quarta-feira, março 31, 2010

Do vazio surge algo...sempre

Têm sido tempos assim
em que sinto que não preciso de ver para saber o que se passa. O mergulho dentro de mim tem sido tão forte e arrebatador que me sinto nua e cega. Tal qual como na imagem. Firme e hirta consigo ler os meus Arquivos e ver aquilo que mais ninguém vê ou que em tempos nem eu própria conseguia aceder.

Neste mergulho deixei para trás pessoas e formas de ser e estar. Recriei aquela mulher que estava a surgir. Aprendi que podemos mudar mesmo aquilo que ainda não se materializou. Que qualquer escolha é válida quando feita em consciência. Essa palavra sem significado para muitos e com muitos significados para outros tantos.

Consciência... Com ciência, com conhecimento, com coração ou razão. Com segurança apenas de que sabemos quem somos e quem queremos vir a ser, partindo de quem fomos.

A maioria dos olhos que me vêem ainda não notaram a diferença, mas ela já existe, já lá está há muito tempo. Tal como na crisálida, a beleza já lá está manifestada. Esta mudança vem de dentro, inicia-se num lugar escuro, propício às mutações, parte da ausência para a manifestação. Como uma ideia. Surge. Revela-se sem ser notada. Acontece apenas.

Acho que a Primavera finalmente se manifestou em mim. Como é bom ser-se livre.

Na segunda hora de Júpiter do dia de Mercúrio, S. Balbina, S. Benjamim, S. Acácio de Antioquia

terça-feira, março 30, 2010

Sobre a Morte

«Que mais deve ser a nossa vida senão uma contínua série de começos, de dolorosas incursões no desconhecido. Saindo das margens da consciência para o mistério daquilo em que ainda não nos transformámos, excepto em sonhos que a partir daí explodem e dão à luz a fragrância de ilhas que ainda não vimos nas horas em que estamos acordados, do mesmo modo que, às vezes, em viagem, os primeiros ramos floridos da terra que encontramos batem de encontro à quilha, mesmo no escuro, dias antes de surgir a verdadeira terra, a que vem ao nosso encontro.
Tornei-me mas corajoso com a idade, finalmente preparado para todas as mudanças que devemos suportar, quando dolorosamente permitimos que os nossos membros adquiram uma nova forma, quando abandonamos a crosta da nossa carne e deixamos a árvore irromper, ou a traça ou o pássaro nos troca pelo ar. O que é a morte senão a recusa de crescer e sofrer a mudança?»

Uma Vida Imaginária, David Malouf

Na segunda hora de Lua do dia de Marte, S. João Clímaco

segunda-feira, março 29, 2010

Semana da Páscoa com A Morte

Depois de um retiro intenso onde tudo o que neste momento preciso para reiniciar o Caminho me foi oferecido, eis que chega a Morte, lâmina 13 na Rota do Peregrino.

Não é necessário falar dela pois todos a conhecemos, alguns ainda agarrados aos clichés outros mais libertos deles por experiência própria, mas todos a Conhecemos.

Na semana em que os corpos são purificados para podermos entrar numa nova etapa, a energia não podia ser melhor de facto. Tudo é dual neste Plano Manifestado, nada é apenas positivo ou negativo e os extremos tocam-se com muita facilidade. Por isso, se a Morte vai ser boa ou má, depende de ti, depende de nós.
Não me canso de repetir que as mudanças são inevitáveis...a cada segundo que passa o nosso corpo muda e com essa simplicidade a nossa parte etérea deve mudar também. Quanto mais resistimos mais difícil fica.

Portanto o melhor é mesmo abraçar a Morte e com ela dançar, levantando ao passar a imensa poeira que nos rodeia, usando o nosso coração e mente para transmutar as poeiras em raios de sol ou flores primaveris.

Para essa dança fui ao baú e encontrei a voz delicada de Hope Sandoval, vocalista de Mazzy Star, para nos guiar. Fiquemos com as músicas Dissapear e Into Dust.

Quanto à reflexão da semana...lamento mas será guardada para publicar em conjunto com a Morte, acho que fará muito mais sentido, let's wait and see.

