domingo, dezembro 30, 2012

O Imperador

Para o fim de 2012 e início de 2013 temos o Imperador a emanar a sua energia sobre o nosso Caminho.

Desta forma, nada poderia ser melhor, já que ele nos traz estabilidade, segurança, estrutura, elementos necessários para quem está cheio de força para levar em frente as resoluções do Ano Novo.

Não me vou alongar nesta análise, pois o Imperador já foi explicado aqui e até há uma meditação para ele aqui. O que me interessa hoje chamar a nossa atenção é para um aspecto que nem sempre nos lembramos.

O Imperador é o par natural da Imperatriz, enquanto esta representa o lado inconsciente o outro representa o lado calculado, organizado, pensado e reflectido. Mas o Imperador não pode governar sem dar a devida atenção à Imperatriz. Esta é a chamada de atenção para esta semana: integremos o arquétipo do Imperador, mas não nos esqueçamos que tem de haver a essência da Imperatriz a ajudar-nos nessa senda.

Além disso, chegou a hora, para mulheres e homens, de deixarmos de projectar o lado masculino no pai, chefe, marido ou outra pessoa que represente papéis de autoridade na nossa vida. É tempo de nos auto-proclamarmos como a única autoridade competente para mandar na nossa vida, romper as correntes dos condicionamentos repressivos, convenções e normas da sociedade.

Conquistemos a nossa independência financeira, não pelo dinheiro, mas pela liberdade que nos dá de decidirmos sobre a nossa vida, de gerir os nossos recursos como desejarmos, livres de chantagens e manipulações.

A todos uma semana cheia de determinações importantes e firmeza!

Na primeira hora de Júpiter do dia de Sol, S. Sabino, S. Anísio

sábado, dezembro 29, 2012

9 Bastões no último dia da Lua

Neste último dia da semana com a Lua temos a energia do 9, número onde a energia assenta, depois de explodir no 8 e antes de estabilizar no 10. Sendo o 9 de Bastões a chamada de atenção cai sobre a nossa energia interior. Mas atenção, a carta fala-nos mesmo de que depois da tempestade vem sempre a bonança.

Oh Well!
O 9 está associado à esfera de Yesod, a Lua, na Árvore da Vida, e, por isso, põe-nos em contacto com o nosso inconsciente. Com esta carta e com a Lua a palavra de ordem é conhecer o que temos dentro de nós, escutar o mais profundo do nosso inconsciente lunar. Permitir que os nossos impulsos apareçam e deixarmo-nos guiar por eles.

Na conclusão da semana da Lua, fico grata pela chamada de atenção que esta carta me trouxe pois ela fez-me reflectir nos impulsos que ainda existem, naquele pensamento que lateja como uma dor de cabeça indesejada. Na vontade que surge em trazer luz à escuridão que o não entendimento traz. Mas também trouxe um aspecto positivo, pois ela ensina-nos a firmar dentro de nós as nossas decisões, é uma Lua em Sagitário.

Não há nada mais fácil para uma Lua em Sagitário do que determinar o rumo a seguir, apontar a flecha para as novas aventuras do caminho e afastar-se do que a faz sofrer. No entanto, este lado lunar relembra que é fácil ficar preso ao passado e às programações infantis marcadas pela mãe, tornando-se assim uma barreira difícil de transpor. Só com um conhecimento profundo do que se quer e do que se sente, se pode agir, isto é, libertar da programação e livremente escolher o alvo para onde dirigir a flecha.

Come and be free
A confirmação de que estamos a agir de acordo com a nossa vontade e plenos de determinismo para alcançar o objectivo chega com a sensação de estrutura, verdade e firmeza. Sensação essa que nos permitirá encarar melhor as possíveis dificuldades que estas decisões podem acarretar. Só se nos atrevermos a dirigir a nossa energia para o que fazemos num sentido emocional profundo, regataremos a firmeza e autoconfiança.

Por isso, meus queridos, hoje aconselho que determinemos o que queremos de acordo com o que sentimos, prestemos atenção aos nossos impulsos, eles guiar-nos-ão nesta tarefa que pode não ser assim tão simples. Afinal, às vezes a mente já sabe o que fazer, mas o coração recusa-se em acordar, permitindo à Sombra permanecer um pouco mais no escuro. E não nos podemos esquecer que é no equilíbrio da mente com o coração que atingiremos o Caminho do Meio.

Na primeira hora de Vénus do dia de Saturno, S. Tomás de Cantuária, S. Trófimo

sexta-feira, dezembro 28, 2012

2012 revisto

Under Water
Estamos no fim do ano e inevitavelmente damos por nós a fazer balanços. Ponderamos os objectivos que atingimos, os que ficaram pelo meio e aqueles que simplesmente abandonámos. Damos graças pelas aprendizagens e pelas oportunidades de crescimento que nos foram colocadas no caminho.

No fim dos balanços fazemos habitualmente as resoluções, traçamos novos objectivos, manifestamos os desejos e enchemo-nos de força para recomeçar. É isso que me proponho fazer hoje.

Quem me acompanha sabe que este espaço nunca teve como objectivo instruir os outros. Ele sempre funcionou como um barómetro das minhas próprias aprendizagens e experiências, a instrução ou partilha sempre foi um subproduto, que me deixa muito feliz, verdade. Por isso, a minha dúvida ao começar este balanço foi esta: «Terei deixado de aprender? Ter-me-ei desviado do meu percurso natural?»

Uma rápida olhadela no Grimoire e é fácil de compreender que este ano não foi o mais produtivo. Com uma existência de 4 anos, é natural que aos poucos a vontade de escrever sobre o que se vai fazendo comece a decrescer, já que as matérias são sempre as mesmas e o receio da repetição existe como uma dor de cabeça. No entanto, sei que mesmo falando do mesmo, os assuntos que estudo nunca são estanques e as descobertas são sempre muitas. Então, porquê esta paragem, este abandono?

Balance por Javajipe
Depois de alguma quietude, compreendi que não foi por falta de gente que me acompanhe e a motivação que me infundem ou por falta do que falar, mas simplesmente porque assim foi. Na verdade não há uma justificação, simplesmente foi acontecendo. Aos poucos a determinação de um post por dia foi perdendo o seu sentido. Aos poucos a vontade de analisar as cartas da semana foi deixando de ser necessária. Aos poucos fui deixando que a informação ficasse dentro de mim e deixando de ter a necessidade de a pôr fora. E foi tão somente isso que aconteceu. Foi tudo natural e por isso necessário.

Este ano houve uma revolução dentro de mim e tudo ficou guardado no meu caldeirão. Uma rápida consulta no ano registado e vêem-se bem os altos e baixo, os auges e fracassos, as alegrias e tristezas, pelas quais passei.

Uma selecção de textos do ano 2011.

