segunda-feira, dezembro 28, 2009

2010 o Ano da Roda da Fortuna

Meus doces amigos,

estarei ausente até dia 3 ou 4, todavia, deixo-vos com uma reflexão sobre o que este Novo Ano nos poderá trazer.

2010 é o ano da Roda da Fortuna, energia dez. Depois de termos tido um ano com o eremita, onde a reflexão, ponderação e introspecção predominaram, é tempo de nos viramos para o exterior e conectar com ele.

Este ano é um ano de novas oportunidades. Parecerá que as coisas irão acontecer de mãos beijadas. Muita prosperidade e actividade, amor e alegria, saúde e paz. Porém, não será assim tão fácil, pois a Roda não pára e tudo tem o seu reverso!

É preciso estarmos constantemente em contacto e alerta para podermos ver as oportunidades que surgem ou elas passarão e teremos de esperar que a Roda gire outra vez para as agarrar ou pagaremos uma factura alta.
Este ano, mais do que nunca, o Destino vai actuar e se temos andado "desviados" do Caminho este será o ano em que tudo acontecerá para nos recolocar no trilho certo!

Vamos redefinir as nossas prioridades e começar o ano em grande, cheios de boas energias e grandes planos para o futuro! Este ano é regido por Vénus, saiba mais aqui!

Desejo a todos um ano Mágico, que os Mestres nos Acompanhem e guiem para que o nosso Destino seja cumprido!

Beijos mágicos

Shin Tau

domingo, dezembro 27, 2009

A Justiça trouxe o Karma

Na semana das festas, foi isto que o Tarot nos ofereceu! Alegria andou a patinar rkrkrkrrk

Para a última semana do ano saiu a carta O Diabo! Será um encontro muito interessante! as vamos lá ao Alegria e à sua partilha!

Alegria seguia o seu caminho, com aquela nova segurança de quem sabe que será sempre ajudado, o seu coração celebrava! No alto de um pequeno monte viu uma mulher. Era bela com um ar egípcio como nunca tinha visto!

«Eu sou a base da tua experiência. Os quadrados negros trazem-te julgamentos, os brancos realizações: pisa ambos ao de leve. Eu sou a pedra preciosa escondida dos teus esforços máximos!»
E magicamente um trilho de azulejos brancos e pretos aparece na sua frente. Alegria, hesitante, questiona-se qual dos dois deverá pisar primeiro! Levanta o pé determinado, mas no mesmo instante o volta a colocar no lugar de partida. Pensa e decide optar pelo outro. Tenta e mais uma vez hesita e volta onde estava.

Triste e vencido, senta-se no chão e as lágrimas começam a rolar pela sua face. Ele sabia que era demasiado hesitante nas suas escolhas e mais uma vez havia provado que não sabia decidir! E desesperadamente chora!

No fundo do seu ouvido interno uma melodia começa a soar. Aquela melodia hipnótica lembra-o que só ele tem o poder de decidir a sua vida, que as escolhas devem ser feitas. Mas a verdade é que ele se sente incapaz de o fazer e, assim, desisti.

O trilho começa a desaparecer e azulejo por azulejo se desfaz na sua frente.

«Meigo e verdadeiro de coração, eu Sou a visão que te saúda ao crepúsculo, no limiar do sonho. Todos os que desejam servir têm de beber do meu cálice!»

A mulher do alto do monte desce e olha para Alegria, uma verdadeira criança desamparada.

«És integro, isso revejo em ti! Apesar de teres falhado em aceitar a oferta, o meu cálice está aqui, para que bebas e aprendas a verdade do te coração. Esta é a tua prova, conhece-te, prepara-te pois tê-la-ás de passar!»
Na segunda hora de Júpiter do dia de Sol, S. João Evangelista

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Boas Festas

O Grimoire vai estar encerrado durante estes dias, tempo para estar com a família e em sossego! Ficam aqui os desejos de umas santas festas no seio de todos os que amam!

Deste lado, em homenagem à chegada do Inverno, são lançados pós mágicos pela Rainha do Inverno ;)
Try JibJab Sendables® eCards today!

terça-feira, dezembro 22, 2009

Mensagem do dia

Queridos amigos, hoje não consegui resistir e tenho de deixar um post com a mensagem da carta do dia.


Depois de termos celebrado a noite passada e redefinido as nossas prioridades, escolhendo novos trilhos, hoje sai o 2 de Discos, que a carta do tarot de Klimt demonstra muito bem, "Qual das crianças vamos saciar primeiro?"

Hoje é um dia importante, de escolhas reais, não as devemos evitar ou elas mais uma vez serão congeladas no tempo. E quem sabe quando voltaremos a ter essa oportunidade. É bom que tenhamos os olhos bem abertos hoje para ver o que é melhor para nós!

Vamos lá!! A todos um belo dia!

Na primeira hora de Marte do dia de Marte, S. Honorato, S. Flamiano, S. Filadelfo

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Noite de Solstício, Noite de Festança

E hoje às 17 horas e 47 minutos (hora local) o Deus Invictus regressa até nós!
Estão prontos para realizar as vossas celebrações? É que hoje é mais um ciclo que termina, mais uma oportunidade para redefinir as nossas prioridades e que melhor lugar para o fazer senão num círculo mágico?!?

Hoje o Universo está a dar-nos uma energia ideal para nos recolhermos um pouquinho e sentir o nosso coração, o nosso Eu Interior. Se não são dados a rituais, podem sempre optar por realizar uma meditação indo ao encontro do vosso Eu e avaliando o caminho até aqui trilhado.

Ou a simplesmente fazer um jantar mais elaborado com muitas velas acesas para mostrar que hoje é a noite mais longa do ano, mas que a partir de agora a Luz triunfará e os dias tornar-se-ão maiores.

Se quiserem fazer o ritual, podem sempre vir aqui e usar o que está publicado no livro de José Medeiros.

A todos um dia e noite muito especial, que o Deus renasça dentro de cada um!!!

Na primeira hora de Marte do dia de Lua, S. Tomé, S. Pedro Canísio

domingo, dezembro 20, 2009

O Equilíbrio é preciso

Nesta semana em que O Inverno chega, trazendo com ele a esperança da Vitória da Luz, temos para nos ajudar a ultrapassar as dificuldades a Justiça, energia número 8. Não sei se nos fará muito bem, principalmente depois de tudo o que temos passado, enfrentar agora a nossa Justiça Interior, mas é como é!
Para esta semana podemos esperar dias de necessidade de equilíbrio, pois o nosso Karma vai ser acesso pelas acções que temos tomado. É altura de enfrentar a espada da Justiça e avançar com a consciência tranquila.

Fiquemos com o oráculo do Tarot Arturiano:
Eu ofereço a taça da verdade para os verdadeiros de coração. Eu sou o bem permanente da justiça cujas nascentes nutrem a terra. Ninguém pode pronunciar-se e desfrutar do seu reinado sem beber a minha bebida. Ela é amarga, mas impregna o bebedor com a chama da integridade.
Para esta semana a música é simples, um clássico em Português! Fiquem com Rosa de Rodrigo Leão, Enjoy! Melancólica mas linda!

A Todos uma excelente semana de avaliações ;)

sábado, dezembro 19, 2009

Como aprender com a Morte a escolher com o Coração

Não há de facto nada neste Cosmo que funcione por mero acaso, mais uma vez tudo se encaixa para nos ajudar a melhor compreender as nossas questões pessoais.
Reparem na reflexão conjunta das duas semanas anteriores e digam-me se acreditam mesmo que eu não fiz a da Morte apenas por falta de tempo (e alguma vontade).


Alegria estava perante uma imagem pouco acolhedora, na sua frente estava um esqueleto preto com uma foice na mão que parecia varrer as margens do vale por onde passava, limpando todas as impurezas que nelas se encontravam. Sentia-se encurralado, estava numa esquina mas compreendia que jamais poderia voltar para trás.

A Morte ao dar conta da presença de alguém, olhou para trás e enfrentou Alegria. Este rapidamente pensou que fosse quem fosse aquele ser o poderia de certeza ajudar e com essa bravura inspirou e deu um passo em frente.

Assim que o seu pé direito ficou seguro no chão, Alegria teve um flash e lembrou-se das palavras da Sacerdotisa. Compreendeu que mesmo aquela figura na sua frente estava repleta da mesma energia que o resto, Amor. Também ela vinha do grande caldeirão da Mãe, também ela servia um propósito neste grande Plano que é o Uno, também ela tina a mesma origem - a Fonte.

De tal forma foi a sua certeza que nesse mesmo segundo a Morte desapareceu e se transmuta em Pajem com o Bastão na mão e lhe diz:

«Eu sigo a corrida do cervo com pés ligeiros. Eu sou a liberdade da floresta, o que abre o seu caminho. Alarga o teu grilhão e voa livre!»

Era o momento de largar mais uma vez tudo o que o prendia, Alegria compreendeu isso. Mas como poderia ele saber de coração aquilo que deveria ser liberto? Teria de parar e analisar todo o seu percurso para ouvir o que o coração lhe dizia ou seguiria em frente confiando que no preciso momento tudo lhe seria colocado à frente?

Enquanto pensava nestas questões, observa o Pajem a largar o Bastão e a segurar o Disco de protecção:

«Eu agarro a cabeça do sacrifício e digo as palavras dos ancestrais. Contempla, o sangue na espada é o sinal para que ajas. Não vagueis sem rumo sobre a terra, mas pergunta por que e como andas.»

