quarta-feira, julho 31, 2013

terça-feira, julho 30, 2013

Day 8 "da primeira paixão"

não me recordo quando nasceu em mim esta paixão pela poesia. sei que não existiu sempre. dos primeiros anos de escola não tenho recordação de ter lido ou ouvido poesia. em casa? sim, deve ter sido em casa. as mulheres lá de casa tinha cadernos secretos onde desenhavam letras que formavam palavras. mas os desenhos eram diferentes dos textos que lia na escola. faziam rectângulos. uns deitados. outros em pé. eram formas, como podiam ser palavras. talvez fosse esse o segredo que escondiam de mim.

deve ter sido aí, em casa, nos cadernos secretos. a paixão liga bem com o secreto. deve ter sido aí. sim, creio que foi aí, nesse secretismo que nasceu esta paixão pela poesia.

na escola apresentaram-me outras mulheres com livros de palavras estanhas mas que não eram secretos. lembro-me de me apaixonar pela primeira vez por uma mulher. sim. lembro-me de Florbela bem cedo na minha vida. a romântica sofrida. a dor. a noite. a morte. a paixão. aquela que me permitia ler os seus segredos. o seu livro não era secreto. partilhávamos uma paixão. apaixonei-me. entreguei-me aos seus desvairos. as suas dores eram agora as minhas dores. as suas lágrimas na minha face. foram noites intensas que vivemos juntas. quantas vezes os seus desejos eram os meus:

«Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços…»

ai! a Charneca em Flor.

depois dela vieram muitos. umas outras mulheres. alguns muitos homens. todos eles me arrebatavam a alma. deixam-me condoída. prisioneira de emoções alheias. mas faziam-me sentir viva. quando desesperada abria um dos livros, daqueles não secretos, e buscava as palavras para curarem as dores da minha alma. eles eram a minha bíblia. na mesinha-de-cabeceira, à direita lá estava ela de encadernação dura e castanha, à esquerda estavam todos eles, de capa muito mole. amontoados. em pilha. a minha Torre de Babel.

sim, creio que foi assim que nasceu em mim esta paixão. a poesia é a cura da minha alma.

Na primeira hora de Lua de um dia de Marte e de S. Rufino, S. Donatila, S. Máxima, S. Abdonio e S. Seneno

segunda-feira, julho 29, 2013

Day 7 "poesia"

O corpo nu, quase estranho
agora, adormecido.
Contra o muro floresce o limoeiro;
do outro lado, liso, limpo, o mar:
quase no fim.
Na púrpura da pedra, o fogo
dorme. Sem mim.

Eugénio de Andrade in O peso da sombra

Na segunda hora de Saturno de um dia de Lua e S. Marta, S. Olavo, S. Simplício, S. Faustino e S. Beatriz

domingo, julho 28, 2013

Day 6 "do vento e da alma"

hoje veio-me esta música à memória. 

The Wind by Cat Stevens on Grooveshark
«I listen to the wind
to the wind of my soul
Where I'll end up well I think,
only God really knows»

o que eu gostava de Cat Stevens. agora oiço outro. de mesmo apelido cujo espírito folk reencontro - Sufjan Stevens. as suas letras são sempre tão profundas.

Impossible Soul by Sufjan Stevens on Grooveshark

Na segunda hora de Vénus de um dia de Sol e de S. Inocêncio, S. Vitor, S. Nazário e S. Celso

sábado, julho 27, 2013

sexta-feira, julho 26, 2013

Day 4 "Only God Forgives"

E depois de tanta espera saiu finalmente o novo projeto de Nicolas Winding Refn.


Primeiro é preciso dizer que deste realizador espera-se sempre algo diferente, nenhum dos seus filmes é como o anterior e em cada um parece haver uma integração da mestria que vai revelando. Desta feita, Only God Forgives não é diferente.

Com a estética a lembrar Drive, o ambiente de Valhalla Rising e a violência de Bronson, Only God Forgives é quase perfeito, não fosse a estranheza, a bizarrice que o acompanha desde início e teríamos saído da sala completamente rendidos. (isso e o jeitoso do Gosling ter um final diferente...)

Todavia, creio que essa mesma característica, com o passar do tempo, tornar-se-á numa das melhores qualidades do filme. Seja como for, é um momento único a não perder. Uma viagem ao mundo da maternidade/paternidade, do bem/mal, da justiça/injustiça como não tinha visto ainda.

Refn, you've done it again!