Como num alambique foi feita a destilação e no silêncio do laboratório o nigredo cresceu, mas agora ele deu lugar à pedra verde e, em breve, assim o espero, esta transmutará em ouro.

Na segunda hora de Marte do dia de Júpiter, S. Ursano, Santos Inocentes

quarta-feira, dezembro 26, 2012

29.º Caminho

Nudas Verita de Gustav Klim
O Caminho de Koph, ou o vigésimo nono caminho, é o da Consciência Física porque descreve o crescimento de tudo o que chega a ser físico sob o sistema de todas as esferas.
in Sefer Yetzirah

Este é o segundo Caminho da Personalidade, do Eu Inferior, liga Malkuth a Netzach. Este caminho é regido pela carta A Lua, estando, por isso mesmo, associado a Peixes, à cor violeta, ao espelho mágico e a Neptuno.

Com ele é suposto que o adepto se eleve do corpo físico para a consciência da sua natureza emocional, pois Netzach é regida por Vénus. Neste caminho deveremos aprender a remover toda a ilusão e confusão que habita nas nossas águas interiores. Olhar o nosso corpo físico e ver onde estão as tensões, a acumulação de todas as contrariedades.

Na primeira hora de Marte do dia de Mercúrio, S. Estêvão

segunda-feira, dezembro 24, 2012

um ano depois

Gostava que este texto fosse escrito com outro sentimento, gostava que o balanço depois de um ano trouxesse paz e serenidade, quer ao coração, quer à mente, mas não, não me posso mentir e dizer que está tudo bem, não posso continuar a silenciar esta dor. Ela precisa de sair, exprimir-se, vazar para poder dar lugar à Luz.

Tudo foi diferente, porém, o sentimento é o mesmo, falhei, não passei esta prova, não fechei o círculo e tudo  se vai voltar a repetir. Contra a minha vontade permiti que o medo vingasse e não fiz o senti que devia fazer. O espelho é claro e rápido a mostrar a incongruência entre o que digo que devo fazer e o que faço na verdade.

A dor faz com que a dúvida se instale e o medo segue-se, impedindo que a fé, a confiança, o amor prevaleçam. Foi só isso que aconteceu, o medo sobrepôs-se a tudo o que senti. Por hoje e só por hoje perdoo a minha falha.

Na primeira hora de Lua do dia de Lua, S. Gregório, S. Delfim

domingo, dezembro 23, 2012

A Lua

O primeiro Arcano que nos irá influência nesta nova Era iniciada com o Solstício de Inverno é a Lua, arcano 18.

A Lua representa o nosso lado escuro, o negro, aquele que evitamos a todo o custo conhecer e reconhecer em nós. Porém, se queremos de facto recomeçar uma vida de forma mais consciente e verdadeira, temos de enfrentar este lado escuro que há em nós, a nossa Sombra.
Shadow by Serendipiti

A Lua poderá mostrar-nos os nossos medos, muitas vezes relacionados com aspectos da infância que se encontram profundamente enraizados na nossa forma de actuar e que nem por isso temos consciência deles. Mas para que haja uma libertação, o atingir o nosso Verdadeiro Ser, precisamos de nos libertas destes medos e aspectos tenebrosos da nossa pessoa.

Para isso precisamos de nos munir da nossa coragem e enfrentar a noite escura da Alma. Olhar o espelho à meia-noite e ver o reflexo do nosso lado lunar. Obsessões, paranóias, ameaças e receios, tudo virá durante esta semana. (Espero que não seja na noite de consoada!!!)

Este arcano também está associado ao Karma, a todos os actos que nos mantém presos à eterna roda das encarnações. Desta forma, será muito produtivo para todos se estivermos atentos às circunstâncias que se forem formando e através de uma observação imparcial conseguiremos ver o que estamos a atrair e, por conseguinte, identificar o padrão e desbloquear o karma.

Apesar de me parecer que esta semana virá a ser uma semana com muito trabalho, que só trará frutos se for feito numa entrega total de aceitação ao que surgir, parece-me também que poderá ser uma das semanas mais importantes até ao momento. Se a nossa verdadeira vontade é libertarmo-nos e seguir em frente rumo à plenitude de quem somos, temos de passar esta prova difícil, mas consegui-lo será muito gratificante.

Qualquer que seja a situação da vida a saída está em reconhecer, aceitar e iluminar os aspectos mais obscuros do inconsciente. Não adiante virar as costas à Sombra, pois mesmo que nos dirijamos para a Luz, a sombra permanecerá e, pode até aumentar, mas como a Luz nos impede de a ver, torna-se mais fácil sermos manipulados por ela. 

Embora resgatar e iluminar a sombra signifique enfrentar justamente o que mais tememos, o que nunca quisemos ver, o que negamos existir, só dessa forma nos podemos libertar e incorporar uma melhor versão de nós próprios.

Que a viagem à noite escura da Alma nos liberte. A todos uma semana muito escura, mas proveitosa!

Na primeira hora de Saturno do dia de Sol, S. Sérvulo, S. João Câncio, S. Victória, S. Dagoberto

sexta-feira, dezembro 21, 2012

Chegou o fim?

Muito se tem escrito neste último ano sobre o fim do Mundo e nestes últimos dias então, parecia uma loucura. Na verdade sempre se escreveu muito sobre o fim dos tempos, é a eterna questão escatológica do Ser Humano. Este medo que não nos deixa dormir e nos faz esquecer tudo o que aprendemos.
A book of myths and legends

Pois bem, chegou o dia e nada aconteceu. Há quem diga que algumas fraternidades que se têm dedicado à cura do planeta tenham conseguido evitar tal catástrofe. (por respeito não me rirei)

Aprendi umas coisas interessantes sobre o assunto, quando me debrucei sobre os aspectos científicos do calendário maia e, de informação em informação, fui parar a conclusões muito interessantes. Alinhamentos astrológicos, planetas chave na questão, medidas de tempo e buracos negros.

Desta forma, surge a vontade de partilhar convosco os votos para esta nova Era que efectivamente começa hoje, partilhando também o que entendo sobre este novo início, que precede o fim, não do Mundo mas de uma Era, de uma forma de estar.

O importante neste momento é sabermos «quem somos», «o que somos» e «quem queremos ser», estas deverão ser as nossas metas. Sabendo, pois claro, que para o descobrir nos precisamos de afastar de tudo o que não é verdadeiro, de tudo o que é ilusório, transitório e que nos mantém aprisionados nesta dança de encarnações.

Outro aspecto importante para esta Era parece-me ser a descoberta do que nos complementa. Depois de estarmos em sintonia connosco próprios, de sabermos a nossa Verdade, precisamos de nos completar. Há quem lhe chame «almas gémeas», mas eu prefiro chamar simplesmente a união.  Ao fazermos a união dos nossos opostos tornamo-nos inteiros, deixando de ser um Ser imperfeito para alcançar a perfeição. Sortudos serão os que conseguirem já encontrá-lo.