Na primeira hora de Sol do dia de Lua, S. Eustásio, S. Bertoldo, S. Victorino, S. Marcelo

quinta-feira, março 25, 2010

Em todas as ruas te encontro

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o teu ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o teu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Pena Capital, Mário Cesariny

Na primeira hora de Sol do dia de Júpiter, São Dimas, Anunciação à Virgem Maria

segunda-feira, março 22, 2010

A Lua está entre nós

Esta semana, marcada com a entrada do Sol em Carneiro, que por sua vez representa a chegada da Primavera, temos como energia a Lua.
Depois das transformações, de termos ou não aceite as mudanças, chega o momento em que não dá mais para esconder. A nossa percepção, o nosso corpo, a nossa vontade vão estar a latejar para nos indicar qual o momento e a mudança que deve acontecer.

Esta semana podemos esperar ter sonhos interessantes, indicadores de situações que acordados nos recusamos admitir! Além disso, assuntos que tenham a ver com as emoções, com a maternidade e com a intuição serão acordados. As nossas águas estarão agitadas, o melhor é ter atenção, não vamos ter um colapso momentâneo e depois dizer que não fomos avisados :)

Para esta semana, início do ano Astrológico, escolho partilhar algo que nunca partilhei, uma vertente musical mais desconstruída, menos harmónica, mas nem por isso menos interessante.

Gonjasufi é um rapper, cantor e professor de yoga que lançou este ano um álbum a solo. Com uma voz desconcertante, um misto de gemido com desafinação, conduz-nos através de uma panóplia de sons e de estilos interessantes.
A música é Dednd do álbum A Sufi and a Killer, mas por achar que talvez seja muito forte, há uma segunda mais calma que poderão ouvir, basta avançar, chama-se Sheep. Enjoy!

Ah Marcelo esperarei pela tua resposta, muito curiosa se também vais gostar ;) Falo do Marcelo pois é quase sempre só ele que se manifesta, quer dizer, ele e a IdoMind...mas essa ainda deve andar aborrecida comigo :(

domingo, março 21, 2010

As mudanças na vida de Alegria, a entrada do Aeon em acção

Eis a reflexão semanal, atrasada :) bem sei, mas ... mas, nada! Ei-la aqui e agora, preparados? Let's go!
Alegria esteve uma semana inteira com a sua Sacerdotisa, conversaram, brincaram e namoraram muito. Até que determinada altura Alegria compreende que tudo irá mudar se ali permanecer.

As suas caminhadas não serão mais as mesmas, as pessoas com quem se irá cruzar serão outras, tudo será diferente. Já caminhou um pouco para saber que as mudanças não são positivas nem negativas, mas apenas o curso natural da história, neste caso a sua história.

Aquilo que o começa a atormentar é o pensamento «e se…». E se não tiver capacidade para resolver os novos conflitos que esta mudança lhe proporcionará? E se se cansar? E se ela se cansar? E se as suas necessidades não forem atendidas ou, pior, falhar em atender as dos outros à sua volta? E num galopar de emoções, Alegria rebenta em lágrimas.
Uma vez mais está a antecipar os acontecimentos, a tentar racionalizar as mudanças. Não havia mal nenhum nisso se tal não lhe causasse sofrimento. A Sacerdotisa aproxima-se e questiona:

«Qual será a pior coisa que poderá acontecer? Arrependeres-te? Não te conheces o suficiente para saber que se assim for, basta mudar, revertendo a escolha inicial?»

«Serão todas as coisas assim tão simples? Poderá tudo ser revertido?»

«Sim, tudo pode ser revertido. Mas atenção, a tua liberdade de acção será diametralmente oposta à tua consciência! Tens de descobrir as tuas verdades e compreender afinal o que não é mais verdade. A mudança provoca isso, uma reavaliação dos nossos preconceitos e dados adquiridos. Deixo-te só para descansares.»

Alegria continuava banhado em lágrimas, por muito que desejasse parar não conseguia. Era como se o seu interior lhe pedisse uma limpeza, uma purificação através da água. E assim se deixou ficar, entregue às suas emoções mais profundas.

No meio de lágrimas e suspiros, de água e de ar, Alegria acedeu ao seu fogo interior e compreendeu que a fé, a entrega seria a melhor opção. Iria mergulhar profundamente nesta nova etapa da sua jornada. Iria confiar que fora ali que o seu interior o levara, que as suas escolhas o colocaram ali e, por essas razões, tudo o que acontecesse seria para o ajudar a melhorar-se.