Na primeira hora de Vénus de um dia de Vénus e de S. Ana, S. Sinfório, S. Olímpio, S. Teodulo e S. Rafael

quinta-feira, julho 25, 2013

Day 3 "da Beleza"

Gosto de me tratar bem antes de ir de férias... porque nas férias gosto de estar livre de compromissos de embelezamento! Mas para isso é preciso algum tratamento extra antes ou, quando se regressa de férias, só nos salvamos com tratamento de choque!

Desta feita, os dias que antecedem uma viagem são passados no meu SPA pessoal. A receita é simples e os resultados imensos, pois que melhor forma há para entrar de férias senão a relaxar e limpar as más energias?!?

Um banho de jacuzzi para revigorar a pele, massajar o corpo e uma máscara hidratante para o cabelo (sempre é menos um frasco que tenho de levar de viagem...), que bem precisa nestas alturas, sal, sol, vento...

Para o banho aconselha-se uma música clássica para abafar o som, um pouco irritante, do jacuzzi. Umas velas e um incenso cheiroso ajudam ao relaxe. Toalha húmida sobre a cara para meditar e preparar a máscara facial que se segue. Nesta etapa é aconselhado demorar muito tempo, ficar até a água estar quase fria, pois é aproveitar o banho de imersão ao máximo.

De corpo limpo e relaxado, segue-se a hidratação. Um creme gordo para uma hidratação profunda. Aplicar generosamente sobre a pele e com os polegares espalhar pelo corpo todo...(esta é uma das partes em que mais me demoro...adoro dedicar este tempo ao meu corpo, ele merece)
Para a cara, uma máscara para devolver a luminosidade da pele, um peeling muito suave e muito mais barato ;)

Por último, uma cor para as unhas, não só as vai proteger de todas as experiências que por aí vêm, (campo e mar são um perigo para mim e para as minhas mãos) mas também dá um ar bonitinho. Azul ou coral, para sobressair o tom bronzeado da pele. 


E pronto, uma tarde ou manhã são o suficiente para ficar uns quinze/vinte e um dias sem grandes preocupações e compromissos de embelezamento. Hoje foi o que me apeteceu partilhar, pois o Espírito precisa do Corpo e é preciso dar a atenção devida a cada um, não nos esqueçamos ;)

Escrito na segunda hora de Lua de um dia de Júpiter e de S. Tiago Maior, S. Cristóvão, S. Valentina e S. Tomás Kempis

quarta-feira, julho 24, 2013

Day 2 "O farol"

Wreck this Journal by spitting by Shin Tau
'No going to the Lighthouse, James,' he said, as he stood by the window, speaking awkwardly, but trying in deference to Mrs Ramsay to soften his voice into some semblance of geniality at least.
Odious little man, thought Mrs Ramsay, why go on saying that?
Virginia Woolf in To the Lighthouse

A propósito da leitura apeteceu-me completar uma página do meu Wreck This Journal e partilho.

Na terceira hora de Mercúrio de um dia de Mercúrio e de S. Cristina, S. Francisco Solano, S. Boris e S. Godo

terça-feira, julho 23, 2013

Day 1 "Motores Sagrados"

Há muito tempo que não via um filme tão diferente, mas mesmo tão diferente. Holy Motors é uma experiência única, indescritível. Um ensaio sobre o cinema e a importância de cada parte que compõe esse todo, uma visão única sobre esta arte. Porém, a um nível mais íntimo, poderemos ver uma história. A história de Óscar - um actor.


Da história desta personagem surgem milhares de perguntas. Quantas personagens representamos ao dia? Quantos papéis assumimos? Quantas máscaras usamos? Ou mais importante ainda, será que é para casa que a levamos? Afinal, quantos Óscares há por aí?



Na primeira hora de Vénus de um dia de Marte e de S. Apolinário e S. Libório

segunda-feira, julho 22, 2013

Projeto 40 dias



40 dias de tudo e de nada
40 dias de férias
40 dias de arte
40 dias de 
tudo e 
nada

Para estas férias, ao contrário do habitual, apetece-me manter o Grimoire em dia. Por tal, decidi que haverá um post por dia (em caso de impossibilidade, muita festa ou preguiça, sairá com atraso). Serão 40 dias de produtividade. Amanhã, sai já o primeiro.

Na segunda hora de Sol do dia de Lua e de S. Maria Madalena

domingo, julho 21, 2013

A Take Away Show

O Sol está tímido por estas bandas hoje. É um dia perfeito para ficar em casa e desfrutar de tranquilidade. Banda sonora para o dia - Local Natives, descobertos por mim na altura do Optimus Primavera Sound, o único festival de música que tem interesse atualmente em terras lusas. 