Com a união, não teremos mais desculpas para não cumprir a nossa Missão, a de sermos felizes e por isso nos tornarmos num contributo harmonioso para o funcionamento do Universo. Só assim, para mim, faz sentido.

E é isso, esta nova era trar-nos-á a hipótese de plenitude, felizes serão aqueles que a aproveitarem. Para hoje alinhemo-nos com a energia que se transmuta e cresçamos na direcção da nossa realização. Relembremos que sem o Outro nada somos, mas que primeiro, para sermos no Outro temos de ser em Nós.

Que a Luz nos acompanhe neste momento e em todos os que se seguirem. Que o Amor guie sempre os nossos passos. Que os Mestres nos ajudem.

A todos desejo que entrem nesta Era repletos, inteiros e que assim não for, rapidamente se reencontrem.

Amo-vos.


Na primeira hora de Júpiter do dia de Vénus, S. Tomé, S. Pedro Canísio

sexta-feira, dezembro 14, 2012

5.º princípio

Tudo flui e reflui, tudo tem os seus períodos de avanço e retrocesso, tudo ascende e descende, tudo se movimenta como um pêndulo. A medida do seu movimento para a direita é a mesma do que a do seu movimento para a esquerda, o ritmo é a compensação.
Kybalion

Na primeira hora de Lua do dia de Vénus, S. Agnelo, S. João da Cruz, S. Espiridião, S. Nicásio, S. Fortunato

terça-feira, dezembro 11, 2012

21

A perfeição final.
Vinte e um é o número inverso de doze. O doze é par e representa uma situação equilibrada que resulta da organização harmoniosa dos ciclos perpétuos, enquanto que o vinte e um é ímpar e simboliza o esforço dinâmico da individualidade, que se vai elaborando na luta dos opostos e abrange o caminho sempre novo de ciclos evolutivos.

René Allendy

Na segunda hora de Vénus do dia de Marte

domingo, dezembro 09, 2012

Realização

Para esta semana temos O Universo como energia (que bom!), o que quer dizer que o trabalho realizado na semana da Temperança foi muito produtivo.

O Universo representa a integração, a união dos opostos concluída, o casamento perfeito entre consciente e inconsciente. Nesse estado de sintonização com o Todo que somos, conseguimos trabalhar de forma mais clara, mais leve, menos exigente.

É a conclusão de uma fase da vida, é o ponto final que vem substituir a vírgula, é a gota de água que faz desabar a barragem, é a Luz que preenche o corpo vazio. Isto é o Universo, a dança perfeita e harmoniosa entre o físico e o espiritual.

Mas para que tudo isso aconteça, é preciso pôr a mão na massa, concretizar e realizar, pôr na prática. A Alma chegou a um momento em que as ideias e as palavras e as projecções do que pode vir a ser não são mais suficientes, não basta estar no ar é preciso resumir e passar a uma nova fase, a da concretização ou realização.

Esta semana, façamos a conclusão daqueles assuntos pendentes. Façamos uma lista de assuntos por resolver e, por prioridades, resolvamo-los. Não é bom para ninguém manter uma situação pendente e o Universo dá-nos a energia perfeita para o fazer com harmonia. E sim, também chegou a hora de largar aquela relação que não vai para a frente de forma nenhuma, esta é a hora de construir uma nova era na nossa História pessoal e intransmissível.

Se hoje fosse o teu último dia de vida, continuavas a insistir nesse assunto? Escolherias estar com essas pessoas? Ficarias leve e livre?

Dance Me to the End of Love (live) by Leonard Cohen on Grooveshark



Na primeira hora de Júpiter do dia de Sol, S. Leocádia, S. Valéria

quinta-feira, dezembro 06, 2012

Ouroboros


É um imenso círculo contínuo, que mantém o Cosmos integrado dentro de si. É o útero que preserva a vida. Simbolicamente representa a manifestação e a reabsorção cíclica,  a energia sexual partilhada e a autofecundação permanente. É a perpétua transformação da vida em morte e da morte em vida, a morte que sai da vida e a vida que sai da morte.




Na segunda hora de Saturno do dia de Júpiter, S. Nicolau

terça-feira, dezembro 04, 2012

Conjunção e Sublimação

She wanted a witness to her life de P-Jay Fidler
A união dos opostos leva à plenitude do Ser.
É a afirmação de um acordo harmonioso que tende a ocorrer entre o consciente e o inconsciente. 

Ao derramar nele uma seiva natural o ser abre-se sobre si mesmo. 
É um instante de relaxamento, uma maneira de recuperar o fôlego neste processo de individuação. Este momento privilegiado permanece, no entanto, frágil: o corpo repousa e o espírito liberta-se sem cair numa sonolência, mas correndo o risco de perder os ganhos.

Na segunda hora de Lua do dia de Marte, S. Barbara, S. João Damasceno

segunda-feira, dezembro 03, 2012

25.º Caminho

É o caminho da Consciência da Prova e é chamado assim porque é a tentação original com que Deus prova a todos os seus Santos.
in Sepher Yetzirah 

Este é o primeiro caminho da Árvore da Vida dos Caminhos da Individualidade ou do Eu Superior. É o caminho que liga Yesod, a Imaginação, a Tipharet, a Vontade. Podemos ver em Yesod a Mulher e em Tipharet o Homem. Desta forma, torna-se mais fácil compreender o que a citação que inicia este texto nos quer dizer. Tenham atenção, Mulheres, não queiram submeter e transformar o sexo masculino em escravo, para mais facilmente o manipular. Atenção Homens não queiram ser escravos do sexo feminino.

Este caminho fala-nos das oposições dos sexos, da importância do sexo partilhado de forma natural e não como um meio de atingir o domínio sobre o outro. É a oposição Sol-Lua.

A Temperança, a Arte, como prefiro usar, é a carta que na Árvore da Vida liga estas duas esferas. Com ela o seguinte ensinamento: devidamente equilibrada entre o intelecto e o sentimento, a alma invoca a força vital para a impulsionar para a região da consciência onde ocorre a iluminação divina.

Meditemos sobre o assunto.

Na segunda hora de Sol do dia de Lua do dia de S. Francisco de Xavier, S. Lúcio, S. Galgano

domingo, dezembro 02, 2012

A Arte

A Temperança é a carta XIV, 2 x 7, representando por isso mesmo a união de duas entidades puras, que completando-se em si mesmas atingem juntas um novo estado de perfeição. O casamento alquímico da carta Os Amantes foi realizado, integrados os dois princípios, masculino e feminino, deu-se a fusão.

Mas que significa isto?

Fundir os opostos significa estar em paz, que dentro de nós apenas habita a tranquilidade. Aceitaram-se as qualidades menos boas que havia em nós, desta forma, transmutámo-las em qualidades mais positivas. Fizemos as pazes com o passado e libertámo-lo também. Não mais representa um lugar de dor ou de conforto para onde o ego necessita de regressar e identificar-se. Já não vivemos no passado mas sim o presente.