E no momento em que compreende que terá de abdicar de experiências conhecidas e queridas, encontra também a resposta às suas dúvidas. As experiências mudaram de carácter pois também ele mudou, quando mudamos o velho não faz mais sentido. Assim, compreende que tem estado dependente de um formato de experiências, sem compreender que esse formato era o espelho da forma que ele estava a tomar. Quem queria ser agora? Essa era a questão que deveria colocar pois ela encerraria a resposta do tipo de experiências que se iriam proporcionar no futuro próximo!

Quando finalmente serenou, a Lua já ia alta. Estava quase cheia, será a lua de Balança, pensou, compreendendo a razão pela qual tinha conseguido solucionar a questão. E grato adormeceu, como há muito não dormia sonhou com coelhos e luas cheias, com amigos e crianças...

Foi esta a semana do Aeon do Alegria, e a nossa? Conseguimos solucionar questões emocionais? Aproveitámos para dar uma limpeza nas relações ou desperdiçámos mais um momento para mudar? Encontrámos o problema, o desafio? E a solução, a resposta? Se não, esta semana teremos essa oportunidade, a nossa intuição estará ao rubro!

A todos uma óptima semana com a Lua!

quinta-feira, março 18, 2010

Ainda sobre a transformação

Ontem estava para partilhar este excerto, mas outras actividades surgiram e não me permitiram fazê-lo. A graça desta partilha é que depois de ter publicado o desafio anterior deitei-me a ler um pouco e foi esta a mensagem que recebi:
«Tudo acontece como eu sabia que aconteceria.
O ano passou depressa. ornei-me robusto e forte outra vez e deixei de lamentar-me e arrepender-me do meu destino. Dou longos passeios pelo matagal, que está cheio de animais minúsculos e insectos, todos dignos de serem vistos. Desço até à praia e falo com os pescadores, enquanto o mar investe e ressoa nos lisos calhaus negros. O mar, nestes lugares, está cheio de peixes estranhos, todos belos à sua maneira, todos criados perfeitamente, com todos os pormenores da sua anatomia úteis, necessários, e por isso admiráveis, mesmo quando produtos de terror. Deixei de achar falhas na criação e aprendi a aceitá-la. Temos um poder em nós que conhece os seus próprios limites. É isso o que nos conduz para aquilo em que finalmente nos devemos transformar. Só temos de admitir a possibilidade e de alguma maneira o espírito trabalha em nós para que aconteça. Esta é a verdadeira metamorfose. Os nossos eus futuros estão contidos em nós, como as folhas e as flores estão na árvore. Só temos de descobrir a Primavera e libertá-la. Essas mudanças são lentas e estão para lá da imaginação. Levam gerações. Mas funciona, este processo. Já somos o produto de geração após geração a querer ser assim. E o que tu és, leitor, é o que nós desejamos. Já és deus? Encontraste asas?»

in Uma Vida Imaginária, David Malouf

Que melhores palavras para descrever o que tão toscamente tentei? Este livro é maravilhoso, vale bem a pena deixarem-se deslumbrar por ele!

Abram as asas bem abertas e deixem-se levar pelo Arcanjo Gabriel pois hoje é o dia em que se celebra a sua presença. Gabriel tem a ver com as emoções, com a maternidade, com as premonições e tudo o que associamos à Água e à Lua. Que belo dia, hein!

Na primeira hora de Sol do dia de Júpiter, São Gabriel Arcanjo, S. Narciso, S. Cirilo de Jerusalém, S. Fridiano

terça-feira, março 16, 2010

A Metamorfose

«Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco insecto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos.»

in A Metamorfose, Kafka
E se este fosse o cenário amanhã de manhã? Se ao nos queremos levantar para dar início às rotinas diárias, encontrássemos um corpo diferente e com o qual teríamos de lutar para conseguir que ele nos oferecesse a agilidade e mobilidade habituais? Continuaríamos a ser os mesmos?

Nesta semana do Juízo Final proponho-vos o seguinte:

De tudo o que está à nossa volta o que seria pior de perder?

Por perder entenda-se qualquer coisa ou pessoa ou situação que mudasse, ficasse diferente daquilo que conhecemos. Obviamente que oferecemos à pergunta uma conotação negativa, que envolve sofrimento, mas não terá de ser assim. As coisas podem simplesmente mudar e darem-nos a oportunidade de verificar que já não nos serviam. Ao verificarmos isso, abrimos uma nova porta na nossa vida para que a Magia possa actuar.

