quarta-feira, junho 27, 2012

A Morte

Ilustração de Daniel Silvestre da Silva
Não é preciso ter medo da morte, disse Batalha, com serenidade.
N-não é precis... Jigajoga engoliu em seco; a sua compleição xantocromática ganhou um tom enrubescido. Por um instante, Batalha achou que ele se ia desconjuntar e ser absorvido pela terra, como uma raiz seca - até os partidários que o ladeavam, à guisa de medulas espinais suplentes, se mostraram preocupados.
B-Batalha, sussurrou Caldaça, pousando uma mão no dorso. É melhor não dizeres mais nada.
Porque é que dizes que não é preciso ter medo da morte?, perguntou Jigajoga, ainda desnorteado. Porque enquanto nós existirmos, a morte não existe, explicou Batalha. E quando ela existir, quem não existe somos nós. Virou-se para a assistência e disse: A morte não é como os gatos, que existem ao mesmo tempo que nós e nos podem comer. A morte só existe quando nós já não existimos, por isso não nos pode fazer mal.
Acreditas mesmo nisso?, perguntou Jigajoga, tremelicante; as grandes unhas vascolejavam umas nas outras.
Acredito, respondeu Batalha.
 in Batalha de David Soares
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...