Chegámos, dessa forma ao nosso Eu Superior, ao eterno presente, ao viver aqui e agora com os ouvidos e olhos abertos escutando a voz do silêncio. Mas que significa isto?

Em termos bem práticos, a Arte diz-nos que a nossa natureza não exige esforço, faz o pinheiro um grande esforço para dar pinhas? Não adiante forçar uma situação ou a nós próprios, o esforço nem sempre é sinal de que valha a pena (para mim, até, é sempre um sinal de que não vale). Esta semana concentremos todas as nossas energias naquilo que nos dá prazer, centremo-nos na acção que estamos a realizar no momento e não pensemos no que ela nos pode trazer ou não no futuro. Por outras palavras, vivamos o momento presente em prazer e desfrutando-o. Quanto menos pensar no objectivo que aquela acção tem mais prazer consigo tirar da acção em si.

Esta semana chamam-nos a viver na fluidez da Vida, a estar no presente e a aceitar a corrente que nos levará às experiências que necessitamos para continuar a aprendizagem e aperfeiçoamento do nosso Eu.

A todos uma excelente semana de Arte.
Present Tense by Pearl Jam on Grooveshark

Na primeira hora de Vénus do dia de Sol, S. Bebiana, S. Aurélia

sábado, dezembro 01, 2012

Quanto dura um erro?

Não é fácil quando saímos de nós próprios e temos atitudes que nada têm a ver connosco, com a nossa essência. Quando fugimos da nossa Luz, da nossa Verdade, do Verdadeiro Eu, afastamo-nos de quem somos e isso traz uma mancha de escuridão. Quanto mais nos afastamos, mais escuridão penetra em nós, levando-nos para lugares escuros. De onde por vezes não é fácil sair, mas, lembremo-nos, nada é impossível.

Esta é uma verdade, uma realidade bem simples, causa e consequência óbvia.

Todos nós já passámos por isso. Todos, sem excepção, temos momentos da vida em que nos afastámos, largámos a nossa Verdade e seguimos sem consciência. A diferença entre alguns de nós é simples - uns identificam a causa e aceitam a consequência, libertando assim a dor e ficando em paz, outros não identificam a causa e permanecem no sentimento de injustiça da consequência, perpetuando a dor e atraindo mais situações idênticas  Porque a verdade também é esta - quando a acção envolve mais do que uma pessoa, ambas foram a causa e ambas terão de aceitar as consequências. Será, então, possível apenas uma das partes seguir em frente e libertar?

Não há o justo e o culpado. As fronteiras não existem. As lições podem ser diferentes, mas a responsabilidade é sempre partilhada. Creio que por isso mesmo a parte principal seja perdoarmo-nos, ao fazê-lo estamos a aceitar que desta vez não fomos perfeitos, mas a compreender que não é uma acção que determina o nosso futuro ser.
Reparemos que há a reflexão, perdoar-nos, pois também é verdade que não poderemos perdoar o outro, apenas a nós próprios. Perdoar o outro é uma ilusão, isso é um efeito colateral da acção de nos perdoarmos.

Na segunda hora de Marte do dia de Saturno, S. Eloi, S. Ansano

terça-feira, novembro 27, 2012

Recuperar o domínio sobre mim

O Hierofante, carta que iniciou e conclui o mês de novembro, tem nos mostrado que o Mestre existe dentro de cada um, que, nesta era de Aquário, finalmente nos libertamos da ideia de que a nossa espiritualidade está dependente de um iluminado, que Deus, como fonte de Amor, não se encontra exterior a nós.
Strawberry fields forever de Felicia Simion

Porém, para conseguirmos religar-nos a essa Luz que existe dentro de nós, essa centelha de divindade que todos temos, precisamos de deixar que os outros sejam donos das nossas emoções. Não podemos continuar a permitir que as atitudes, as acções, as palavras, os gestos dos outros nos façam sentir de determinada maneira, seja positiva ou negativamente.

É preciso compreender que nós, e apenas nós, somos donos e senhores das nossas emoções. Se eu ficar triste ou feliz porque alguém me elogia ou critica, é uma opção minha, é uma escolha que faço, permitir que as palavras de alguém me provoquem esta ou aquela emoção. Contudo, também com esta clareza de espírito, eu posso e devo compreender que em qualquer altura eu me posso distanciar dessas palavras e conscientemente determinar o meu estado de espírito.

A escolha é nossa, temos esse poder sobre nós próprios. Essa é uma das armas do livre-arbítrio, decidir como me sentir em relação ao que se passa no exterior. Fora de mim pode estar o mundo em guerra, mas dentro deve sempre permanecer a paz. Fora de mim  pode haver ódio, mas em mim habita apenas amor. E isto não significa que eu estou fora do mundo, não estou alheia a ele e aos seus dramas, apenas não deixo que isso me perturbe a mim.

No estado em que a nossa sociedade está, esta lição tem de ser apreendida, interiorizada...

Na segunda hora de Marte do dia de Marte

segunda-feira, novembro 26, 2012

Cavaleiro de Copas

Hoje é urgente que nos viremos para as nossas emoções, para aquela zona que nos passados dias, semanas, meses ou anos tem sido relegada para segundo plano.
Death and Daring

Hoje é urgente olhar para onde dói e, como um animal, lamber a ferida. Não esquecendo depois de a desinfectar (algum humor para aliviar a dor).

Hoje é urgente deixar de agir mecanicamente e usar da nossa capacidade lógica para esclarecer o assunto que provocou a ferida.

Hoje é urgente olhar e cuidar do nosso coração. Escutemos o que tem para nos dizer.

domingo, novembro 25, 2012

O Espírito

O Espírito ou a Vontade representa a libertação do Eu da Matéria, por isso, está associado ao número 5, que resume o 4, as bases da matéria, com o 1, o Eu. É o número do Hierofante.
O Homem de Vitruvio de Leonardo Da Vinci
Muitas vezes representado pelo pentagrama, que no sentido dos ponteiros do relógio e começando na ponta em cima encontramos o Espírito, a Água, o Fogo, a Terra e o Ar, pretende representar o movimento evolutivo, natural, e do poder do Amor.

Leonardo da Vinci relembrou-nos a sua importância com a ilustração acima representada. Que não nos esqueçamos que se a consciência não nutrir nem libertar a Vontade, caímos nas profundezas dos conflitos da matéria, na quarternidade programada e podemos perder-nos na loucura da autodestruição.

Na segunda hora de Lua do dia de Sol, S. Catarina, S. Mercúrio, S. Anastásia, S. Garcia, S. Alberto

quarta-feira, novembro 21, 2012

3 Espadas

Simple things make all the difference!
Obrigada pelo sorriso que me encheu a alma! Depois de um dia cansativo e de alguma irritação nada melhor que uma mensagem de amor simples assim para nos pôr um sorriso na alma e aquecer o coração. 

