusa Atenas, a deusa do Conhecimento.

Num dia de São Ricardo, São Romualdo e de Cassiel, Regente da Energia de Saturno

sexta-feira, fevereiro 06, 2009

Marte em Aquário

Até dia 14 de Março temos direito a uma energia especial, pois Marte entrou em Aquário. O que quer dizer que as nossas ideias estarão no auge, pois a Força empreendedora de Marte será aplicada neste signo das ideias inovadoras.

Marte tem a ver com a nossa Força de Acção, a nossa metodologia, e isto vai ser afectado por Aquário, o signo da Liberdade. Então, nestes dias poderemos sentir que não estamos para seguir o caminho dos outros, as regras dos outros, os planos dos outros, o que será positivo se decidirmos estabelecer as nossas próprias metas. Contudo, a agressividade comum a Marte poder-nos-á levar a explodir com sentimentos desadequados e Aquário, um signo demasiado desligado dos outros, pode tornar difícil a tarefa de vermos a origem desses sentimentos. Será necessário, para sobreviver a esta energia, termos consciência das nossas escolhas e dos nossos sentimentos, senão poderemos tornar-nos injustos para com os outros.

O campo de batalha será mental, durante este período, o que significa que teremos de lutar contra os nossos moinhos de vento, separar o que é real do irreal. Porém, será um bom momento para todo o tipo de criações, as inovações originais em qualquer campo da nossa vida estarão favorecidas, o que quer dizer que as formas tradicionais e normais serão questionadas. Excelente momento para nos reinventarmos, não acham?

Por último, esta conjuntura será favorável para nos colocar nesta nova Era que se está a estabelecer. A inovação permitir-nos-á sair da nossa zona de conforto e podermos encontrar outras formas de resolver os nossos problemas.
Explorar, experimentar e tentar serão as palavras de ordem deste período, lembrem-se que qualquer mudança que nos liberte de antigos padrões de comportamento ajudarão toda a Humanidade a evoluir. Este momento é óptimo para mudar a nossa vibração mental e contribuir assim para a mudança vibracional de todos. Se cada um fizer a sua parte, poderemos chegar mais longe.

Num dia de São Paulo Miki, Santa Doroteia, São Amândio e de Anael, Regente da Energia de Vénus

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Um pedido...um abraço...um amor

Hoje tenho algo a pedir-vos, posso?
Tenho estado num estado (risos) de completa gratidão por tudo o que me acontece e aconteceu na vida. Mas hoje em particular quero agradecer as novas e velhas amizades que mantenho. Tenho amigos novos, com quem tenho tido longas conversas, voltei a encontrar amigos que não via há muito tempo e tinha saudades, tenho aproveitado melhor os que estão por perto, enfim, tenho aberto o meu coração ao Amor. Tenho tentado compreender e aceitar as diferenças que nos unem, nem sempre consigo, mas desta vez estou a esforçar-me mais!
Por isso, hoje quero pedir-vos a todos algo especial. Aqueles que me conhecem fisicamente saberão do que estou a falar mas os outros terão de seguir as minhas instruções para poderem sentir o poder daquilo que vos quero dar. Preparados?...

Fechem os olhos (ainda não, senão não conseguem ler ;) Abram os vossos braços, o esquerdo para cima e imaginem que me estão a abraçar. No meio do vosso abraço está um corpo forte mas que quando é agarrado se torna vaporoso. Encostem o vosso coração ao meu e relaxem...Sintam agora uma enorme onda de compreensão e de paz a percorrer do meu corpo para o vosso e do vosso para o meu. (formou-se um sorriso nos vossos lábios?) Estamos a comungar do mesmo Amor, a unirmo-nos pelo bater do coração. Eis o poder de um Abraço - Unir!