E então compreendeu que jamais se deve parar para pensar, sentar-se no caminho e reflectir era já um luxo que não poderia ter. Com todo este conhecimento de si próprio era altura de Alegria compreender que é preciso continuar a avançar com fé e olhos abertos, sabendo que os sinais surgirão sempre que precisar deles para escolher. Não precisa parar.

Alegria sentia que agora nada o poderia parar e dentro de si uma Força crescia de forma incrível. Como poderia nunca ter compreendido que tantas reflexões o tinham deixado demasiado tempo em determinados lugares que não valiam a pena.

E com este pensamento na sua frente surge um Cavaleiro que lhe diz:

«Eu sigo a visão do Graal, onde quer que me leve, porque eu estou destinado a encontrá-lo e a manejá-lo. Chamam-me de “Louco” e “Sonhador”, mas eu nasci para esta missão e em seu serviço morrerei.»

De facto não vali a pena pensar que teria sido em vão parar em determinados lugares
pois fora dessa forma que chegara onde estava hoje. Novamente Alegria se sente ridículo por ter pensado em tal barbaridade e deixado de lado algo em que sempre acreditou. Esta dualidade sempre existira dentro de si, uma necessidade de reavaliar constantemente as suas crenças. Sempre que aprendia algo novo por experiência fazia com que essa aprendizagem entrasse em harmonia com as anteriores e caso isso não acontecesse, tudo seria colocado em causa.

Caminhou e entretanto dá consigo perante uma festa enorme. Observou cuidadosamente e compreende que estava a assistir a um casamento, um ritual de união. Quanta alegria e amor havia naquele novo casal que se unira. Alegria felicitou-os de coração e afastou-se para continuar o seu caminho, mas algo que ficara a matutar o pensamento.

Quantas vezes fizera escolhas na sua vida pela segurança que elas lhe ofereciam? Quantas vezes arriscou tudo e seguiu os desejos do seu coração? Sempre que uma escolha se havia colocado à sua frente, Alegria escolhera pelo seguro ou não escolhera de todo, deixando que o tempo levasse as oportunidades.

Sentiu-se triste, apesar de não estar magoado, sentia que havia errado vezes de mais, mas o pior era não ter a certeza se na próxima oportunidade iria escolher de forma diferente. No seu corpo ecoaram as palavras:

«Eu agarro a cabeça do sacrifício e digo as palavras dos ancestrais. Contempla, o sangue na espada é o sinal para que ajas. Não vagueis sem rumo sobre a terra, mas pergunta por que e como andas.»

Por que andava ele? Como andava ele? Seria isso que deveria usar para fazer as suas
escolhas? As pernas começaram a vacilar e Alegria sentiu-se muito inseguro. De repente tem uma visão. Uma imagem linda de uma Santa, era santa Fausta que emanou uma energia tão doce e lhe sussurrou:

«Eu retiro fogo do mais profundo dos rochedos. Eu sou a luz que dança, a lança que canta. O lugar dentro de ti que mais ferido estiver, é o lugar de onde vem o teu maior poder.»

Então seria isso, era essa a sua resposta. Aquilo que mais lhe custasse seria o que deveria fazer. Alegria seguiu em frente, mesmo sem ter a certeza de que aquela seria a resposta. Iria caminhar até ao Graal olhando para a espada sempre que tivesse dúvidas. Se ela sangrasse deveria seguir, senão deveria mudar de rumo.
Que mais lhe estaria reservado? Numa semana em que as festas se iniciam, Alegria estará sozinho ou reencontrará a Sacerdotisa?

Na segunda hora de Sol do dia de Saturno e de Santa Fausta

quinta-feira, dezembro 17, 2009

É assim que me sinto

Ai meus doces amigos,
não tenho tido muita disponibilidade para escrever, aliado a isso a falta de vontade ajudou a que quase uma semana este espaço estivesse em stand-by! Agora que a cabeça está um pouco mais descansada e irei ter mais tempo para mim, aliás todo o tempo para mim, voltarei com a actividade regular. Pois já tenho saudades e prometo ir visitar-vos todos!

Irei publicar a reflexão de A Morte em breve. Esta semana já repararam que temos Os Amantes, energia 6, para nos ensinar a ouvir os desejos do coração.

Fiquem então com esta foto de Elena Kalis que representa na perfeição o que tenho vivido...ora sou o Coelhinho responsável e preocupado com as resonsabilidades ora sou a Alice a querer brincar! E vós, este fim de ano está a deixar-vos assim também?

Na primeira hora de Vénus do dia de Júpiter, S. Bartolomeu, S. Geminiano, S. Olímpia, S. Gregório, S. Bega

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Vulcano e a Morte

Na sequência do que temos conversado, hoje venho partilha um pouquinho de astrologia esotérica.
A semana passada aprendi que Vulcano se associa ao 1.º Raio, isto é, o Raio do Poder e Vontade, e que é o regente espiritual de Touro, que por sua vez pertence ao 4.º Raio, Arte e Harmonia através do conflito.

Esta semana o amigo Marcelo lembrou-me que a Morte tem a ver com o eixo Touro/Escorpião. Pois está claro, então como me havia esquecido que a Morte é o Arquétipo de Escorpião?!? DAHHH

E assim se faz luz do porquê a Morte ter surgido depois do Juízo Final. Passo a explicar para compreenderem o meu entusiasmo!

Se Vulcano nos levou para Touro, a Morte leva-nos para Escorpião e daí que este ciclo nos esteja a chamar para esse eixo! O que posso eu partilhar sobre isso?!? Pouco, mas vamos lá na melhor das intenções e depois, de certo, que os amigos acrescentarão mais coisas interessantes.

Este eixo faz-me imediatamente pensar na construção e destruição. O empenho de Touro no ter e reter e a vontade do Escorpião em eliminar e destruir. Faz-me pensar na dualidade do físico e do espiritual, na terra e na água, os elementos mais densos.

Ora, mas em termos práticos como podemos usar este eixo em nós. Infelizmente há sempre adversidades a passar, parece que o Ser Humano só aprende através da Dor. Por isso, quando estivermos perante uma adversidade qualquer, algo que nos custe emocionalmente, devemos usar a tenacidade do Touro para batalhar, direccionar essa característica para algo mais positivo e a ela adicionar a faceta destruitiva de Escorpião, entrando na batalha interior até sair de lá completamente renovados!

Se aliarmos estes dois "defeitos" perante algo que queremos mudar, nada nos parará! Depois é inverter as polaridades dentro de nós e deixar que o Escorpião mate a dor e o Touro retenha o prazer.

Assim, tão facilmente, deveremos fazer com este ciclo de Juízo Final/Morte, lembrando que quando a batalha terminar devemos lutar para agarrar os bons sentimentos outra vez! Assim, tão facilmente! ;)

Diz alguém que tem Vulcano na casa 5 no eixo Touro/Escorpião O_o

Na primeira hora de Sol do dia de Mercúrio, S. Leocádia, S. Valéria

terça-feira, dezembro 08, 2009

Nossa Senhora da Conceição

Hoje, num dia poderoso para nós, relembro o que há um ano atrás escrevia! Grandes mudanças! Se quiserem podem ler acedendo aqui! Para os Portugueses um Bom Feriado!



Na primeira hora de Vénus do dia de Marte e da Nossa Senhora da Conceição

segunda-feira, dezembro 07, 2009

Abrir mão do que temos (Actualizado)

A propósito do comentário da IdoMind sobre as mudanças, onde nos disse que não gostava de perder nada, achei que era importante para todos, incluindo eu, relembrar uma lição espiritual.
Seria importante abrirmos a nossa mente para o facto de que nada nos pertence. Possuir algo é retirar-lhe a sua liberdade de ser e pertencer a quem precisar. Tudo na vida é circular, logo, como podem os nossos pertences ficar apenas nas nossas mãos?

Aquilo que hoje temos e possuímos na nossa casa, dá-nos com certeza muito prazer, mas será que precisamos disso tudo para sermos felizes? Não, claro que não. No mundo da prosperidade, cujo acesso é de todos, a prosperidade significa termos aquilo que nos é necessário para crescer saudavelmente, para fazer uma vida sossegada!

Ter uma televisão em cada divisão da casa, um carro para cada elemento da família, uma casa com mais divisões do que o necessário, não é de facto prosperidade. Prosperidade é ter o essencial, mas dirão «O essencial muda de caso para caso!» Talvez, mas se formos analisar as pessoas têm mais do que necessitam na verdade. A ganância, a competição levou-nos a um estado de vida que nos torna consumidores compulsivos e quanto mais temos mais queremos ter.

Mas esta conversa vinha a propósito das mudanças. Custa largar aquilo que temos. Claro, apenas porque temos medo e no fundo dos fundos da nossa alma não acreditamos que vamos conseguir mais. Largar é libertar e quando um acot desses é realizado, com certeza é com Amor. Logo, Amor gera Amor e algo melhor virá!

Quantas vezes teremos de perder tudo para compreender que não temos nada, que tudo na vida é passageiro? Abrir mão do que temos é dar oportunidade para que coisas novas entrem na nossa vida. O espaço livre é importante! Se temos as janelas de casa fechadas como pode o ar novo entrar? Se fechamos as portas do nosso coração como pode o Amor entrar em nós? Se nos regemos por formas-pensamento negativas, claro nunca vamos conseguir acreditar, mas acreditar com o coração, não com a mente, de que quando algo se vai, algo melhor vai aparecer.