Esta mensagem hoje fez todo o sentido, pois a energia do dia fala-nos sobre o medo da rejeição e do abandono. Quem de nós não desiste de algo apenas por ter medo de vir a sofrer depois? Quem de nós nunca teve um instante na vida assim?

Pois é, creio que todos. A mensagem hoje não podia ter sido melhor. O Amor é o que importa e ele vence sempre!

Na segunda hora de Vénus do dia de Mercúrio, Apresentação da Nossa Senhora, S. Columbano

sábado, novembro 17, 2012

Semana da Estrela - uma análise

Há muito tempo que não sentia a necessidade de registar a análise da semana com o Tarot, mas hoje, hoje, apeteceu-me mesmo. Às vezes é preciso pôr por escrito aquilo que vai dentro, talvez chegue mais tarde a fazer sentido. Na maioria das vezes, quando termino de escrever compulsivamente estas análises chego ao fim e tenho a compreensão do que afinal o Arcano Maior me ensinou. Outras, meses ou semanas depois apenas. Vamos ver como corre hoje.
Cut by Zsar Chakian
A Estrela esta semana não nos levou à acção, pediu-nos que parássemos e avaliássemos, primeiro a nossa estrutura material, o campo físico, em seguida o mental e depois o emocional. Só depois dessa avaliação poderemos então desfrutar das bênçãos que ela nos oferece, só assim teremos a Saciedade emocional desejada.

Foi com grande dificuldade que esta semana se passou, mas hoje compreendo os altos e baixos pelos quais atravessei. De facto, a semana pareceu dividida em departamentos distintos, com situações diferentes que proporcionaram emoções diferentes. Contudo, todas elas a acontecerem para me trazer aqui, hoje.

Para qualquer caminhada neste Plano Manifestado há a necessidade de uma estrutura organizada, uma base sólida material que nos sustente. O Peregrino precisa de um terreno sólido para que a caminhada seja mais leve e prazenteira. Traçar assim um percurso para se adquirir a estabilidade financeira necessária é urgente. Contudo, é preciso compreender que esse é um meio, nunca um fim em si. É fácil, principalmente quando as coisas correm bem, esquecermos que determinado objectivo material só existe para nos dar a possibilidade de um objectivo maior, o de crescermos rumo à nossa total realização. E assim se começou a semana, a relembrar o que é importante.

Mas a Princesa de Espadas, presente duas vezes, no dia de Marte e no de Vénus, lembra-nos que na nossa mente há muitos obstáculos. São as crenças, as ideias, as opiniões que vos falei aqui. Estamos tão cheios de conceitos que se torna difícil de acreditar, de largar a espada no momento certo e de a empunhar quando realmente necessário. Ela é a materializadora das ideias. Ela diz-nos que somos capazes de pôr em prática a nossa criatividade. Tendo saído nos dias em que saiu, o ensinamento só nos pode levar a reflectir sobre que batalhas e amores travamos. Urge desenvolver a capacidade de lutar e de amar no momento certo, deixando o medo e a culpa para trás.
Path of Illusions by Zsar Chankian
Na quarta este ensinamento culminou e levou a energia da semana para o campo emocional. Foi assim que a  Estrela nos mostrou que as decisões covardes, hipócritas, a paz assente em resignação só nos conduzem à dor, provocada pela culpa e pelo medo. Tormento a que por vezes cedemos, quase para sentir que no meio desta confusão social ainda estamos vivos, ainda sentimos alguma coisa intensamente. Todavia, em momento algum pode haver paz quando o desejo é recusado. Não há libertação e serenidade quando não há honestidade. As 3 espadas mostraram a dor, a dor que nos impede de seguir em frente. Só sendo honestos connosco, ouvindo e assumindo os desejos e as vontades, pois estas não podem, para mal de muitos de nós, ser controladas, só dessa forma poderemos estar em paz. Se não houver honestidade, ficaremos presos numa das elípticas da espiral. Pois o movimento deste 3 de Espadas ensina-nos que não há paz eterna, constante. Que toda a evolução se faz em curvas e que inevitavelmente voltamos ao ponto de origem. Contudo, cabe a cada um ter aprendido a lição para que quando voltar ao ponto de origem não esteja exactamente na mesma, mas mais evoluído, uma curva acima.
Desta forma, pudemos na quinta nutrir a dor. Assumi-la, enfrentá-la, encará-la no espelho e, por fim, beijá-la, acariciá-la, nutri-la. Ou pelo menos era isso que desejávamos mas não fizemos. O 4 de Copas espelhou-nos o esforço que fazemos para manter a aparência e o desgaste que isso nos traz. Tudo aqui é antinatural, é forçado, é imposto, e para quê? Para continuar na espiral da vida, presos à ilusão, encarcerados em responsabilidades que nos definham a alma? Não, não pode ser. O Amor é libertador, transformador e não existe com condições, condicionamentos. Ele tem vida própria e quanto mais limitações lhe pomos mais certo é de que estamos no caminho para o destruir.
empire State of Mind by Zsar Chankian
A confirmação desse ensinamento é dado hoje com o 10 de Copas que nos mostra que tal é a tensão emocional provocada esta semana pela Estrela que não resta outra solução senão mudar. Mudar porque chegámos ao ponto em que estamos tão cheios por dentro que a energia não cabe mais e por isso explodimos e libertamos, voltando à origem, ao 1, ao Às.

A Estrela perguntou-nos até que ponto estamos prontos para penhorar quem somos em função do que temos. Mostrou-nos durante uma semana o caminho a percorrer para chegar ao Entendimento, à Luz.

E agora, aprendemos?

Na segunda hora de Mercúrio do dia de S. Gregório Taumaturgo

terça-feira, novembro 13, 2012

Enough is enough

E pronto todos chegamos àquele momento em que tudo deixa de fazer sentido, onde parece que a dor chega ao seu ponto máximo e se torna em paz. É apenas uma mudança de vibração.

O eclipse solar com a Lua Nova em Escorpião será muito produtiva para apagar de vez, destruir mesmo, aquilo que já não faz mais sentido.

Chega de gastar energia, pensamentos, dias e horas a pensar como alterar e transmutar o que não pode nem nunca vai fazer sentido além daquele que um dia fez. Não podemos continuar a insistir navegar um barco quando cada um rema para lados diferentes e, mesmo havendo momentos de sincronia, não pretendemos chegar ao mesmo lugar.

Para mim hoje foi o fim de um momento desses. Chega! Estou cansada, esgotada de investir sozinha em algo que já começou a dar sinais de putrefacção há muito tempo. Não sou do tipo de desistir mas já aprendi que tudo o que dá demasiado trabalho e pouco resultado não merece o nosso tempo. Por isso, hoje, eu digo: «Basta!»