O funcionamento do Universo é ainda um enigma para nós, mas uma coisa é certa, quanto menos resistência oferecermos às mudanças mais fácil fica a Caminhada!

Façamos então uma pequena (não precisa de ser muito grande) introspecção, apenas nos dediquemos à pergunta. Façamo-la no início do dia e no fim, as respostas podem vir nas mais variadas formas!

segunda-feira, março 15, 2010

O Aeon na Lua Nova

Esta semana, depois da Sacerdotisa com grandes aprendizagens e acessos aos nossos arquivos, chega a energia da renovação, o Aeon a carta XX na Rota do Peregrino.
Faz muito sentido esta carta nesta semana da Lua Nova em Peixes. Será importante que consigamos interiorizar tudo o que aprendemos e que melhor do que umas boas meditações, uma introspecção clara e determinada.

Serão estas as energias da semana, com a lua a crescer a sua influência de exaltação, podemos utilizar essa energia para aplicar ao nosso interior uma luz poderosa.

Com Peixes podemos escolher começar a implementar essa energia nos nossos pés, a sério! Se queremos que eles estejam bem durante todo o ano, esta é a altura ideal para lhe dedicar atenção. Não os tratemos mal nem os cansemos demais ou teremos um ano cansativo. Entenda-se por ano todo o período até ao próximo Sol em Peixes.

O Aeon traz-nos uma energia renovada, com alguma introspecção, é certo, mas mais activa que o Eremita. É um tempo de mudança, mas a mudança de metamorfose. Vamos aproveitar?

Para música de fundo escolhi um tema que sempre amei, mas só agora descobri que era de Tim Buckley, pois a versão que conheço é dos Cocteau Twins ou melhor dizendo dos Mortal Coil. Esta música fez parte da banda sonora do brilhante Lost Highway do tresloucado David Lynch e agora é reutilizada maravilhosamente no novo filme do mágico Peter Jackson The Lovely Bones.

Fiquemos com Song to the Siren, enjoy!

A todos uma brilhante semana!

domingo, março 14, 2010

A confiança na Sacerdotisa

Na última semana de Outubro estivemos com a energia da Alta Sacerdotisa, momento em que os nossos arquivos pessoais foram abertos e novos conhecimentos adquiridos.
Só agora no fim do primeiro trimestre ela nos voltou a encontrar.
Para quem estiver interessado, regresse a esse final do mês e encontre os temas que ela veio encerrar.

Vamos ao Alegria?

Galopava como se estivesse a seguir o rasto de alguma missão importante. A sua pressa era tanta que nada nem ninguém se atrevia a pará-lo.
Alegria começava a ver cada vez melhor o rosto daquela Sacerdotisa que lhe havia saciado a sede. Agora compreendia melhor as palavras do Hierofante, era a sua vez de partilhar a água daquela pedra verde. Era o momento de se juntar àquela mulher e servirem a mesma missão.

Tinha na sua cabeça uma coroa de hera que o Papa lhe oferecera. Com esse símbolo poderia entrar livremente naquele novo país, seria reconhecido e bem acolhido.

Juntamente com a cara da Sacerdotisa, Alegria guardava em si um sentimento de conquista bem sucedida que não conseguia explicar. Era como se todos os átomos do seu corpo se houvessem reunido para lhe dar confiança. Sensação tão deliciosa, que pena só a sentir de vez em quando, pensava ele.

Entretanto, o caminho bifurca. Hesitante, puxa as rédeas do cavalo e pára. Ambos pareciam iguais e, contudo, ele não se lembrava de nenhum deles. Olhou demoradamente cada um e não conseguia vislumbrar qual seguir. Reavaliou as suas razões para seguir em frente, seriam elas suficientemente fortes para enfrentar esta prova?

Saltou do cavalo e deu dois passos em frente. Fechou os olhos e pôs um pé na vereda que dava início ao caminho da direita. Sentiu-se. Várias sensações, mistura confusa, energia agitada ... e ... um clarão, um flash de luz que lhe explode na mente e o deixa completamente atordoado.
Abre os olhos, cambaleante dá um passo ao lado e coloca o seu pé na vereda da esquerda. Outra vez o mesmo processo, várias sensações, agitação e ... nada. Alegria não conseguia sentir mais nada. Recuou e olhou novamente o caminho.