Na primeira hora de Júpiter do dia de Lua, S. Ambrósio, S. Sabino
Depois de ter colocado o post e de todos os apontamentos feitos, ficam aqui três sugestões que complementam a ideia expressa neste post.
Um pequeno ritual para a Morte no Via Tarot .
E dois textos inpiradores para aceitarmos as mudanças, um no Difusão da Alma e outro no Jardim. Vale a pena ler!!!

domingo, dezembro 06, 2009

Dancemos com a Morte para regressar à Fonte

Ora, ora, depois de termos sofrido uma ressureição, eis que chega a energia da mudança, da transformação - A Morte!
Quando a carta saiu pareceu-me vir num seguimento lógico, certo? Depois de tantos questionamentos e uma sensação de renascimento, vem a confirmação de que é preciso agora operar algumas mudanças na nossa vida para que a nova pessoa que aqui está se possa movimentar de forma mais livre!

Todavia, pus-me a pensar e questionei-me sobre o sentido da Morte depois do Juízo Final. Talvez não seja uma morte interior, uma vez que essa já foi realizada, talvez sejam apenas pequenas mortes na nossa vida.

Seja como for, preparem-se para uma semana com muitas mudanças (uma mudança de residência, de look, de parceiro..)! Talvez seja o momento certo para pôr um ponto final naquela situação que tanto o incomoda, dar o grito do ipiranga no local de trabalho ou em casa...

Para esta semana escolho mais uma música de uma banda sonora, de um excelente filme, "The Fountain" de Darren Aronofsky. A música é do excelente Clint Mansell, fiquem com "Death is the Road to Awe".

A todos uma excelente semana!!!

Na primeira hora de Marte do dia de Sol, S. Nicolau

sábado, dezembro 05, 2009

O Juízo Final trouxe a Renovação

Esta semana tivemos direito a uma quantidade de experiências novas, foi uma panóplia grande de emoções e revelações. Houve muito questionamento, o que provocou uma montanha russa de sensações.

Vamos ver o que nos diz a história do Tarot e de Alegria.

Depois de ter abandonado a Sacerdotisa e de ter compreendido que há muito andava a recusar ouvir os seus desejos mais íntimos, Alegria começou a ficar desiludido consigo próprio. Afinal porque se reservava ele esse direito, o direito de experienciar novas emoções. Estaria tão determinado a seguir um caminho recto que se esquecera que é importante aproveitar as curvas, os solavancos ou os buracos do caminho?

Na sua frente surge a ajuda que precisava. O Rei de Bastões, uma pessoa querida, calorosa e pró-activa.
«Se queres atingir o alvo, que seja com as mais afiadas das espadas! Para trazer a cura é preciso coragem e uma mão firme. Retira o veneno com a chama da cura.»
Dito isto desapareceu.

De facto para seguir um caminho como esse é preciso muita coragem, mas antes de mais assumir que são esses os meus desejos. Purifico-me de todas as vontades mundanas e confio que apenas seguirei as Paixões que me fizerem evoluir. Liberto os meus quereres!

O seu coração encheu-se de felicidade e o seu corpo entrou em celebração. E foi nessa sensação de prestar reconhecimento e alegria a alguém que se lembrou de onde conhecia a Sacerdotisa. Era ela que guiava os rituais que ele presenciara, como não se havia lembrado disso antes.

«Eu sou a mãe do amor que derrama o seu copo para o bem de todos. O meu carregamento é ilimitado como o mar. Abre o coração de boa vontade e recebe.» Estas foram as palavras que a Rainha de Copas pronunciou na sua aparição. Alegria sorriu e pensou:

«És a Mãe que venerámos naqueles rituais. Eu te agradeço pela tua fonte inesgotável de Amor. Contigo e por ti aprenderei o que é o Amor. Em ti aprenderei a reconhecer os desejos do meu coração. Grato, eternamente grato!»

A Confiança e Segurança voltaram a invadir a alma de Alegria, que seguia completamente entregue aos seus pés e caminho. Sabia que agora havia aberto uma porta nas hipóteses de aprendizagens que lhe poderiam surgir. O Infinito era uma certeza agora. A renovação da sua alma e das suas certezas havia sido iniciada!

E no fim desse percurso Alegria compreendeu que um novo ciclo se iniciava, estava agora pronto para começar a receber no sue trilho os karmas anteriores. A Sacerdotisa havia sido o início desse novo trilho. O que surgiria agora?

Foi um percurso algo interessante. Alegria teve dois encontros que lhe deram palavras sábias. E essas palavras que nos disseram a nós?

Na primeira hora de Júpiter do dia de Saturno, S. Geraldo, S. Martinho de Dume, S. Sabeu

quinta-feira, dezembro 03, 2009

As curvas no Caminho

Com o tempo assim frio, com alguma melancolia que a estação traz, reavivo a memória e busco as recordações quentes e iluminadas. Busco a força dentro de mim, inspiro várias vezes e saio de casa pronta para o Combate.

A Liberdade, a Partilha, a Alegria e o Amor são reacendidos em mim e em vós?

Parabéns Mestre!!!


Na primeira hora de Sol do dia de Júpiter, S. Francisco de Xavier, S. Lúcio, S. Galgano

terça-feira, dezembro 01, 2009

Hefesto ou Vulcano

A propósito da carta da semana, surgiu na minha lembrança uma história mitológica que quero partilhar.

Hefesto é filho de Zeus e Hera, a história muda de acordo com as fontes, mas em todas elas uma coisa é comum. Hefesto foi expulso do Olimpo e na queda que durou um dia e uma noite ficou deformado, ora fisica ora emocionalmente.

Assim é connosco. Em cada queda que temos na vida uma cicatriz é adicionada ora ao nosso corpo físico ora ao nosso corpo emocional. Todavia, como este deus deveremos ser capazes de forjar essas marcas feias e torná-las belas.

Hefesto é o deus da forja, do metal. O metal é um material feio, frio, disforme que só através do fogo pode ser moldado. Hefesto conseguiu moldar o metal e transformá-lo nas peças mais belas que os deuses já tinham visto e assim conseguiu reconquistá-los.

Com este deus e a sua história poderemos aprender a lidar com os nossos aspectos mais feios, aprender a transformar o nosso lado bruto em algo mais delicado e perfeito. Conseguindo assim o perdão dos deuses e de nós próprios.

Lembrei-me desta história pois a carta da semana tem muito a ver com o perdão. Aprendermos a perdoar-nos pelos nossos lados menos belos, que todos temos, é uma das lições mais importantes da vida. Sem perdão não há evolução. Só depois de nos perdoarmos poderemos transmutar o que queremos!

Na primeira hora de Vénus do dia de Marte, S. Eloi, S. Ansano

segunda-feira, novembro 30, 2009

Aí vem o Natal!!!

Santo André abre hoje as portas da época festiva o Natal!
Hoje é um óptimo dia para enfeitarmos a casa e abrirmos as portas ao nascimento do deus novo, a um novo ciclo, a uma nova esperança.

Vamos enfeitar a casa, as janelas, colocar a árvore e a Santa Trindade na sala, expor as velas por todos os lados e, claro, começar a pensar no novo torro de madeira. Vamos colorir o espaço e enchê-lo de boas energias!

Adoro esta época!!! Vou agora fazer o que disse, enfeitar a casa!! Vou mudar tudo, coitado do OM quando chegar a casa krkrkrkrkrkrkr

Na segunda hora se Saturno do dia de Lua, S. André

domingo, novembro 29, 2009

A Ressureição

Para esta semana temos uma energia especial - O Juízo Final, carta XX na Rota do Peregrino.
Depois de termos despertado a nossa Sacerdotisa Interior, eis que chega o momento de nos libertarmos da matéria, dos nossos medos e apegos, mas acima de tudo das nossas culpas e padrões de comportamentos negativos.

Esta semana se tudo correr bem haverá muitas transfomações. Poder-nos-emos sentir um pouco diferentes ou até, por vezes, perdidos, mas tudo fará parte do processo de renovação que este Aeon nos traz.

Aquilo de que nos deveremos lembrar, acima de tudo, é não ter medo. Aceitar o que acontecer de braços abertos e não recuar perante as mudanças.

Para nos acompanhar melodicamente escolho uma música mais pacífica, um mantra cantado por Deva Premal. Este mantra tem como intenção iluminar o nosso caminho. Para saberem mais sobre o Gayatri Mantra podem ir aqui ou aqui.

Da Fraternidade Branca retirei esta tradução:

“Oh Deus, (nós) meditamos em Sua Divina Luz. Derrama Suas bênçãos sobre nós para que nosso intelecto possa ser iluminado, para que possamos nos elevar mais e mais até alcançarmos a mais alta consciência. Torna-nos capaz de meditar, de ter sucesso nos afazeres da vida e na realização de Deus (Verdade).”


Desejo a todos uma semana muito renovadora, perdoemos tudo e todos, incluindo a nós próprios!

Na segunda hora de Sol do dia de Sol, S. Saturnino

sábado, novembro 28, 2009

O Encontro com a Sacerdotisa

Depois de termos estado com o imperador, chego a Alta Sacerdotisa, com ela vieram questões bem mais pessoais, daquelas que se encontram escondidas no nosso sub sub consciente, aquele muito escondido.

Para mim foi uma semana intensa e conturbada! Até que cheguei ao final dela a ter de admitir algo que me custou horrores, mas que me alivio a alma. Vamos ver o que aconteceu com o nosso Alegria:

Alegria era acompanhado de uma sensação de realização. Sentia que a parte física, material da sua vida se estava a modificar e que aprendera a utilizar as correntes da prosperidade nesse campo. Apesar de se sentir uma criança Imperador sabia que era possível ser próspero e determinado mesmo assim jovem como se sentia. Domara a praticabilidade e sabia agora aceder a ela, estava feliz.