Amanhã, aproveitarei a energia da Lua Nova na minha casa 5 e vou ser criativa, aplicar essa minha energia onde ela é necessária, onde de facto precisam de mim e eu deles. Há momentos assim na vida, hoje foi um desses para mim.

Na terceira hora de Marte do dia de Marte, S. Eugénio, S. Estanislau, S. Diogo de Alcalá, S. Brízio

domingo, novembro 11, 2012

A Estrela no caminho da Liberdade

Depois da semana com a Justiça, onde nos foi exigido agir com rectidão, rigor e equilíbrio, chega a Estrela para nos abençoar e dar alguma paz (ou não).
A Estrela é a carta correspondente ao signo de Aquário, ela representa a libertação das ideias, o Amor à humanidade, os grandes ideais e a evolução espiritual. Será que esta semana conseguiremos isso tudo? Bom seria se assim fosse, mas mantenhamos os pés na terra e pensemos no Caminho que ainda temos de fazer.

Será que todas as acções que tomámos na semana da Justiça tiveram por base as crenças, as opiniões, as ideias e os valores que nos levam a chegar mais próximos de quem somos? Já não é a primeira, provavelmente não será a última, que falo sobre não haver certo ou errado, bem ou mal, preto ou branco. Aquilo que existe são circunstâncias, ideias, padrões comportamentais, opções e opiniões que nos levam ou afastam de quem somos na verdade. Perante isso, teremos na semana da Justiça agido de acordo com quem somos ou de acordo com quem queremos ser ou cremos que somos?

Para esta semana com a Estrela precisamos de estar atentos sobre estas condicionamentos, acima de tudo, mentais. É preciso começar a largar as máscaras e aceitar, integrar plenamente quem somos mesmo. O texto anterior de Séneca serve para reflectirmos um pouco mais sobre o assunto. Até que ponto estamos preparados para penhorar quem somos em função daquilo que queremos, mesmo sabendo que isso não nos irá levar a lugar algum.
Desejo a todos que a semana seja cheia de Luz, que a Estrela nos banhe com o seu Amor e que nos mantenha no Caminho do Rigor. Que dentro de nós despertem os cristais adormecidos e nos relembremos que cá dentro há uma centelha divina à espera de se revelar. Lembremos que os planetas que regem esta carta são Úrano e Saturno. Se um nos grita pela liberdade e pela destruição de estruturas obsoletas, o outro exige-nos princípios éticos e sólidos para nos governarmos. É nesta constante dança de reestruturação que conseguiremos chegar à verdade, à nossa verdade.

Na primeira hora de Saturno do dia de Sol, S. Martinho, S. Meno, S. Veranio

Chegou a Estrela

Quantos São os que Sabem Ser Donos de Si Próprios? 
Apenas julgamos comprar aquilo que nos custa dinheiro, enquanto consideramos gratuito o que pagamos com a nossa própria pessoa. Coisas que não quereríamos comprar se em troca devêssemos dar a nossa casa, ou uma quinta de recreio, ou de rendimento, estamos inteiramente dispostos a obtê-las a troco de ansiedades e de perigos, para tal sacrificando a honra, a liberdade, o tempo. A tal ponto é verdade que a nada damos menos valor do que a nós próprios! Façamos, portanto, em todas as nossas decisões e actos, o mesmo que fazemos ao abordar qualquer vendedor: perguntemos o preço da mercadoria que desejamos.
Frequentemente pagamos ao mais alto preço algo por que nada deveríamos dar. Posso indicar-te muitos bens cuja aquisição, mesmo por oferta, nos custa a liberdade: seríamos donos de nós próprios se não fôssemos possuidores de tais bens. 
Deves meditar no que te digo, quer se trate de lucros quer de despesas. «Este objecto vai estragar-se». Ora, é uma coisa exterior; tão facilmente passarás sem ela como passaste antes de a ter. Se tiveste esse objecto bastante tempo, perde-lo depois de saciado; se pouco tempo, perde-lo antes de te habituares a ele. «Ganharás menos dinheiro». E menos preocupações, também. «Será menor o teu crédito». Igualmente será menor a inveja. Atenta em todos esses pretensos bens que nos dão a volta ao juízo e cuja perda nos ocasiona imensas lágrimas: verás que não somos afectados por nenhum prejuízo autêntico, mas apenas pela ideia de um prejuízo. É uma perda que não sentimos, apenas imaginamos. Quem é dono de si próprio não pode perder nada. Mas quantos são os que sabem ser donos de si próprios!?

Séneca, in Cartas a Lucílio

Na primeira hora de Lua do dia de Sol, S. Martinho, S. Meno, S. Veranio

quarta-feira, outubro 31, 2012

Para ti


Hoje todo o meu Amor, Luz, e Beleza!
Hoje nesta noite mágica e de grande intensidade abro a minha caixa e envio-te toda a minha Luz.
Para ti.
Um abraço.

Na primeira hora de Lua do dia de Mercúrio, S. Quintino

domingo, outubro 28, 2012

«Hier-phaine» Revelar

Esta semana temos o Hierofante, o Mestre Interior que vem despertar a nossa consciência.
Felicia Simion

Não poderia ser uma energia diferente, de facto, pois se analisarmos bem Vénus entra esta semana em Balança, temos a Lua Cheia em Touro e ainda o dia mágico de 31, tudo se junta no Hierofante.

Este é um momento mágico para reencontrarmos a Divindade Interna, reactivar a centelha mágica e quebrar os feitiços da programação. Este arcano, antigamente conhecido pelo Papa, é o revelador, o criador de pontes, aquele que nos religa ao Divino e para acede-lo basta que aceitemos a matéria de que somos feitos. Não dá para continuar a buscar as respostas fora de nós, em mestres, magos, bruxos ou bruxas. As respostas só nós as temos, para as encontrar é necessário ficar em paz, aquietar a mente e o coração e permitir que a Luz brilhe de dentro para fora.

Urge que cada um de nós encontre o significado da sua vida. Que cada um saiba e aceite as suas escolhas. Aceitar as suas escolhas é conseguir estar em paz com elas, mesmo se no presente se compreende que não foram as melhores. No entanto, só através dessa paz conseguimos compreender porque escolhemos daquela forma e onde essa escolha nos trouxe. Ao fazê-lo, a Verdade surge, aquela verdade que estava mesmo ali debaixo daquele pensamento recriminador, repressor, que nos impedia de ter paz e ver o que se passava.

Inspiremos muitas vezes ao longo desta semana, para que a Luz aumente e nada nos retire do nosso centro. Relembremos constantemente que só nós, só nós, temos as respostas, os outros podem apenas indicar algumas portas ou janelas, mas só nós as podemos abrir e passar.

A todos uma excelente semana de iniciações e revelações.