A propósito disso, deixo-vos hoje com um projeto muito interessante para quem gosta de música - La Blogothèque. Fazem pequenos momentos de ficar sem ar (mesmo), o primeiro que vi e ouvi foi com Grizzly Bear, apaixonei-me imediatamente por este projeto. 

Estiveram cá no festival e fizeram este momento mágico de ficar sem ar nas ruas do Porto. Desfrutemos da música e do Sol.


Na primeira hora de Mercúrio de um dia de Sol e de S. Praxedes, S. Daniel e S. Lourenço de Brindes

quinta-feira, julho 18, 2013

emo(ti)va

há um filtro acastanhado que por vezes surge e pincela as memórias da minha vida. hoje toda eu sou castanho.
mazy by Shin Tau

abri os olhos e vi castanho. lavei-me em água castanha. o pão e a manteiga castanhos estavam. o leite castanho.

o café, aquele abraço matinal que me acolhe como o sol que sem questionar a sua missão todos os dias surge no horizonte.

demorei-me nessa memória, do café em chávena azul. vesti-me de azul e castanho.

Na segunda hora de Vénus de um dia de Júpiter e de S. Marinha, S. Frederico, S. Camilo de Lellis, S. Arnaldo de Metz.

sexta-feira, julho 12, 2013

das memórias e da gratidão

E neste período apetece-me recordar alguns dos melhores momentos e deixá-los aqui a marinar para ao longo dos próximos tempos me recordar o bom do trabalho feito.

Episódio 1:
«Hua Mulan was born in the fifth century.»
teacher, i don't understand.
what?
born
to be born is the opposite of to die.
ok.
«She was a chinese warrior.»
teacher, i still don't understand.
what, j.?
in the fifth century.
yes. she was born in the fifth century. i was born in the twentieth century. you were born in the twentieth century. so we were born in the twentieth century.
owe. ok!
but teacher, he wasn't born in the twentieth century. he was born in the twenty-first century.
(levei algum tempo até conseguir digerir esta informação)

episódio 2:

old, young, middle-aged, are adjectives we use to talk about age.
teacher, what's middle-aged?
ok. you're young, right?
yes.
i'm older, right?
yes.
your history teacher is middle-aged.
oh! i see, she's from the middle age!
(deus meu...tenho de escolher melhor os meus exemplos, definitivamente!)

Na segunda hora de Júpiter de um dia de Vénus e de S. Nabor e S. João Gualberto

quinta-feira, julho 11, 2013

Lua Cheia de Julho

Esta lua é  comummente chamada de A Lua das Sereias. Com um nome destes não é difícil de compreender que esta Lua nos leva para a beleza, o mar e a sedução.
The Mirror of Venus by Edward Burne-Jones

Esta Lua convida-nos a penetrar nos mistérios de Afrodite, a deusa da arte, do amor e da manifestação da beleza em todas as suas formas. Para entrar em contacto com a deusa eis um pequeno ritual.

Precisamos de conchas, água de rosas e um espelho de tamanho regular, oval e com cabo.

Lavamos o espelho com a água de rosas e deixamo-lo secar naturalmente. Quando o espelho estiver seco, colamos as conchas à sua volta, até preencher todo o seu contorno. Deixamo-lo durante a noite a apanhar as energias da Lua Cheia até ao amanhecer.

Este espelho servirá para entrar em contacto com a deusa. Olhando através dele, recitemos o seguinte encantamento:

Carne, mármore, flor, Vénus, em ti eu creio. 

Essas palavras mágicas foram retiradas de um dos poemas do francês Arthur Rimbauld. Ao recitá-las, estaremos a brindar a deusa com aquilo de que ela mais gosta - beleza e arte. Podemos sempre substituir o encantamento por outro que mais se adeqúe a nós.

Na primeira hora de Sol de um dia de Júpiter e de S. Bento, S. Pio, S. Sabino, S. Olga e Nossa Senhora do Patrocínio

segunda-feira, julho 08, 2013

Lua nova em Caranguejo

Pois claro, então não havia o dia hoje de ser super emotivo?!?!

O casamento alquímico realiza-se em Caranguejo, a união do Sol e da Lua no signo do Eu Sinto. Mercúrio e Vénus, bem como Lilith, seguem o cortejo. Apetece ficar em casa? Recolher e aninhar para sentir toda a turbilhão de emoções? Chorar e comer doces? Pois...é normal...
A treat by Shin Tau

Hoje, só hoje, permitamos que as lágrimas corram, que as palavras que estavam aprisionadas na garganta saiam e que as emoções se limpem. Vamos lá regenerá-las, permitir-lhes que se transformem, nas águas lamacentas de Caranguejo, em algo bonito e cheio de Luz, translúcido.
Oiçamos o nosso choro, as nossas queixas, oiçamo-nos! A criança que há em nós merece-o.