Fechou os olhos e activou a sua terceira visão, o que é o mesmo que dizer que interiormente canalizou as suas energias para o ponto central que une os sobrolhos. Aí, nesse preciso ponto, Alegria conseguiu ver o túnel energético que saia do seu plexo solar em direcção ao caminho da direita.
Não teve mais dúvidas aquela era a sua saída. Montou novamente determinado e cavalgou em direcção ao seu objectivo.

Depois de muito viajar, Alegria vê fumo no céu. Todavia, não consegue descortinar a origem do fumo pois uma pequena montanha oculta a paisagem. Circunda-a e dá de caras com uma pequena vila mágica. Seria uma terra de elfos? Era tudo tão perfeito que Alegria chegou a duvidar se estaria ainda em meditação. As casas, feitas de madeira e folhas, pareciam autênticas árvores, outras pareciam apenas elevações naturais da terra. Os jardins eram perfeitos, trabalhados por engenho humano, sem dúvida, mas de uma bela natural inigualável.

No centro da vila muitas pessoas atarefadas o olharam e sorriram, ninguém demonstrou a menor estranheza à sua pessoa. Era a coroa de hera a surtir efeito. Mulheres e homens juntavam-se à volta de uma enorme mesa. Cada um trazia nas mãos comida, flores e bebidas de toda a espécie. Era uma beleza rara de se ver.
A sensação que invadiu Alegria ao assistir a toda aquela cena mágica foi a estranheza de regressar a algum lado onde já havia estado, apesar de saber que nunca ali estivera antes.
Desmontou e logo alguém lhe pegou no cavalo e o levou para descansar e comer. Sozinho sente os seus pés a dirigirem-se para algum lado, como se estivessem independentes da sua vontade. Não questiona, segue.

Suavemente sente a energia daquele chão. Fertilidade, abundância, amor, sem dúvida que o Sagrado Feminino está bem representado nesta terra. Começa a subir umas escadas, três degraus e pára. Que terá ele para oferecer a este lugar? Que tipo de ajuda poderá prestar a esta comunidade que tão produtiva e feliz lhe parece?

Há uma quebra de energia no seu corpo, a dúvida fá-lo hesitar mas os seus pés autónomos novamente dão o último passo e quando olha para a frente:

«Chegaste finalmente! Meu Cavaleiro entra, deves estar cansado e com fome, fizeste uma longa viagem num curto espaço de tempo.»

Era ela a Sacerdotisa da voz suave, de beleza simples mas majestosa. Era ela a mulher que estivera na sua mente e coração durante toda a viagem!
Assim, tão simplesmente, Alegria volta a confiar em si e sente que há uma missão comum que deve ser partilhada. Resta agora descobri-la em conjunto.

O que acontecerá a seguir?

E vós? Descobriram o Cavaleiro ou transformaram-se nele? Conseguiram aceder aos arquivos e encontrar as respostas ou terão apenas sonhado com elas? Sentiram a energia da festa no meio da semana?
Foi uma semana muito intensa com a energia de Marte a ficar directa (finalmente) e a oferecermo-nos a Vontade para agir. Aproveitemo-la ao máximo, a Primavera está a chegar!

Na primeira hora de Saturno do dia de Sol, Santa Matilde

quinta-feira, março 11, 2010

Atenção

Hoje estejamos bem atentos pois alguma revelação será oferecida. Atrevo-me a dizê-lo pela carta do dia.

O três de copas alerta-nos para um encontro de alegria, para algo que nos acontece e que nos preenche. Sendo que esta semana da Sacerdotisa começou com o Cavaleiro de Copas...abram bem os olhos e vejam o que um homem que recentemente entrou na vossa vida vos está a oferecer.

Sim, o Cavaleiro de Copas é um homem, alguém com quem temos algo a aprender, pode ser um adversário ou simplesmente um amigo novo. Cada um saberá o que fazer com a informação que aqui deixo!

Seja de que forma for, aproveitemos o dia em grande, pois esta energia é de partilha, de felicidade e de satisfação. Conseguimos algo e agora desfrutamos, além do mais, é nós oferecida uma parte da energia para podermos partilhar com os outros. Vamos lá!!! É a água de Peixes!!!