E sorridente caminhava. Porém, começou a sentir sede e parou junto a um riacho para encher o cantil. Apesar de ter as provisões necessárias para o caminho não recusava uma oportunidade de algo fresco, principalmente a água que lhe alimentava o corpo e a alma.

O espaço era bonito, o riacho dava vida às ervas que preenchiam as margens. O verde-escuro transmitia-lhe a sensação de vida, sentia que ali havia muita força, o sagrado feminino encontrava-se bem representado. De repente, ouve uma voz feminina muito doce e suave.

Não precisas de te debruças, tens aqui um fio de água fresca que corre em direcção a esse riacho. Toma, bebe, usa as minhas mãos para levares a água à boca.

A voz vinha do seu lado direito e, como que hipnotizado, rodou sobre si próprio para encontrar a fonte de tal melodia. Ali estava uma Sacerdotisa, soberba na sua graça e majestosa na sua simplicidade. Com uns olhos tão ou mais doces que a sua voz. Um corpo tão delicado como o som que dele saia.

Alegria sentiu-se inebriado com tanta emoção e vacilou enquanto tentava dar o primeiro passo na sua direcção. Havia algo naquela figura que lhe soava a familiar. Ter-se-iam encontrado alguma vez na vida? Havia ele sonhado com tal mulher? De onde vinha esta sensação, que apesar de estranha o encantava.

Saciou a sua sede das mãos de ser tão belo e quanto mais bebia, mais lhe apetecia beber! Olhou para o rosto da Sacerdotisa e ela sorria. Pensou que talvez ela estivesse a sentir o mesmo prazer que ele e não parou.

Obrigada pela tua generosidade. As minhas mãos estão calejadas e não têm a suavidade das tuas, a água pode continuar pura. Estou-te grato!

A minha missão é servir a quem de mim precisar. Sei que compreendes o que te digo,
pois sinto que tens na alma semelhante missão. O que te traz por aqui?

Ando em busca de mim próprio. Tenho viajado muito e conhecido muita gente nova e diferente de mim. Em cada um encontro uma lição. Não tenho um caminho traçado, por isso talvez possa dizer que foi o destino que me trouxe aqui. Porém, parece que já nos conhecemos, será impressão minha?

E uma longa conversa tiveram, sentados à beira do riacho as palavras fluíram como se água fossem. No fim, a confirmação de que de facto se conhecia, apesar de não saberem de onde, mas isso não era importante. O que de facto importava era aquela sensação de partilha e de reconhecimento.

Despediram-se e Alegria sentiu o seu coração a ser invadido por aquele sentimento que há tanto não sentia – Paixão. Baixou os olhos e seguiu caminho, desejando voltar a encontrá-la. Aquela mulher acendera nele emoções há muito adormecidas, sentira-se novamente um homem, com desejos e vontades. Só tinha uma certeza agora: desejava voltar a poder beber daquelas doces mãos, ouvir aquela voz e entregar-se a essas sensações!
Bom, foi este o caminho de Alegria, muito emotivo e será que ele a voltará a encontrar? E vós, houve um encontro deste género? Reencontraram alguém ou alguma parte de vós que tivesse estado adormecida? Hum, foi ou não uma semana interessante?

Na terceira hora de Mercúrio do dia de Saturno, S. Gregório, S. Tiago de Marca

quinta-feira, novembro 26, 2009

Sem palavras! A Sacerdotisa quis sair!

A realizar o ritual dos Anjos.

Na prmeira hora de Sol do dia de Júpiter, S. Delfina, S. Pedro Alexandrino, S. Conrado

terça-feira, novembro 24, 2009

Vem buscar o selo, é para ti!!!!

Meus queridos amigos que me têm oferecido com tanto carinho e amor selos, peço desculpa, mas tenho-lhes perdido o rasto. Não quero com isto dizer que não valorizei a vossa oferta, mas depois sou capaz de me esquecer quem ofereceu e de onde vieram, lamento, mas eu ando um pouco cansadita :(

Hoje lembrei-me que a doce Essencialma já há algum tempo me tinha oferecido uns selos, que eu agradeci logo, mas que ainda não tinha feito circular. Aqui estão todos eles, com regras e tudo:

Regras:
- Escrever uma lista com oito características suas ou do seu bichinho.

Não tenho bichinho, por isso têm de ser minhas: rigorosa, divertida, paciente, impulsiva, alegre, exigente, estudiosa e boa ... cozinheira!

- Convidar oito blogueiros para receber o selinho.


Descobridor Perdido
BLOG'ARTE
DIVINA PROPORÇÃO
Memórias de Vidas Passadas

Cova do Urso
Espelho Virtual
Pistas do Caminho

Astros e Estrelas - Reflexões Astrológicas

- Fazer um comentário no blog de quem deu o selo.


Regras:


- Colocar seis características minhas (as mesmas que na resposta anterior)
- Oferecer para outros seis blogs.

BLOG DO LUAR ENCANTADO
SPA! Só Por Agora
astrologicamente
A DONA DO MUNDO
A Aprendiz de Feiticeiro

Portal Mágico

Regra:

Repassar para 15 Blogs e dizer porque eles te conquistaram.



A Jornada do Louco pela sua criatividade e conhecimento! Adriana és muito boa naquilo que fazes e fá-lo com tanto amor que é impossível resisitir!



BANDARRAVET pela dedicacação e amor aos animais! Pela sua loucura natural e bom humor! Maria Paula és uma doidona saudável!!!



Café e Bolos pelo Homen maravilhoso que está sempre atento à sociedade e nos coloca os pés no chão ou na lua, dependendo do assunto. Viajante és um Homem Mágico!



Cova do Urso pelas razões óbvias, que são o prazer pela comunicação e a facilidade que ali há de nos sentirmos à vontade para aprender. António és um Mago!!!



Dalla Blog pela mistura de temas, pela originalidade das suas ilustrações e pela pessoa tão bem disposta que sempre encontramos!! Marcelo you rule!!!



Difusão da Alma pelo despertar que sempre nos proporciona, pela alegria e amor que partilha em cada palavras. Onda és uma fonte de energia inesgotável!!!



dimensões internas um espaço que só de lá estar nos começamos a curar. Aqui aprendi e relembrei tanta coisa boa que as palavras não chegam. Adriana és uma curandeira do Amor!



Eridanis um lugar de partilha muito especial pois a Siala é já um ser de luz!!!



Holy Venus um espaço dedicado a nós, ao nosso despertar, tudo feito com muito brio e alegria. Fada não há palavras para descrever quem és e o trabalho fenomenal que fazes!



Irradiano Luz um espaço que faz jus ao nome. Aqui aprendemos de tudo, relembramos a importância de respeitar todos os seres vivos, principalmente a Mãe Terra. Gabriel o teu nome adequa-se mesmo és o Anjo do Amor!!!



Isa Grou um lugar onde me sinto em casa, talvez pela proximidade do nome ou da alma, revejo-me em cada crença desta autora. Isa és especial, não pela tua dificuldade mas pela tua alma enorme!!!



Momentos Recortados um espaço especial onde se respira tão bem. A brisa da Marise invade a nossa alma em cada palavra cuidada como uma rosa. Marise és uma Mulher Maravilhosa!



O Jardim ...ora ora retirando a tendência e amor natural que tenho por este espaço, posso apenas dizer que cada palavra que ali é escrita tem o dom de nos perfumar como um mal-me-quer ou nos picar como um espinho. O poder que a IdoMind tem em brincar com as palavras é tão grande que só podemos estar gratos por ela ser toda amorzinho e nos oferecer sempre boas sensações. IdoMind deixa lá a mind e põe heart!!! Amo-te minha irmã!



Pistas do Caminho este espaço para mim é um dos espaços mais aprofundados na blogosfera. Cada vez que lá vou saio como se de uma palestra tivesse saído, os temas são tão bons e tão bem escritos que é uma delícia! F.A. és um professor nato!!!



Pirâmide do Conhecimento - Sabedoria aqui temos contacto com o outro mundo de forma natural. É uma nave especial, sem dúvida, mas o Mentuhenhat condu-la de forma tão generosa e apaixonada que é impossível resistir! Bem hajas!!!



Os restantes não têm regras e foram todos oferecidos pela maravilha Reyel, a anja que nos visita todos os dias e todos os dias espalha a sua alegria e boa energia pela blogosfera! Obrigada amiga!

São oferecidos a todos os visitantes deste espaço! :)

segunda-feira, novembro 23, 2009

Partilhando Maravilhas dos Vizinhos

Estava sem grandes inspirações sobre o que escrever, ainda a digerir toda a aprendizagem do fim-de-semana, quando fui ao Cova do Urso, que fez ontem dois anos de existência!

Na Cova do Urso encontrei um ritual que achei maravilhoso, deliciem-se!!! Mais uma prova da alquimia que este Mago consegue realizar!

Bem-hajas António por seres assim maravilhoso como és!

domingo, novembro 22, 2009

A Sacerdotisa abre as portas ao Sagitário

Pois é, hoje o Sol entrou em Sagitário e hoje a Sacerdotisa voltou a estar connosco! Que melhor conjunção poderia surgir?
Esta semana tudo o que desejarmos aprender sobre nós ou sobre algo será facilmente atingido. As nossas vontades serão facilmente atendidas e a comunicação com o Outro Plano estará ao alcance de quem a desejar.