A todos o meu amor neste dia de Santa Ágata, Santa Agueda e de Saquiel, Regente da Energia de Júpiter

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

Vénus em Carneiro

Chegou finalmente uma energia planetária que me será propícia e a vós também, claro. Passo a explicar, sendo eu Carneiro e adorando o planeta Vénus, vejo que até o dia 11 de Abril poderemos desfrutar de algo fora do comum - a expressão e evolução do nosso amor próprio.
Muitas vezes tenho dito que um dos maiores ensinamentos que me transmitiram foi "Antes de amares outra pessoa, tens de te amar a ti próprio", mas muitas vezes essa minha visão da vida é confundida com egoísmo. Contudo, não é bem assim. Se amamos alguém e não nos amamos a nós próprios antes, que lhe poderemos dar senão um amor egoísta? Para saber o que é algo temos de o viver interiormente e isso só pode acontecer se nos amarmos, tal qual somos!
Esta será a grande experiência que esta conjunção astrológica nos propõe: colocarmo-nos em primeiro lugar em todos os relacionamentos. Esta experiência vai directamente para aqueles que têm como hábito colocarem-se em segundo plano nas suas relações, este momento exige uma nova e diferente abordagem. Acreditem que só se soubermos o que queremos sem ter em conta o que os outros querem, poderemos estar a 100% numa relação. É claro que isto poderá colocar muita coisa em jogo, mas o Verdadeiro Amor vencerá sempre.

O que nos leva a um dos aspectos menos positivos desta conjuntura: a necessidade de constante novidade que Carneiro nos dará. A forma de tornar isto em algo positivo é canalizar essa vontade para transmutar os nossos relacionamentos, mudarmo-nos interiormente e contagiar os outros com essa mudança (um novo look também pode acontecer). Atrevam-se, aventurem-se em coisas que nunca fariam antes, experimentem uma forma diferente de abordar a vida, aproveitem este fogo de Carneiro, um fogo tempestuoso e tornem a vossa Via Amorosa em algo mais honesto, mais saudável.

Este será um grande momento para nos aventurarmos a experimentar novas formas de Arte, exprimir formas diferentes de Beleza, encontrar a nossa própria e transmiti-la. Vénus em Carneiro ensina-nos que o Amor não pode ser guardado a sete chaves, que temos de nos amar para nos podermos dar aos outros, será um período para nos colocarmos acima dos outros, mas atenção sem ter de os pisar. Vamos láaproveitar para descobrir um pouco mais sobre o que nós somos!

Num dia de Santo André de Corsino, São João de Brito, São GIlberto, Sõa Teófilo e de Rafael

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Técnica para confirmar os passos de um Ritual