Na primeira hora de Vénus do dia de Júpiter, S. Cândido, S. Eulógio

segunda-feira, março 08, 2010

A Sacerdotisa de volta

Meus queridos esta semana temos a energia da Sacerdotisa para nos guiar. Parece-me que será uma semana intensa em aprendizagens, uma excelente oportunidade para nos iniciarmos em alguma Arte, aproveitando que Vénus entrou em Carneiro! Para saber um pouco mais profundamente sobre o que os Astros nos estão a enviar neste período, espreitem aqui, o Marcelo Dalla dá umas boas dicas!
A Sacerdotisa tem a ver com o nosso Conhecimento, aquele que vem de outras vidas, aquele que se encontra nos nossos Arquivos e que podemos (e devemos) aceder. Ela levanta as seguintes questões:

Qual a origem da tua Sabedoria? Onde a encontras e como lá chegas? O que é para ti Conhecimento e, mediante a tua resposta, que tipo procuras?
Por último, o que inicias nesta altura?

Curiosamente hoje é o aniversário da minha Iniciação! Já passaram três anos O_o

Vamos lá aproveitar esta bela energia e iniciar algo na nossa História Pessoal, virar uma das páginas e inscrever algo poderoso!

Para nos inspirar escolhi uma música envolvente apenas instrumental tocada por John Frusciante, Before The Beginning do álbum The Empyrean.

Enjoy!

Na segunda hora de Sol do dia de Lua, S. João de Deus

domingo, março 07, 2010

Do Dependurado ao Hierofante, um novo início

Conforme prometido aqui está a leitura destas duas semana, o fim de Fevereiro e o início de Março. Creio que as tensões que vivemos recentemente finalmente aliviaram. Estão prontos para um recomeçar?

Alegria seguia o seu percurso com tanta introspecção que mal se apercebe do que se passa à sua volta. Quando enxerga como a noite está bela, consegue identificar perfeitamente a constelação de Peixes e fica-se a deleitar com tamanha beleza.
Enquanto caminha de olhos posto no cenário que se encontra em cima de si, deixa de observar o caminho que os seus pés percorrem e, assim, cai numa armadilha.

Tudo acontece com tamanha rapidez que mal consegue compreender como se encontra naquela situação. Está suspenso por um pé, o direito. Olha à sua volta, grita por ajuda, mas tudo em vão. Está só naquele cenário mágico. Não se vê nem ouve vivalma, apenas o silvar do vento que se levanta e o crepitar da árvore que parece poder quebrar a qualquer momento.

Rendido às circunstâncias, Alegria começa a meditar de forma a poder suportar melhor aquela posição desconfortável. Entretanto, começa-se a ouvir algo. Receoso de que fosse a sua visualização a dar sinais exteriores.

Ouve-se o som do cavalgar. O som aproxima-se, um furioso galopar a ferrar com tanta potência a terra que Alegria começa a acreditar que não pode ser apenas a sua imaginação. Abre os olhos e vê um Cavaleiro que lhe retribui o olhar com um alegre sorriso. Ao seu lado uma Rainha segurando um bastão.

Nenhum dos dois professa qualquer palavra, apenas o olham com ar condescendente. Alegria não percebe muito bem o que se passa. Decide olhar melhor para aquelas duas personagens e observá-los.

O Cavaleiro está com um olhar determinado, há uma luz nos seus olhos que parece indicar o fervor do seu carácter, nada o deterá no seu caminho. É nítido que este Cavaleiro avança em prol do seu pensar, segue apenas o seu Racional.
A Rainha, por sua vez, tem no olhar uma luz diferente, menos viva mas mais forte. O seu brilho inspira os Homens a grandes feitos, é ela que faz mover o rei em busca da conquista de outros horizontes. É ela que traz o conforto à casa e à alma do seu homem. Ela inspira a Paixão.

Alegria sente-se prisioneiro naquele momento mais do que nunca, sabe que aquelas duas almas representam algo da sua viagem. É um momento de escolha, neste momento ele deve fazer as escolhas pelo emocional, seguindo a sua Paixão Interior e não pelo Racional, seguindo a sua Visão.

O Cavaleiro fala finalmente e coloca na frente dos seus olhos 5 bastões e diz:
«Na vida há muitas lutas, muitos obstáculos a serem superados. Combate comigo e descobrirás que a estrada que aí vem é muito mais fácil de trilhar. Mostrar-te-ei os teus verdadeiros motivos.»

E nisto a Rainha acrescenta mais 4 bastões e preconiza:
«Sou a última defensora da costa. Tudo o que é mais forte reside em mim. Nunca serei superada pois sou salva pela própria morte.»