A Sacerdotisa trar-nos-á a vontade de mergulharmos nos estudos, de aprofundarmos os nossos conhecimentos e de aceder ao nosso lago interior. Sagitário enaltecerá esse desejo por estudar e por conhecimento, além de nos encorajar a viajar. Se não podermos viajar para fora, pelo menos façamos uma viagem para dentro de nós!

Fiquemos com o oráculo da senhora do Lago:

«Eu sou a fomentadora de todo o Conhecimento. A minha Sabedoria é escrita pelo voo dos corvos no vento; nas profundezas do meu lago memórias antigas são acordadas. Procura-me no sussurro dos juncos e nos vazios da tua alma. Ajudar-te-ei a encontrar o poder e capacidade que procuras e dar-te-ei a minha espada da Autoridade. Vem para os lugares secretos e aprende comigo!»

Para esta semana escolho uma música do compositor Clint Mansell, fabuloso sempre, desta vez da banda sonoro do filme maravilhoso The Wrestler de Darren Aronofsky, um génio do mundo da 7.ª Arte.

A todos uma exclente semana.

O Imperador Criança

A repetição do Imperador foi algo inesperada, mas ao que parece poderá ter sido muito produtiva. Havia algo a aprender e é sempre bom termos a segunda oportunidade.
Vamos ver o que aconteceu ao Alegria, o nosso Peregrino iniciado.

Depois de ter abandonado o Imperador e voltado ao seu trilho regular, Alegria encontrou um grupo de pessoas. Foi convidado a sentar-se e cear com elas. Aceitou de bom agrado pois a última vez que comera fora na meditação, e o seu corpo começava a ressentir-se.

Depois de comer e beber um bom vinho, adormeceu como há muito não adormecia, sentindo-se em paz e segurança. No mundo dos sonhos voltou a acordar e estava rodeado de espadas. As pessoas que tão bem o acolheram eram afinal guardas de um Imperador qualquer.

No meio daquelas armas, Alegria temeu pela sua vida. Sabia que esta dependeria da forma como seria capaz de resolver aquela situação. Lembrou-se que o Pajem de Bastões lhe oferecia momentos de iluminação, que este lhe traria a coragem necessária para agir e mentalmente a ele se uniu.

Enquanto estava neste transe, o exército começou a mexer-se e mesmo ausente Alegria compreendeu que alguém importante se aproximava. Recuperou os seus sentidos totalmente para poder estar o mais presente perante quem ali surgisse.

As espadas mexeram-se e pode ver à sua frente uma pequena criança, vestida de roxo. Compreendeu que este era o Imperador de que ouvira os homens falar. Aliviou um pouco a sua tensão pois a figura não austera.

O Imperador sentou-se junto a ele e como em gestos sincronizados, ao cruzaras suas pernas no chão, as espadas cruzaram-se novamente e fecharam o círculo.

Lembras-te de mim? Reconheceste-te em mim? Ou já passaram tantos caminhos que não sabes que eu sou quem tu és?

Confuso com aquele enigma, Alegria observou com mais atenção a pequena criança. De facto havia nele uns traços reconhecíveis. Olhou com mais atenção e centrou-se no olhar da criança. Quando o fez, a sua alma mergulhou dentre daquele ser e entrou num mundo muito conhecido. Alegria foi até à sua infância, estava no seu bairro a brincar com os seus amigos e para sua surpresa ele estava vestido de roxo, uma facha roxa sobre uma túnica branca. Alegria era a pequeno Imperador a brincar pelas ruas da vila, com uma espada de pau ao alto a matar os inimigos imaginários.

Quando regressou ao círculo de espadas, lágrimas corriam a sua face.

Ah, voltaste! Como estás? É bom saber que não preciso de te matar para te ter de volta. Porque me ignoraste durante todo este tempo. Não me reconheceste nas lágrimas que choraste à noite, na frustração de não conseguires o que desejavas, na irritação de lutar contra moinhos de vento? Bom, mas isso não importa. O que importa agora é que já sabes quem és e o que o teu interior deseja. Pega na espada e segue, sê guerreiro, serve o teu Imperador interior, não desistas das batalhas apenas porque tens de aprender. Luta, afirma-te, em ti e por ti. Deixa cair as máscaras que ainda te restam, parte-as todas para que nem tu te reconheças mais. Segue o teu caminho, convicto de que eu sou tu e tu és eu, unos na corrente de amor.

A prosperidade vem de dentro, sê rico nas tuas riquezas interiores e as exteriores nunca te faltarão. Aceita o que te é oferecido, seja uma espada ou um sorriso. Mergulha em cada experiência da vida, só assim aprenderás as lições que ela aguarda para te oferecer.

Posto isto, Alegria cerra os olhos para limpar as lágrimas que cessavam de cair e ao abri-los novamente encontra-se na cama segura e pacifica da comunidade que o acolhera.

O sol já ia alto e compreendeu que dormira até tarde, estava na altura de retomar o caminho. Saiu da cabana e encontrou um cavalo cheio de provisões que lhe serviriam para pelo menos um mês de caminho. Olhou em redor e não encontrou viva alma. Agradeceu em voz alta a quem o tinha ajudado e partiu, confiante que agora sabia trilhar o caminho da prosperidade.
Ora, que bela lição nos ofereceu o Imperador. Descobri com ela que todos temos em nós potencial imperador, mas que esse Imperador pode ser apenas uma criança, sábia, que governa com o coração e a mente em uníssono. Foi uma bela lição, sim senhor!
Na segunda hora de Júpiter do dia de Sol e de Santa Cecília

sexta-feira, novembro 20, 2009

I have a dream

Hoje sonhei com um mundo melhor, onde a camaradagem era possível, onde o respeito mútuo existia, onde a palavra servia para elogiar ou ajudar e nunca para controlar ou desrespeitar.

Hoje sonhei com um mundo onde, aliás, não havia palavras, todas as emoções eram transmitidas pelo olhar ou pelo sorriso. Sonhei que era possível ficar em silêncio e absorver o mundo.

Hoje sonhei que não ouvia mais palavras gritadas, palavras cínicas ou palavras irónicas, armas utilizadas para ferir a alma de alguém vulnerável, para atingir o centro de cada um que a deixa penetrar.

Hoje sonhei que era possível mudar o mundo!

Hoje sonhei que os outros eram diferentes e quando acordei percebi que era eu que estava diferente. «Para decidir quem queres ser, deves começar por ver quem és!» Ouvi ao acordar. Assim, acordo de um sonho e, com a mesma certeza de que no sonho era possível, trago-o para a minha realidade.
Claro, no sonho era mais fácil não me deixava levar por correntes energéticas de grupo, mas mantinha a minha individualidade! Todavia, na realidade do sonho que quero também é possível, sempre que elevar o meu olhar para transmitir o meu amor pelo outro, sempre que o meu sorriso estiver estampado na minha cara como na minha alma, a minha corrente será tão forte que não entrarei noutras!

Ontem foi duro estar no mundo dos adultos, mas Hoje sei que eu sou uma criança e que mesmo assim sendo todos me respeitarão, não preciso ser adulta para ser ouvida!

Ontem fui assim, mas hoje sou diferente!!! Obrigada a todos pela oportunidade dada! Amo-vos assim mesmo pelo que são!
Na primeira hora de Lua do dia de Vénus, S. Felix de Valois, S. Edmundo

quinta-feira, novembro 19, 2009

Era isto que me apetecia

Já que falamos de desejos, este era o meu:



Estar aqui uma semana em voto de silêncio! E vós???


Na primeira hora de Mercúrio do dia de Júpiter, S. Matilde, S. Panteano, S. Isabel da Hungria

quarta-feira, novembro 18, 2009

Netzach e Hod

Parámos em Tiphareth, a esfera que liga toda a Árvore da Vida, o centro de confluência de todos os Caminhos.
Retomamos agora o seguimento e vamos falar de Netzach ou a Vitória. Esta é a esfera onde poderemos integrar o ideal de Beleza e de Amor. Esta sephira encontra-se na Coluna da Direita imediatamente por baixo de Hesed. Depois de termos integrado o Paraíso e compreendido que a Prosperidade é possível para todos, entramos num mundo de alegria e partilha.

Em Netzach podemos despertar o nosso 5.º Coração e compreender que a Vida é Bela, sabendo que além de desfrutarmos do útil devemos desfrutar do Belo. Quando entramos nesta esfera acedemos ao Prazer de Viver na Partilha e na Beleza, por isso ela é equiparada à deusa Vénus e ao planeta. Entrar em Netzach só pode ser para despertar o centro cardíaco e com ele viver em plena abertura.

Todavia, para podermos desfrutar de tal liberdade emocional precisamos de compreeder Hod ou a Glória.

Hod oferece-nos a inteligência prática, a capacidade para discernir a Verdade na Beleza.

Seria muito fácil ficarmos presos nas belezas e prazeres da esfera da direita, mas é preciso elevar a experiência da Beleza e para isso precisamos da lógica para compreender a Verdade. Não basta desfrutar das coisas, é preciso compreendê-las. Sentir prazer por algo apenas pela satisfação física poderá aprisionar-nos aos sentidos e impedir-nos de elevar a nossa consciência.

Hod é representado por Mercúrio, é a esfera onde se deve estar quando se pratica magia. Sempre que realizo os meus rituais é aqui que eu me ligo para poder ter a certeza de que estarei a operar no nível de consciência que me permitirá encontrar a Beleza mas aplicá-la depois a todos os conhecimentos que já tenho, encontrando a Verdade da experiência.