Na segunda hora de Vénus de um dia de Lua

Música do dia


Na segunda hora de Júpiter de um dia de Lua e S. Procópio

sexta-feira, julho 05, 2013

Aprendizagens

“Deve nutrir-se carinho por um sofrimento sobre o qual se soube construir a felicidade, repetiu muito seguro. Apenas isso. Nunca cultivar a dor, mas lembrá-la com respeito, por ter sido indutora de uma melhoria, por melhorar quem se é. Se assim for, não é necessário voltar atrás. A aprendizagem estará feita e o caminho livre para que a dor não se repita. Estava a crescer. O pescador crescia para ser um homem tremendo.”

valter hugo mãe in O Filho de Mil Homens

Terminei mais uma obra de Valter Hugo Mãe, escritor português de uma criatividade incomparável,  único na forma e no conteúdo. Já lhe dediquei aqui um post e hoje apetece-me voltar a fazê-lo, já que a sua escrita me proporciona sempre grandes momentos de introspecção, de reencontro com as emoções mais puras e simples que existem dentro de mim.
feelings by Shin Tau
Obrigada Mãe por me recordares que é possível inventar uma família, reencontrar a força dentro de cada um oferecendo ao outro aquilo que de melhor temos e buscando exactamente isso no outro. Obrigada Mãe por veres o mundo por esses olhos curiosos e expores sempre o melhor que há em cada um, sim, porque de facto, todos temos dentro coisas boas, às vezes só é preciso um esforço maior para as ver. Obrigada.

O Filho de Mil Homens é «a história de crisóstomo que, chegando aos quarenta anos, lida com a tristeza de não ter tido um filho. do sonho de encontrar uma criança que o prolongue e de outros inesperados encontros, nasce uma família inventada, mas tão pura e fundamental como qualquer outra. as histórias do crisóstomo e do camilo, da isaura, do antonino e da matilde mostram que para se ser feliz é preciso aceitar ser o que se pode, nunca deixando contudo de acreditar que é possível estar e ser sempre melhor. as suas vidas ilustram igualmente que o amor, sendo uma pacificação com a nossa natureza, tem o poder de a transformar.» in valterhugomae.com

Na primeira hora de Lua de um dia de Vénus e S. Atanásio e S. António Maria Zacarias.

terça-feira, julho 02, 2013

Uma nova Era

Todo o mês de Junho estivemos sob a influência da Estrela. Aprendemos, ou relembrámos, a limpar a energia e a servir de canal entre o físico e o espiritual. Limpámos velhas crenças e abrimos espaço para que novas ideias surgissem na nossa Vida.

Desta forma, surge agora para o mês de Julho a carta XX - O Juízo Final, o Aeon. 
Judgement by Shin Tau

Estamos prontos para uma nova Era? Estamos prontos para que Plutão entre na nossa Vida e destrua o desnecessário, tranformando-nos em algo novo?

Esta é a experiência que este Arcano nos oferece, rebentar as estruturas caducadas dentro de nós e transformá-las em algo completamente novo. Para isso precisamos de pôr em prática tudo o que vamos compreendendo, entendendo. E compreender requer que quebremos a casca do ovo, que saiamos da nossa zona de conforto e sejamos audazes, aceitando e assumindo a nossa responsabilidade sobre as acções mas também sobre as omissões. 

Com esta energia só podemos despertar, expandir a nossa consciência, tomando assim iniciativas onde nos revimos na plenitude do nosso ser. É uma nova fase da nossa vida que se inicia, sem intermediários.

Portanto, durante este mês, é possível que tudo mude à nossa volta. 
Quem de nós se vai libertar do emprego e ter a coragem de iniciar aquele projecto pessoal? 
Quem vai sair de casa dos pais e finalmente criar as suas estruturas? 
Quem se vai libertar daquele relacionamento involutivo? 
Quem vai ter a coragem e aproveitar a onda deste Arcano para se desprender das ideologias caducas e passar a pensar por si mesmo?

Vamos lá, vamos libertar-nos e permitir que a Luz, mais do que nunca, se manifeste em nós.

Na primeira hora de Vénus de um dia de Marte e de S. Márcia, S. Bernardino, S. Otão e S. Deodato
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...