Nos meus estudo de magia encontrei um livro muito interessante, que me relembra o que já José Medeiros me transmitiu no curso de Magia Operativa, mas de forma mais intensa, ainda por cima porque posso sempre reler quando não percebo. O livro de Edain McCoy chama-se Como fazer Magia ( O que é e como funciona).
Nesse livro, além de outras coisas, aprendi a criar os meus próprios rituais e como isso está a começar a acontecer publicamente, achei interessante colocar aqui o método que utilizo para me certificar de que tudo foi bem feito, que cada passo da construção está correctamente elaborado. Se por um lado vos estou a incitar a construírem os vossos rituais, por outro devo oferecer-vos a técnica de os testarem antes de os realizarem. Eu utilizo esta técnica também para testar os rituais que faço e que já fiz, pois ela dá-me uma visão alargada e consciente de todo o processo. Passo a explicar.
A técnica usada é simples, utilizando os Arcanos Maiores do Tarot fazemos um lançamento com 10 cartas em forma circular. Sempre que nos debruçamos sobre um assunto ele tem duas perspectivas, a nossa e a do exterior.
O primeiro assunto é a origem da Vontade.
Assim, a primeira carta tem a ver com o desejo, o que nos leva a realizar esse ritual a carta poderá alertar-nos para um desejo que não sabíamos ou simplesmente para confirmar o que já sentíamos. A carta dois refere o desejo oculto, aquele que está na base do que conhecemos. Esta carta revela o que está na origem, se for algo que já sabíamos podemos seguir, mas se for algo que desconhecíamos é necessário rever as nossas intenções pois podem afectar o ritual.
O segundo assunto é o tipo de energias que vamos manipular, as nossas interiores e as exteriores.
A posição três alerta-nos para as influências ocultas, pode representar o que o nosso eu interior sente em relação ao ritual. Muita atenção a este ponto, ele pode revelar relações kármicas, o tipo de energias que vamos manipular. A carta quatro leva-nos para as influências do exterior, que tipo de energia nos estão a enviar as pessoas que sabem do nosso ritual.
O terceiro assunto tem a ver com o ritual em si, os pontos fortes e fracos.
A quinta carta mostra o ponto fraco e a sexta o ponto forte.
Em quarto temos os resultados que o ritual poderá causar, quais serão as bênçãos ou os danos que iremos provocar no plano astral e por conseguinte no manifestado.
Na sétima carta levam-nos para os resultados no nosso mundo interior e a oitava para o mundo exterior, pois nenhum ritual é feito sem provocar algo no mundo exterior.
Por fim, temos a conclusão de tudo, na nona carta mostram-nos o resultado final e na décima os efeitos que iremos colher deste ritual efectivamente.
Estas quatro últimas cartas mostram-nos claramente se devemos ou não fazer o ritual nas condições em que está elaborado, pois qualquer acto de magia deverá ser para o benefício de todos e nunca apenas para o nosso ou, pior, para fazer mal a alguém.

Em vez das cartas podem facilmente utilizar o pêndulo, fazendo as perguntas de forma clara ou utilizando o mapa de percentagem de positivo ao negativo. Para quem não sabe do que estou a falar, passo a explicar. Quando usamos o pêndulo podemos construir uma meia-lua graduada, começando no lado esquerdo pelo não até ao centro, que é neutro, e daí para a direita construir o sim, tendo assim um mapa para o pêndulo poder falar, onde no meio ainda temos espaço para nos responder que a questão está mal colocada e que a resposta pode ser um TALVEZ. Mostro-vos o meu na foto. Uma das coisas que sempre me incomodou no pêndulo foi a forma categórica de SIM ou NÃO, às vezes pode ser um Sim mais para o Não, ou vice-versa, através deste mapa temos as percentagens das probabilidades. Para mim faz mais sentido assim e para vós?

Num dia de São Brás, São Óscar, São Odorico e de Samael, Regente da Energia de Marte

segunda-feira, fevereiro 02, 2009

( )

Hoje estou contemplativa, não me apetece escrever, apetece-me deixar estar. Depois do ritual de ontem e da minha ida a Sintra hoje, só me apetece mesmo é ficar a olhar o céu. Mas como o meu compromisso com este projecto é diário, escolhi uma citação que se adequa àquilo em que ando a meditar.

“A magia é a ciência tradicional dos segredos da Natureza que a nós foi transmitida pelos Magos.”
Éliphas Lévi

Num dia de São Lourenço, Purificação da Nossa Senhora e de Gabriel, Regente da Energia da Lua

domingo, fevereiro 01, 2009

Melodia para o Sol

Depois de uma semana com a Alta Sacerdotisa, eis que somos bafejados pelo caloroso, prometedor e inspirador Sol.

Esta carta XIX dos Arcanos Maiores do Tarot, ensina-nos que é preciso trazer a Luz forte do Sol aos assuntos mais sérios da nossa Vida. Será um momento propício para levar luz a todas as questões que ainda permanecem obscuras na nossa Jornada. Esta carta vem depois da Lua, que apesar de ser também inspiradora, não nos podemos esquecer que ela é mentirosa, que a sua luz não é forte o suficiente para esclarecer tudo. A luz da Lua vem da nossa experiência interior, enquanto que a luz do Sol vem da fonte de Vida. Se vos apetecer dêem uma espreitadela à minha visão pessoal sobre a carta aqui.