Ora, este par de centros permite-nos integrar experiências muito boas, dando-nos a oportunidade de compreeder o que é ser feliz! Aconselho a todos uma vez por semana a conectarem-se com estes dois centros, começando em Netzach e terminando em Hod.

Na primeira hora de Sol do dia de Mercúrio,

segunda-feira, novembro 16, 2009

Sobre os desejos

Desejar algo é ter uma vontade de algo, não é um desejo apenas de físico, mas um desejo de alma. Desejar algo é ter a capacidade de sonhar com um outro mundo diferente daquele em que vivemos e essa capacidade é de um campo mais espiritual do que material.

Desejar algo mantém-nos vivos, activa a nossa imaginação, a nossa terceira visão, mas também nos pode fechar dentro de uma ilusão. Como sempre o equilíbrio é a chave.

O Desejo é como o Sonho, comanda a vida ou será que a Vida comanda do Desejo?

Em que ponto de vida estamos nós, temos ou não a capacidade de sonhar? Sonhar com algo mais para nós. Somos ou não capazes de desejar coisas boas para a nossa vida? Temos ou não a coragem de fantasiar mundos por descobrir? Somos exploradores ou largámos as nossas armas?

Seremos ainda uma criança saudável que acredita que tudo é possível, que basta fechar os olhos e partir para um outro mundo onde não há problemas ou quando os há somos perfeitamente capazes de lidar com eles? Onde as portas nos levam a lugares mágicos e as janelas nos mostram outros olhares.

Será triste viver num mundo onde não há espaço para a fantasia? Será triste viver sem desejos?Será triste não ser criança?

Mas às vezes também é triste sonhar e desejar, sonhar e desejar, sonhar e desejar e depois não ver nada a se concretizar...

Haverá um equilíbrio entre estes dois que não consigo compreender?

Por enquanto opto por sonhar, deixo o desejar para mais tarde. Crio mundos de fantasia e desfruto deles. Se um dia os desejar...talvez percam a graça.

Na Segunda hora de Marte do dia de Lua, S. Margarida da Hungria

domingo, novembro 15, 2009

Repetição do Imperador


Devemos andar a ligar pouco aos resultados da semana, pois mais uma vez a energia se repete. Mas, também pode ser apenas porque só compreendemos metade do que havia para compreender e uma nova oportunidade nos está a ser dada. Enfim, seja pelo que for, o Imperador continua connosco!

Esta semana escolhemos fazer o quê? Da minha parte já percebi que tenho de esclarecer uma situação, ser o mais directa possível, sem magoar ninguém, mas ser verdadeira. Não vai ser tarefa fácil, mas vou tentar com todo o meu coração.

Vou aproveitar para continuar a ser eu a lidar da minha vida e organizar muito bem todo o meu horário, para dar para fazer tudo o que quero. Mas o Imperador pode ainda oferecer-nos a possibilidade de aceder a uma energia autoritária, cuidado, uma coisa é autoridade outra é autoritarismo.

Vamos agir, pôr a mão na massa e accionar o nosso Marte em conjunto com a nossa Vénus!

Vamos ser benevolentes, dinâmicos e estáveis! Vamos?
A música mantém-se, é tão boa que não me apetece tirar! E vós gostais???

Na primeira hora de Saturno do dia de Sol, S. Alberto Magno, S. Gertrudes, S. Leopoldo, S. Malo, S. Eugénio

sábado, novembro 14, 2009

O Imperador esta semana

Esta semana com o Imperador foi um pouco atarefada para mim, mas como vos tinha dito, pus as mãos nas rédeas do meu Carro e organizei tudo o que estava desorganizado, planeei novas coisas e tudo voltou à normalidade anormal.

Vamos ver o que aconteceu ao Alegria, terá ele andado a reorganizar o seu caminho? Vamos ver:

Depois de ter deixado o Mago e reflectido sobre a quantidade de experiências que havia negado apenas por as considerar inúteis, Alegria começa a sentir um enorme peso nos seus ombros. A responsabilidade de fazer circular as energias que lhe fossem oferecidas parecia agora uma tarefa muito árdua e ele sentia-se cansado e pouco preparado para a realizar.

No momento em que se começara a sentir ir abaixo, um rasgo de luz encheu a sua mente e da mesma forma que havia se sentido pesado estava agora leve.
Alegria não se encontrava no Caminho que estava a trilhar, estava agora numa planície linda com muitas árvores de fruto. Decidiu apanhar uma maçã pois começava a ter fome. Era deliciosa! Enquanto a comia ia olhando ao redor e não reconhecia onde estava.

Não se alarmou, já estava acostumado a este tipo de situações insólitas, e sentou-se esperando!

À sua frente apareceu o Imperador, Alegria apanhou um susto e rapidamente se ajoelhou aos pés daquele ser Magnificente que lhe sorria.

Levanta-te! Não tenho muito tempo para ti, devemos ser breves. Sabes por que aqui estás?

Houve um momento de silêncio e Alegria não tirava os olhos do chão, inquieto sem saber que resposta dar. Imaginava que tivesse a ver com a sua última aprendizagem, mas não se atrevia a dar resposta.

Pela tua cara calculo que não. Aprendeste recentemente que deves oferecer aquilo que te é dado e a ti não serve. Que deves aceitar as ofertas que te são feitas.
Contudo, mesmo sem te aperceberes a tua mente começou a divagar imaginando que serias como a rapariga da história a aceitar uma maça envenenada. Começaste a ter medo e ficaste pesado.

Sim, é verdade, poderá acontecer! Poderá sempre haver alguém te use para passar energias negativas. Alguém te oferecer coisas envenenadas é uma possibilidade, mas a riqueza do teu coração nunca será contaminada. Deves pensar que mais vale uma dor do que uma consciência pesada. Não temas a entrada no mundo da prosperidade.

E com isto desapareceu!

Alegria sacudiu a cabeça e novamente estava no caminho árido que trilhava antes. Imediatamente começou a pensar no que ouvira e algo não fazia sentido! Tirando o facto de poder sempre haver alguém que lhe oferecerá coisas menos boas, ele não teria o dever de as limpar antes de oferecer de novo? Ora, por que haveria o Imperador lhe ocultado isso? Estaria com tanta pressa que se esquecera?

Seguro de si, Alegria pensou.

Sou um jovem seguro de mim. Já trilhei muito caminho e cruzei-me com muita gente. O meu coração já doeu inúmeras vezes, mas sempre se recompôs. Porque haverei agora de temer novos dissabores. Nada disso! Confio na minha capacidade de avaliar as situações e é assim que sigo. De certo, a cada prenda saberei que utilidade lhe dar e, em último caso, deitar fora.

E novamente se pôs a caminho!
Bom, foi uma aventura inesperada. Talvez nos sirva ficar a reflexão de que a cada situação da vida convém que sejamos o mais imparciais possíveis para podermos escolher e agir em justiça e equilíbrio.

Na terceira hora de Lua do dia de Saturno, S. Nicolau Tavelic, S. Josafá

segunda-feira, novembro 09, 2009

20.ª e última lição do Mago

O maior bem que pode fazer pelo mundo é tornar-se num mago


in O Caminho do Mago, Deepak Chopra

Na primeira hora de Saturno do dia de Lua, S. Teodoro

domingo, novembro 08, 2009

Imperar, comandar ou governar - O que escolhes esta semana?

Depois do Mago somos brindados com o Imperador, energia 4 na rota do Peregrino.
Vamos ter uma semana com muita segurança, com a nossa força de vontade dirigida para aquilo que nos apetecer mais, mas...poderemos cair na obstinação se formos contrariados.

Esta semana a nossa atenção deverá ser colocada nas questões que tenham a ver com a nossa estabilidade. Qual é a nossa ambição neste momento? Que barreiras deveremos estabelecer para nos proteger ou delimitar as nossas acções?

Este Arcano vai com certeza levar-nos para a nossa capacidade de liderar, deveremos observar se estamos a liderar a nossa vida ou a dos outros, ou pior a deixar que outros liderem a nossa vida.

Para esta semana trago-vos uma nova banda britânica, The XX, muito interessante. Enigmática nos seus sons, instrospectiva o suficiente para nos colocar no estado de reflexão para a semana, mas não depressiva. Espero que gostem. A música é Heart Skipped a Beat e Infinity!

No baralho arturiano, o Imperador é o rei Arthur, ele mesmo, o seu oráculo:

«Eu sou o pai cumpridor da Terra. Eu mantenho a guarda em cada estação. Chamo sobre os recursos do meu reino com autoridade, representando as suas qualidades com honra. Eu preservo as leis pela minha força amorosa. Eu protejo o litoral e o coração da terra com a mesma misericórdia. Mantenham cuidados os meus caminhos.»

A todos uma excelente semana!

Reflexão da Semana com o Mago II

Nesta semana em que repetimos a energia do Mago, que terá o Alegria andado a aprender. Que façanhas nos aguardam com esta energia tão forte?

Vamos ver:


Enquanto caminhava pela estrada árida, Alegria encontrou uma cabana. À porta estava um Mago, que docemente o saudou e convidou a entrar.

Nesta cabana simples havia muitos instrumentos de alquimia, muitos tubos de ensaio e retortas. Caixas espalhadas em todos os cantos pareciam encerrar tesouros incalculáveis. Deslumbrado, Alegria enchia a vista e o coração com tanta riqueza. Aquela tradição dizia-lhe algo, ecoava no seu interior com muita força.