Na segunda hora de Saturno do dia de Sol, S. Simão, S. Judas, S. Alfredo, S. Faro

terça-feira, outubro 23, 2012

O Mago e as 3 Espadas

Esta semana temos como energia orientadora O Mago e hoje o 3 de Espadas.

Bom, depois de duas semanas seguidas com a Morte, onde fomos confrontados com as prisões e associações difíceis que o Ego faz a determinadas circunstâncias e/ou coisas reais, parece que nos conseguimos libertar e resgatar a Luz que nos orienta.

Com o Mago temos direito  ao início de tudo, voltamos ao ponto de partida onde nos são dadas as armas necessárias para o Combate e para o Caminho. São os 4 elementos no seu estado mais puro e cabe, agora, ao Mago decidir o que fazer com ele.

Hoje, a energia do dia leva-nos a mergulhar nas nossas dores. O que dói? Por que dói?

the pain inside by ~vladiks
Com o Mago podemos aceder a essa dor e compreender que esquema emocional ou mental existe por trás dela, desmistificando assim a sua essência e eliminado a identificação. A dor é apenas um resultado de uma identificação com algo, um objectivo, uma pessoa, uma ideia. Quando compreendemos que temos a escolha de não sofrer, de não nos identificarmos com isso que não habita em nós, libertamos a ligação energética e por conseguinte a dor.

Urge que compreendamos que nada do que perdemos significa que nos perdemos a nós. Tudo o que desaparece da nossa vida não existe em nós, não somos nós. Nós permanecemos sempre, para sempre. Mudamos, transformamo-nos, mas a nossa essência é sempre igual, a nossa centelha já lá estava e estará mesmo quando tudo o resto perecer.

Além disso, se pensarmos bem, nada desaparece da nossa vida, pois tudo nos toca e deixa impressões dentro da nossa memória. Dessa forma, tudo se torna eterno em nós, vivendo para sempre como uma parte dentro de nós, mas não uma parte nossa.

As 3 espadas estão erguidas, cabe a cada um determinar como as usar, se para dentro, se para fora. Elevemos a Taça de Água Sagrada ao Fogo Sagrado e compreendamos esta lição, a dor é uma identificação do Ego e nós não somos só Ego, somos mais, muito mais.

Na primeira hora de Mercúrio do dia de Marte, S. Romano, S. Capistrano

terça-feira, outubro 16, 2012

Chega de grilhões

Alguma vez se sentiram completamente aprisionados? Enclausurados? A querer escapar e não conseguir descobrir qual a chave que abre a porta para o outro lado?

A sensação mais próxima que consigo descrever ou imaginar aproxima-se daquela que os contorcionista devem sentir quando estão fechados nas caixas dos actos mágicos à espera que o Mago os liberte. Deve ser isso, pois em comum há o facto de se saber, de dentro, que vai haver libertação, mas que esta tarda e nada podemos fazer em relação a ela senão esperar que aconteça.

Há demasiado tempo que me sinto assim. Há demasiado tempo que sinto que a minha Luz está presa dentro da lanterna do Eremita. Começa a ser insuportável de a manter assim, confinada a uma câmara minúscula, mínima, finita. 

Tento a dança da Morte. Recebê-la de alma aberta, receptiva, como fazemos com o Amante ao final do dia. Tento tudo o que consigo, mas a única coisa que recebo é «Aguarda, espera, sê paciente» e há demasiado tempo que oiço estas palavras. Porque há-de a minha Luz esperar ainda mais?

A guerreira que há em mim percebe que antes de qualquer batalha há o momento de preparação, que qualquer ataque tem de ter um bom plano, e que para tudo isso é preciso paciência. Só por isso, não viro a mesa e empunho a espada num ataque espontâneo, num resgate da minha alma. Só por isso me mantenho assim, esperando, observando, concluindo para depois poder então agir em conformidade com o que a Roda da Vida me traz. 

Não obstante, esta não é a minha natureza, estou neste momento conscientemente a contrariar-me a agir fora dos meus comportamentos habituais, acreditando que daí possa renascer algo mais belo, transformado, transmutado. E a Luz, talvez, quando finalmente for liberta seja ainda mais bela.

Enquanto acontece e não acontece vou descobrindo mais sobre mim, sobre o que dentro de mim habita, libertando as minhas emoções dos grilhões da racionalidade. Talvez seja esta a morte que precisa de acontecer ainda esta semana. Talvez.

domingo, outubro 14, 2012

A dança da Morte

Parece que uma semana com a Morte não foi suficiente para libertar, transmutar o que é necessário.

Temos assim mais uma semana para aproveitar e dançar ao som da Morte, numa dança libertadora de tensões, numa expulsão de emoções, comportamentos e esquemas mentais caducos, culminando numa catarse redentora.

Caminhemos um pouco mais em direcção à nossa essência. Aproveitemos a energia outonal e deixemos cair por terra aquilo que já não faz sentido. Que os padrões comportamentais apodreçam na humidade da terra e aí, depois da putrefacção, possa então renascer em algo mais belo. Libertemo-nos das formas.

Que a Morte nos acompanhe e que a dança seja suave e leve como uma brisa matinal.

Na segunda hora de Júpiter do dia de Sol, S. Calisto, S. Gaudêncio, S. Donaciano

sábado, outubro 13, 2012

O Pajem de Bastões e uma meditação dinâmica

Para libertar as tensões sem ter de explodir com situações exteriores, aconselho a realizarem a meditação dinâmica de Osho, uma meditação muito activa que neste último dia da Morte nos poderá ajudar a libertar.

Para hoje temos o Pajem de Bastões, que nos pede isso mesmo, libertação de sentimentos. Para mim, esta meditação faz sentido, uma vez que  para exprimir emoções é preciso agir, fazer e, neste caso em particular, é preciso expulsá-las do nosso corpo físico também. Vejo aqui uma quase dança da Morte. Seja a forma como decidirem exprimir as vossas emoções, principalmente as negativas, tenham consciência que o dia hoje está tenso, cheio de fogo!!! 


Para quem tiver dificuldades com a língua, pode aceder aqui ao português. Boas expulsões!

Na primeira hora de Marte do dia de Saturno, S. Eduardo, S. Daniel, S. Colomano

sexta-feira, outubro 12, 2012

10 bastões - Libertação

Porque será que insistimos com situações que só nos trazem opressão? Que valores/ideais nos foram transmitidos pela família, sociedade, vida, que nos forçam a sacrificar o nosso entusiasmo, a nossa alegria só para cumprirmos responsabilidades?
Iolanda Astor

O 10 de bastões hoje diz-nos claramente que está na hora de abandonar actividades, situações, relações, que ofuscam a nossa luz. Chega de inventar tarefas, compromissos que nos afastam de nós próprios, de assumirmos o papel activo da cocriação da nossa vida, da nossa felicidade, da nossa realização.