Para ilustrar e inspirar esta semana regida pela carta XIX, volto aos meus gostos pessoais de música, deixando de lado por esta semana os filmes, mas pensando bem nisso, depois de um fim-de-semana cinematográfico poder-vos-ia aconselhar My Blueberry Nights de Wong Kar Wai, um filme revelador para mim que nos ensina a buscar a Luz no meio da turbilhão. Para quem gosta de experiências diferentes, de ver nos filmes aprendizagens/reflexões sobre a vida, este realizador chinês poderá ser uma fonte, principalmente ao nível das relações amorosas, dos encontros e desencontros, dos tempos diferentes, das dores familiares, enfim, da Vida a dois, da busca do Amor.

Mas adiante...esta semana tenho O concerto de Mogwai e, por isso, opto por voltar a falar sobre estes escoceses maravilhosos. O álbum é The Hawk is Howling (curioso, depois da partilha da Ilda? Não, aqui nada é deixado ao acaso! ihihihih) e a música é The Sun Smells Too Loud.

Espero que gostem e que comentem! Como não dá para partilhar na íntegra, aqui fica um vídeo do YouTube com a música para quem a quiser conhecer toda.

Uma boa semana para todos!!

Reflexão Semanal com a Alta Sacerdotisa

Aqui está mais uma partilha pessoal sobre a semana que passou.

Domingo, dia de Sol, chegou com a energia do Cavaleiro de Espadas mostrando-nos que iria ser uma semana muito importante nas questões mentais, nas comunicações, na nossa auto-expressão. O Cavaleiro de Espadas colocou como mensagem em cima da mesa a facilidade de comunicação que se poderia dar durante o dia, a necessidade de procurar liberdade também pode ter sido um dos assuntos do início da semana.
Dia de Lua com 5 de Copas fez-nos entrar no mundo das emoções e revelou, ou não, dúvidas, medos, incapacidade de se auto-expressar. Foi um dia talvez de alguns conflitos entre onde começa a nossa liberdade de sermos quem somos e onde acaba para começar a dos outros. Este foi o único dia da semana onde as emoções estiveram em análise.
Marte acorda com o prenúncio de grandes conquistas materiais, dizendo que no plano físico, no concreto iríamos conseguir, isto por ter sido um dia Abençoado por o Rei de Discos.
Mercúrio volta a levar-nos para o mental e durante todo o restante da semana assim foi. Quarta, 2 de Espadas, mostra-nos que poderia haver alguns conflitos, algumas ideias contraditórias, ou em última análise incentiva-nos a dizer pura e simplesmente “Não”!
Júpiter traz o 6 de Espadas e reforça a ideia do dia anterior, para aqueles que tinham dúvidas, é necessário virar as costas às situações, ao que nos faz mal, senão ninguém beneficiará.
Sexta, dia de Vénus com 10 de Espadas aconselha-nos ao desapego, à renúncia das nossas ideias. Mais uma vez a mensagem é clara, três dias com a mesma energia, só não aproveitou quem anda meio distraído (risos).
Esta semana de ideias, comunicações difíceis e de ideologias questionadas, termina com Saturno a trazer-nos a bela Rainha de Bastões, onde nos chamam à atenção para não sermos muito duros nas nossas manifestações sentimentais, para termos cuidado com as manipulações, não há melhor forma do que lidar com esta energia senão através da Compreensão amorosa/ Compaixão.
Faz algum sentido o que foi dito sobre esta semana que terminou? Nas vossas vidas sentiram estas influências?
Para mim esta partilha tornou-se valiosa, não só por me obrigar a estudar constantemente os arcanos menores, mas também por me colocar a questionar sobre como foi efectivamente a semana, dia-a-dia. Terminando com uma avaliação de onde falhei e onde quero melhorar.

E esta semana como será? Com o Sol, promete!!!

Num dia de Santa Brígida e de Miguel, Regente da Energia de Sol
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...