O Mago ausentou-se por uns minutos para preparar os aposentos para Alegria, pois este acedera ficar umas horas ali a descansar. Aproveitando estar sozinho, Alegria espreitou por onde podia espreitar e enquanto bisbilhotava tudo, o Mago surpreendeu-o.

«São instrumentos mais fáceis de manipular do que aparentemente se mostram. Aqui encontra-se uma vida de pesquisa, estudo e trabalho. Há algo que querias para ti?»

Envergonhado, sente-se feliz por estar na presença de alguém respeitoso e que conseguiu compreender que a sua atitude era mais de uma curiosidade infantil do que bisbilhotice. Mas com o efeito surpresa acaba por abanar a cabeça negativamente.

«Pois então, serei eu próprio que escolherei o que te oferecer, pois para mim é uma alegria estar acompanhado. Nesta bolsa encontrarás o primeiro ouro que consegui transformar. Pela oferta verás a minha felicidade por estares aqui.»

Meio sem jeito, Alegria estende a mão e aceita a bolsa, não queria ser desrespeitoso, mas também não queria aquele ouro, não lhe faria falta.

Bebeu um pouco de vinho e comeu um pedaço de pão na companhia agradável do Mago. Conversaram imenso e Alegria sentia a sua alma a enriquecer com aquelas histórias do Mago. O que ele já tinha vivido! No meio da conversa acabou por adormecer de cansaço, quando acordou era já manhã do dia seguinte.

Grata e humildemente agradeceu a sua hospitalidade, mas tinha de seguir. O Mago compreendeu e ofereceu-lhe ainda um cavalo que tinha, já era velho, mas iria ajudá-lo com certeza a chegar mais rápido e recuperar o tempo que ali estivera. Alegria, mais uma vez, percebeu que não poderia recusar.

Montado no cavalo, verdadeiramente velho, tão velho que lhe custava estar sentado sobre ele, lá segue viagem.

Como vem sendo habitual, enquanto caminha em silêncio, Alegria cai compreendendo melhor as etapas pelas quais vai passando e desta vez compreendeu que aquela bolsa que ele aceitara apenas para não desfazer a amabilidade do seu anfitrião, serviria para ajudar muitas pessoas que se atravessassem no seu caminho em busca de ajuda. Nesse mesmo momento se arrependeu por já antes ter recusado muitas ofertas por lhe serem desnecessárias. Compreende agora que tudo o que nos é oferecido deve ser aceite com o mesmo amor com que é dado e se a nós for inútil, outras pessoas na nossa vida poderão precisar.

Com o Mago compreendeu a transformação da vida e a forma como a energia se deve manter a circular. Assim será também no seu corpo, toda a energia que entra sai e volta a entrar constantemente, como o Ar que respira.

Seguro de si e do caminho em frente, segue viagem.
Na terceira hora de Vénus do dia de Sol, S. Severiano, Quatro Santos Coroados

sexta-feira, novembro 06, 2009

Os 12 Trabalhos de Hércules - 12.º Trabalho



Os 12 Trabalhos de Hércules


é um trabalho conjunto elaborado


por







Para a jornada da alma

Escolhemos abordar os seguintes temas


Mitologia, Astrologia e Tarot



12.º Trabalho

“A captura do gado vermelho de Gerião”

A transcendência da animalidade, a salvação



Mitologia



O Mestre chamou Hércules e disse-lhe: “Tu agora estás diante do último Trabalho. É o que falta para que o ciclo seja completo, e liberação conquistada. Vai até aquele lugar sombrio chamado Eritéia, onde a Grande Ilusão está entronizada; onde Gerião, o monstro de três cabeças, três corpos e seis mãos, é rei e senhor. À margem da lei ele mantém um rebanho de gado vermelho escuro. De Eritéia deves trazer até a nossa Sagrada Cidade, este rebanho. Cuido com Euritião, o pastor, e seu cão de duas cabeças Ortus.” E depois de uma pausa continuou: “Mais um aviso posso dar. Invoca a ajuda de Hélio.”

Hércules partiu e no templo, fez oferendas a Hélio, o deus do fogo e do sol. Por sete dias Hércules meditou, e depois mereceu dele um favor. Um cálice dourado caiu no chão aos seus pés. Ele sentiu no seu íntimo que esse objecto brilhante o capacitaria a cruzar os mares para alcançar o país de Eritéia. E assim foi. Sob a segura protecção do cálice dourado, ele velejou pelos mares agitados até chegar a Eritéia.
Numa praia naquele país distante, Hércules desembarcou. Não muito longe dali ele chegou a um pasto onde o gado vermelho escuro pastava. Era guardado pelo pastor Euritião e o cão de duas cabeças, Ortus.
Quando Hércules se aproximou, o cão lançou-se como uma flecha para ele, rosnando ferozmente, tentando alcançá-lo. Com um golpe decisivo Hércules derrubou o monstro. Então, Euritião amedrontado pelo bravo guerreiro que estava diante dele, suplicou que a sua vida fosse poupada. Hércules concedeu-lhe o pedido. Conduzindo o gado vermelho-sangue adiante dele, Hércules voltou a sua face para a Cidade Sagrada. Ainda não estava muito longe daquelas pastagens quando percebeu que o monstro Gerião vinha em louca perseguição. Logo Gerião e Hércules estavam face-a-face. Exalando fogo e chamas de todas as três cabeças simultaneamente, o monstro avançou sobre ele. Esticando bem o seu arco, Hércules lançou uma flecha que parecia queimar o ar e que atingiu o monstro no seu flanco. Tamanho foi o ímpeto com que fora lançada, que todos os três corpos de Gerião foram perfurados. Com um guincho desesperado, o monstro oscilou, depois caiu, para nunca mais se levantar.

Hércules conduziu, então o lustroso gado para a Cidade Sagrada. Difícil foi a tarefa. Volta e meia alguns bois se desgarravam e Hércules deixava o rebanho para procurar aquelas cabeças que se perdiam. Através dos Alpes ele conduziu o seu rebanho até Halia. Onde quer que o mal tivesse triunfado, ele golpeava as forças do mal com golpes mortais, e corrigia a balança em favor da justiça. Quando Eryx, o lutador, o desafiou, Hércules o derrubou tão vigorosamente que ele permaneceu caído.

Novamente quando o gigante Alcioneu lançou sobre Hércules, uma rocha que pesava uma tonelada, este último a deteve com a sua clava e a mandou de volta, matando o seu agressor.

Às vezes ele perdia o seu rumo, mas sempre se voltava, refazia os seus passos, e prosseguia. Embora exausto por este cansativo trabalho, Hércules por fim voltou. Quando chegou, o Mestre que o esperava, disse-lhe: “A jóia da imortalidade pertence-te. Por estes doze Trabalhos tu superaste o humano e te revestiste do divino. De volta ao lar viestes, para não mais partires. No firmamento estrelado o teu nome será inscrito, um símbolo para os batalhadores filhos dos homens, de seu imortal destino. Os trabalhos humanos estão encerrados, tua tarefa Cósmica começa”.



Astrologia


Em Peixes/Virgem, Hércules termina um grande ciclo de realizações que marcam a sua libertação das formas terrestres e da maioria dos apegos que prendem os homens à roda de reencarnações.
É aqui que o homem crítico e rígido do passado aprende a ter fé.

Hércules tem que conduzir o rebanho de gado vermelho-sangue (representa a quinta raça) para fora das terras da ilusão até à Cidade Sagrada. Para desempenhar a sua tarefa, é advertido de que deverá invocar Hélio – Deus do sol, senhor da luz e da consciência, que só se consegue encontrar nos planos interiores do ser.

Aqui ficamos a saber, que a união da consciência cósmica com a terrestre, e o apelo a esse deus interior que existe dentro de todos nós, é imprescindível para enfrentar tarefas que exigem um esforço maior. Hércules medita em consciência, na sua essência repleta de luz, que significa a busca de Peixes, ser que vem ao mundo para compreender a própria essência e para se revelar como fé.

Como resultado da sua meditação, recebe o Santo Graal – cálice dourado – depósito de toda a sabedoria.

É com a frieza de Virgem que Hércules consegue enfrentar Gerião, mas esta frieza levada ao extremo pode revelar-se em tirania, daí que o bom senso demonstra bem o signo de Peixes em equilíbrio. O lutador com que Hércules se debate, mostra a raiva contida de peixes e falta de firmeza na sua própria colocação e acção no mundo; e o ter que abandonar momentaneamente o rebanho para ir apanhar algum boi desgarrado, demonstra também a dificuldade que o signo de peixes sente com os imprevistos.

Quando chega à cidade sagrada e ouve “A jóia da imortalidade pertence-te. Por estes doze Trabalhos tu superaste o humano e te revestiste do divino. De volta ao lar viestes, para não mais partires. No firmamento estrelado o teu nome será inscrito, um símbolo para os batalhadores filhos dos homens, de seu imortal destino. Os trabalhos humanos estão encerrados, tua tarefa Cósmica começa”, aprende finalmente que necessitava de ter coragem e fé para ver tudo o que viu, e que estes valores são o seu legado para os seus irmãos. E para o conseguir, o homem tem que tirar o seu Cristo da cruz e caminhar ao seu lado.