«Voltaste as costas àquilo que procuravas. O lugar sagrado que anseias alcançar não está onde deverias estar. Volta-te para procurar um caminho mais vasto.» Sentenciaram as duas vozes em uníssono.

A corda que amarrava Alegria cedeu e o embate do seu corpo na terra causou-lhe alguma dor, porém, não tanta como as palavras que acabara de ouvir.
Sentado no chão, cruza as pernas em lótus, fecha os olhos e relaxa. Faz a respiração do Fogo para interiorizar toda a experiência que acaba de ter. Visualiza a sua criança interior. Está calma, a galopar um cavalo branco, divertidíssima.

E nesse preciso momento ela olha para ele, pára o galopar e manda-o voltar atrás.
«Vai, pois triunfarás!»

Alegria sente o seu corpo encher-se de energia vigorante. Salta para o cavalo e empunha a sua espada:
«Ergo-me com a esperança na aurora, ao serviço da Espada. Oiço a sua voz e segui-la-ei onde quer que me leve, que as injustiças sejam vencidas e os oprimidos libertos dos seus tormentos.»

Com o fogo da Paixão no seu coração e o ímpeto da espada na sua mão, Alegria galopa para um novo caminho. Sabe agora que não há divisão, que tudo está interligado e deverá voltar àquela cabana e limpar o seu passado. É ali que deverá permanecer, enfrentando a Vida com todas as suas polaridades. Basta de caminhar só.

Ao abrir os olhos Alegria vê um homem sentado à sua frente. Traz as insígnias de uma religião, apesar de as não reconhecer compreender que é um alto dignitário.

«Junta-te a nós! Precisamos de almas fortes e determinadas como tu. O teu graal é belo demais para estar escondido. Lança as tuas águas sobre a pedra verde e permite que todos desfrutem delas.»

Alegria sente uma corrente energética a subir a sua espinha, é Quíron que se activa em si, o Curandeiro regressa. Com a emoção na garganta:

«Assim será!»
«Vem, ela está à tua espera.»

Foram duas semanas intensas em aprendizagens. Muitos temas foram tocados, mas depois desta leitura resta perguntar:

Quem entrou na nossa vida? Que voltas demos e mudanças permitimos para que este novo passo fosse dado?

Seja lá qual for a vossa experiência, uma coisa é certa. Um novo amanhecer se ergue no horizonte, abram as portas dos vossos corações.

A todos uma excelente semana!

Na primeira hora de Júpiter do dia de Sol, S. Tomás de Aquino, S. Perpétua, S. Felicidade

sábado, março 06, 2010

O Papa de Michelangelo

Eis o Hierofante pintado por Michelangelo, cujo aniversário de nascimento é hoje! Qual dos dois preferem?


O Hierofante é uma carta muito ambígua, a escolha não é, de facto, fácil...

sexta-feira, março 05, 2010

Liberdade


Ai que prazer
não cumprir um dever.
Ter um livro para ler
e não o fazer!
Ler é maçada,
estudar é nada.
O sol doira sem literatura.
O rio corre bem ou mal,
sem edição original.
E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
como tem tempo, não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto melhor é quando há bruma.
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

E mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças,
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa

quinta-feira, março 04, 2010

O Hierofante, o descanso merecido

Os dias têm sido longos, mas ao contrário do que aconteceu a semana passada, são longos em prazeres e descanso. Depois de uma verdadeira semana de Sacrifícios e pequenas mortes, esta semana decidi dedicar-me ao descanso!

A reflexão semanal sairá em conjunto, Dependurado e Hierofante, no final da semana e hoje compreendi o porquê. Acho que estas semanas, mesmo se não parece ser tão óbvio, ainda estão ligadas ao acontecimento da Força. O Dependurado trouxe-nos o Hierofante... Se quiserem compreender melhor a ligação cliquem aqui, Hércules ajudar-nos-á.

Tudo isto porque a Sylvia Pancha deixou um comentário, obrigada!!!

Se quiserem aprofundar mais a carta da Semana podem clicar aqui ou aqui.

Deixo-vos com uma música diferente do costume, a marca contígua é o cinema, usada por Quentin Tarantino em Pulp Fiction, fiquem com Son of a Preacher Man de Dusty Springfield!

Na segunda hora de Mercúrio do dia de Júpiter, S. Casimiro, S. Lúcio
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...