Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

há alturas da nossa vida em que parece que tudo está a dar errado. que parece impossível encontrar uma saída que nos leve de volta ao estado de equilíbrio que tão desejamos. que só encontramos maledicência e negatividade. que, quando damos por nós, estamos embrenhados em teias de confusões e falta-nos a paciência para seja o que for. tenho andado a sentir-me esgotada no meu local de trabalho.

não posso, nem quero, responsabilizar os outros pelo que estou a sentir. a única responsável pelo que sinto sou eu. são os meus julgamentos e opiniões perante o que os outros estão a fazer que me colocam nestes estados de desgaste. então, o que tenho eu andado a evitar?

a Compaixão. a Empatia. a Solidariedade. o Amor. o Respeito.

e o que tenho eu aceitado viver?
a Crítica. a Vitimização. a Irresponsabilidade. a Raiva. o Desrespeito.

não é fácil estar com este nível de consciência quando o ambiente é tão desafiante. não é fácil ter uma palavra de Amor quando nem nos querem ouvir. não é fácil Resp…
Mensagens recentes

por que demorei um ano?

hoje sento-me à minha mesa para dar forma a um objetivo que ficou por cumprir no ano que acabou - retomar a escrita.
tive tantas dúvidas e tantos receios, não sabia mesmo como retomar esta atividade que tanto prazer e bem-estar me traz, como encaixá-la na minha nova rotina.
por outro lado também sentia que as minhas partilhas já não são só minhas, que a presença de uma criança na minha vida requeriam decisões mais comedidas, não quero partilhar a sua vida sem a sua autorização. mas como separá-lo de mim?

e com tudo isto o tempo foi passando. fiz várias tentativas de me sentar onde estou, de escrever no telemóvel, de apontar no meu BuJo a intenção de o fazer, mas o tempo não era o certo e simplesmente não aconteceu.

ontem surgiu novamente a ideia, mas com ela mais dúvidas. seria prudente manter este blogue? deveria criar outro e começar de novo? porém, as razões que me levavam a fugir deste espaço eram menos poderosas que as que me levam a permanecer. irão ocorrer algumas mudanças, po…

palavra para o ano

enquanto ainda se vota na palavra do ano 2018, eu decidi avançar e escolher a palavra que será a minha estrela-guia para o ano 2019.

porque nas minhas aventuras e desventuras percebi que a maior parte do tempo há sofrimento e toda uma quantidade de sentimentos negativos porque não aceitamos o que a vida nos está a pôr à frente, a palavra para este ano é ACEITAÇÃO!

aceitar é receber o que é oferecido. e eu manifesto ainda alguma dificuldade em receber o que me é oferecido, seja em coisas simples como uma prenda inesperada, um elogio, um comentário, seja em algo mais complexo, como alguém que seja muito diferente de mim.
mas o aceitar é precisamente ou também e acima de tudo não julgar, não diferenciar, é dar a oportunidade de que tudo se manifeste como é e não como eu julgo que deve ser.
é olhar para o pôr-do-sol e vê-lo sem o achar bonito ou feio, apenas observá-lo e deixar-me preencher pela sensação de o estar a ver pela primeira vez.
é receber com agrado o abraço do filho e a birra…

Tudo é o olhar

“Não te amo mais.
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada. Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
Eu te amo!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais..."
(Clarice Lispector)

dos meus Monstros

Chad VanGaalen - Monster
hoje, quando acordei, tive uma sensação diferente. passara a noite a sonhar com coisas do passado e, quando me apercebi de tal, enchi-me de gratidão. fiquei ainda uns bons minutos deitada com essa sensação a crescer em mim e, à medida que revia cada monstro que me visitara em sonho, maior se tornava a sensação.
por isso, hoje é o dia em que publicamente venho agradecer a cada um deles. aos monstros, a todos os que se cruzaram comigo, além do meu agradecimento, devo também um pedido de desculpa.

Do poder da mente

adoro Poor Boy dos Belle and Sebastian e o seu vídeo. quando a oiço penso sempre no poder da nossa imaginação e de como tudo de facto começa na nossa cabeça. e será que dela sai alguma vez? 


quando vejo o vídeo penso nesta curiosidade que sempre senti em observar o outro. ainda ontem, enquanto esperava pelo almoço no Colombo (cheio de pessoas!!!), observava cada um na sua vida e senti-me como esta criança de binóculos a espreitar.

curador, cura-te a ti próprio II

um dos ensinamentos principais transmitidos pela E.P.R.T.C. durante a formação de terapeuta de Reiki foi que nós não curamos ninguém. sim, eu não tenho poder sobre ninguém a não ser sobre mim própria. portanto, a única pessoa que podemos efetivamente curar é a nós próprios. daí a máxima: «curador, cura-te a ti próprio» ser tão fundamental.

desta feita, sei que os clientes que me surgem não são ao acaso e servem de meu espelho. e nisso (noutras coisas também, mas hoje para dar ênfase ao ponto de vista que quero transmitir faz mais jeito que seja só nisto) o Universo é de facto perfeito. quando nos permitimos fluir com o fluxo natural da vida, a magia acontece.

andava há umas semanas a perceber que o stress estava a manifestar-se e que tinha de fazer algumas práticas mais direcionadas para os princípios do Reiki, nomeadamente utilizar o Reiki das preocupações, zangas e críticas, quando me surge um novo cliente.

e ora nem mais, já adivinharam qual a queixa principal do cliente: stress.