Tarot

Depois de tantas tarefas, depois de passar por provas incontornáveis, difíceis e algumas falhas, o herói está pronto para o auto-sacrifício. O Dependurado chegou, é o momento em que o herói tem de assumir que os seus pés estão no Céu e as suas mãos na Terra. É o momento em que compreende que a sua missão sempre foi a de regressar à Casa do Pai, mas que afinal ele sempre lá esteve, e que por isso passou por tudo o que passou. Grato pelas lições de vida ele mostra como está diferente, como conseguiu adquirir as qualidades que lhe faltavam desde a primeira tarefa, em que ingenuamente colocou a vida do seu amigo em perigo.

O Dependurado é o reinício de uma fase na vida do herói. As tarefas não terminaram por aqui, agora na escalada da Árvore da Vida ele terá novas provas a superar, mas nestas aprendeu que apenas com a inversão das polaridades, trilhando um caminho equilibrado, buscando a perfeita harmonia das coisas, ele poderá chegar ao seu destino. Compreende agora que não há ilusões, apenas mudanças da realidade, não há adversários, apenas coadjuvantes, não há princípio nem fim, apenas uma eterna dança cósmica.

Com todo este conhecimento, o herói avança na Vida como o Louco, seguindo em frente, voltando atrás, parando e reflectindo, dançando e rindo, mas tudo isso feito com muita consciência, pois agora ele sabe que nunca esteve só, nunca falhou ou passou, nunca perdeu ou ganhou, apenas viveu.

«O Dependurado sacrifica-se pois sabe que isso não existe. Ele inverte a ordem da vida e age com as raízes no Divino e a mente na Terra. Agora ele nem precisa de se mexer para poder actuar. O Louco ganha forma.»

quinta-feira, novembro 05, 2009

Quando for grande quero um assim

Que sentem ao ver este altar?
(foto por Shin Tau)

Na primeira hora de Sol do dia de Júpiter, S. Zacarias, S. Isabel, S. Barnabé

quarta-feira, novembro 04, 2009

Os 12 Trabalhos de Hércules - 11.º Trabalho




Os 12 Trabalhos de Hércules


é um trabalho conjunto elaborado

por







Para a jornada da alma


Escolhemos abordar os seguintes temas


Mitologia, Astrologia e Tarot



11º Trabalho

“A limpeza dos estábulos de Augias”

O serviço de limpeza e purificação, com uso da água, preparando o encerramento do ciclo


Mitologia


O Mestre chamou Hércules e disse: “Onze vezes a roda girou e agora estás diante de outro Trabalho. Por muito tempo perseguiste a luz que tremeluzia, primeiro de maneira incerta, depois aumentando até tornar-se um firme farol, e agora brilha para ti como um sol brilhante. Agora volta tuas costas para o brilho, inverte os teus passos; volta para aqueles para quem a luz é apenas um ponto de transição e ajuda-os a fazê-la crescer. Dirige teus passos para Augias, cujo reino deve ser limpo do antigo mal.”

E Hércules saiu à procura de Augias, o rei. Quando ele se aproximou do reino onde Augias governava, um terrível mau cheiro fê-lo quase desmaiar. Durante anos, ele ficou sabendo, o Rei Augias jamais fizera limpar o excremento que o seu gado deixava nos estábulos reais. Então os pastos estavam tão adubados que nenhuma colheita crescia. Em consequência, a pestilência varria o país, devastando vidas humanas.
Hércules dirigiu-se para o palácio e procurou pelo próprio Augias.
Informado de que Hércules vinha limpar os fétidos estábulos, Augias confessou a sua dúvida e descrença dizendo: “Dizeis que farás esta imensa tarefa sem recompensa? Não confio naqueles que anunciam tais bazófias. Hás-de ter algum plano astucioso que arquitectaste, oh Hércules, para me roubar o trono. Jamais ouvi de homens que procuram servir ao mundo sem recompensa. Nunca ouvi. A esta altura, contudo, eu de bom grado acolheria qualquer tolo que procurasse ajudar. Mas deve ser feito um trato, para que não zombem de mim como sendo um rei bobo. Se tu, em um único dia, fizeres o que prometeste, um décimo de todo o meu rebanho será teu; mas se fracassares, tua vida e teus bens estarão em minhas mãos. Não penso que possas cumprir tuas bazófias, mas podes tentar”
Hércules então deixou o rei. Ele vagou pela pestilenta área, e viu uma carroça passar empilhada com cadáveres, as vítimas da pestilência. Dois rios, ele observou, o Alfeu e o Peneu, fluíam mansamente pela vizinhança. Sentado à beira de um deles, a resposta a este problema veio-lhe à mente como um relâmpago. Com determinação e força ele trabalhou. Com enorme esforço ele conseguiu desviar ambas as correntes dos cursos seguidos por séculos. Ele fez com que o Alfeu e o Peneu derivassem as suas águas através dos estábulos e aceleradas limparam a imundície por tanto tempo acumulada. O reino foi limpo de toda a sua fétida treva. Num único dia foi cumprida a tarefa impossível.
Quando Hércules, bastante satisfeito com o resultado, voltou a Augias, este último franziu a testa e disse: “Conseguiste êxito com um truque”, berrou de raiva o Rei Augias. “Os rios fizeram o trabalho, não tu. Foi uma manobra para me tirar meu gado, uma conspiração contra o meu trono. Não terás uma recompensa. Vais, sai daqui ou mandarei decapitar a tua cabeça!”
O enraivecido rei assim baniu Hércules, e proibiu-o de voltar ao seu reino, sob pena de morte imediata.
Hércules cumpriu a tarefa que lhe fora dada e voltou ao Mestre, que disse: “Tu tornaste-te um servidor mundial. Avançaste ao recuares; vieste à Casa da Luz por um outro caminho, gastaste a tua luz para que a luz dos outros pudesse brilhar. A jóia que o décimo primeiro Trabalho dá é tua para sempre”. Hércules sendo o iniciado, deveria fazer três coisas, que podem ser resumidas como as características principais de todos os verdadeiros iniciados. Se não estiverem presentes em alguma medida, o homem não é um iniciado. A primeira é o serviço impessoal, que não é o serviço que prestamos porque nos dizem que o serviço é um caminho de libertação, mas o serviço prestado porque a nossa já não é mais centrada em nós mesmos. Não estamos mais interessados em nós mesmos e sim na nossa consciência, que sendo universal nada há a fazer, senão assimilar os problemas dos nossos semelhantes e ajudá-los. Para o verdadeiro iniciado, isso não representa esforço. A segunda é o trabalho grupal que é permanecer sozinho espiritualmente na manipulação dos assuntos pessoais, esquecendo completamente de si mesmo no bem-estar do particular segmento da humanidade ao qual está associado. A terceira é o auto-sacrifício que significa tornar o ego sagrado. Isto lida com o ego do grupo e o ego do individúo; esse é o trabalho do iniciado.

Astrologia


Em Augias, o trabalho é feito pelo eixo Aquário/Leão, em que com a sua lâmpada acesa (Leão) através do serviço altruísta e alinhamento com os níveis superiores de consciência (Aquario), que Hércules deve levar a luz aos outros, pois é a partir do momento em que a luz se acende na consciência que o Homem deixa de ter possibilidade de voltar às trevas do mundo.

É aqui que Hércules deixa de prestar atenção a si mesmo (Aquário), indo ao encontro dos que ainda não acenderam a sua própria luz.

Quando Hércules se dirige ao reino de Áugias, simbolizado pelo Leão e a propriedade, o domínio, o poder e a arrogância demonstrado pelo Rei, sente o cheiro, acumulado de tempos imemoriais, desse mesmo preconceito. Sem se sentir intimidado por estar a prestar um serviço à humanidade apesar do desprezo do rei e o seu descrédito naqueles que prestam serviço desinteressado, Hércules levou a cabo a sua tarefa e acaba por se retirar em silêncio após as palavras de medo de perda de poder do próprio rei.
Mas Hércules já sabe que as únicas contas a prestar são a Deus. E que usando a sua intuição e a sua própria luz (Leão em equilíbrio), trazendo luz àqueles que não a viam, são um presente de Aquário para as forças retrógradas e provisórias que representa este rei no seu reino.

Tarot

A elevação está concluída, agora o herói dedica o seu tempo a ajudar os outros, mesmo quando deles não recebe o agradecimento necessário. A sua Força foi alcançada definitivamente. Nas outras tarefas em que o herói enfrentou a Força, nem sempre havia conseguido dominar os seus impulsos e aprender a lição, mas agora Hércules comanda o seu Leão interior e, por isso mesmo, não precisa da aprovação exterior, nem se sente injustiçado, avança, cumpre a sua tarefa e basta-lhe ter sido útil.

O Arcano XI foi alcançado, a sua energia está integrada e agora o herói pode avançar e tornar-se na Estrela. A Estrela muitas vezes pode simplesmente estar lá para nós, ajudando e direccionado o nosso Carro, mas numa elevação como a que o herói alcançou, a Estrela é ele mesmo.

Quando Hércules compreendeu que usando a água dos dois rios conseguiria realizar a tarefa com facilidade ele acedeu a este Arquétipo, pois a Estrela, com um pé no chão e outro na água, consegue manter a fonte de Luz a jorrar constantemente sobre os lugares onde houver obscuridade. Enquanto que a Temperança ainda realiza apenas uma energia de transmutação interior e pessoal, é o Alquimista no Laboratório pessoal, a Estrela é o Alquimista Universal por excelência. Ela dá Luz e transmuta o podre em fértil.

«A Força aplicada à transmutação, liberta o herói para a entrega plena. A Estrela brilha de dentro para fora, numa liberdade total.»

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...