Hoje, larguemos de uma vez o que nos faz sofrer. O que oprime a nossa realização. Vamos assumir a nossa responsabilidade nessa infelicidade e avançar.

Na primeira hora de Lua do dia de Vénus, Nossa Senhora Aparecida, S. Serafim, S. Cipriano

segunda-feira, outubro 08, 2012

Rainha de Espadas

Hoje a energia está em sintonia com a carta da semana, a Morte.

A Rainha de Espadas pede-nos que cortemos com os padrões antigos, que eliminemos drasticamente as velhas normas, os padrões machistas da sociedade. Está cada vez mais presente a necessidade que esta sociedade actual tem de dar hipótese ao matriarcado.

Tudo, nos últimos tempos, me tem levado para este novo caminho, para a urgência da importância da mulher representar um papel mais activo na sociedade. Não quero com isto dizer que o homem deve ser relegado para segundo plano, de todo. É preciso não esquecer as lições do passado e tudo nos mostra que é no equilíbrio do masculino com o feminino que conseguimos a evolução perfeita, harmoniosa. Mas agora, neste momento, a mulher precisa de se impor, erguer e determinar.

Esta semana que passou descobri que os meus antepassados, nas suas ligações matrimoniais, passaram o nome da família erradamente, ou supostamente de forma errada de acordo com as normas da sociedade. E isto tem tudo a ver com a Rainha de Espadas que, no tarot de Crowley, é representada por uma mulher madura com a cabeça de um homem barbudo na mão esquerda. É o fim das ideologias religiosas, políticas, sociais instaladas há anos e que não fazem mais sentido.

É momento de questionar a nossa maneira de pensar sobre a realidade, momento de mudar de perspectiva e ver o mundo através de outros olhos, resgatando a nossa espontaneidade. Revoltarmo-nos em todo o lugar onde prevaleçam ideais machistas, trogloditas, caducos e, principalmente, dogmáticos. É tempo de mudar.

Como sempre, o caminho começa em nós. Mudemos a nossa forma de pensar e, por conseguinte, mudaremos a nossa forma de actuar.

Na segunda hora de Júpiter do dia Lua e de São Pelágio, S. Demétrio de Salónica, S. Sira e S. Tais

domingo, outubro 07, 2012

A Torre e o Pajem de Espadas

A semana que terminou esteve a ser influenciada pela energia da Torre. Espero que o raio divino não tenha sido muito severo, por estas bandas as coisas correram de forma fluída e não houve grandes catástrofes.

Contudo, o registo de hoje serve para reflectir sobre um insólito desta semana. Nunca tal me havia acontecido, durante 4 dias consecutivos a energia do dia foi o Pajem de Espadas. Quando na 4.ª feira saiu, meditei e avancei. Na 5.ª a mesma coisa, mas até aí nada de estranho, é comum acontecer sair dois dias seguidos a mesma carta. Na 6.ª outra vez e aí registei o insólito, mas foi só mesmo quando no sábado me voltou a sair o Pajem de Espadas que parei e pensei: «Isto não é normal!»

Ora pois então vamos lá ver o que nos diz este Pajem na semana da Torre.
Go your own road by ~alltelleringet

O naipe de Espadas está relacionado com o Ar, portanto a nossa expressão. Sendo o Pajem a primeira figura da corte representa o aspecto mais denso, a Terra. Desta forma o Pajem de Espadas relaciona-se com projectos concretos, ideias relacionadas com a subsistência e a forma como lhe estamos a dar ou não atenção, construindo bases sólidas.

Mas o que nos terá querido ele dizer nesta semana com a Torre? Estaremos a materializar os nossos projectos da forma mais correcta? Ou terão precisamente os nossos planos esta semana relacionados com isso ido por água abaixo? Conseguimos abrir caminho para os realizar apesar das dificuldades impostas pela Torre?

Para se realizar seja o que for é necessário haver emoção, é ela que nos leva a agir, que nos impulsiona à acção. Mas a este pajem de Espadas falta-lhe esses elementos, a água e o fogo, para que consiga ser criativo. Seremos apenas formiguinhas trabalhadoras, cumpridoras de ordens e cheias de medo de perder o que temos? Ou estaremos dispostos a mudar e avançar para a plena expressão criativa do nosso Ser? Que papel queremos desempenhar na história da nossa Vida?

Este Pajem fez das suas, sem dúvida, mostrou-nos aspectos do nosso ser que precisam urgentemente de ser transmutados. Revelou-nos as armas que temos de erguer para resgatar o nosso verdadeiro projecto de Vida. Espero que para vós tenha sido também assim, que a Torre vos tenha mostrado o que não faz sentido, eliminando os obstáculos desnecessários, limpando o Templo Interior e preparando para a grande Morte que aí vem. Recebamo-la de braços abertos e façamos uma dança de limpeza, de transmutação.

A todos uma boa semana.

Na primeira hora de Lua do dia de Sol, Nossa Senhora do Rosário, São Baco

terça-feira, setembro 25, 2012

Vai um mergulho?

Para o início do Outono temos como energia do Tarot o Eremita. E pergunto, que melhor energia do que esta para começar a estação do ano que nos leva às profundezas do nosso ser?

A marcha do Sol começada na noite mágica de São João atinge no equinócio de Outono o seu ponto crítico, pois se até agora ainda tínhamos alguns raios fortes, réstia apenas da sua força, a partir de agora os raios não serão suficientes para nos aquecer e as noites serão cada vez mais longas, forçando-nos, com naturalidade, a mergulhar no escuro.

O Eremita oferece-nos precisamente isso - um mergulho dentro de nós - uma verdadeira introspecção. Só mergulhando no nosso inconsciente com a luz da consciência poderemos desvendar os nossos propósitos. Esta semana será uma semana para nos centrarmos, porém, sem deixar de viver o mundo exterior, pois tal não é possível.

Aconselho a que durante esta semana vivamos o mundo através do nosso centro, que saiamos à rua e, mergulhados no nosso interior, observemos o que se passa. Ao fazê-lo, inevitavelmente ir-nos-emos aperceber do que nos retira de nós, do que nos provoca emoções e da forma como agimos no mundo.

Espera-se uma semana muito proveitosa, centrada como estamos todos necessitados. Aproveitemos também para retomar as nossas práticas meditativas e a redescobrir a beleza que é estar em solidão.

sábado, setembro 22, 2012

«Adeus Sol Invictus»

Acordo cedo para me despedir do Sol de Verão. Na rua corre um vento frio, porém fresco e refrescante. Um carro que passa com música bem alta. "Está a chegar da noite" formula-se automaticamente a frase. Mas hoje não me vou distrair. Tenho uma missão.

O meu olhar corre para a pequena zona verde.
Oiço já alguns pássaros que despertam, talvez pelo frio que esta última madrugada de verão traz. Cerro os olhos e sinto. A humidade penetra-me e penso de mim para mim que devia ter trazido um casaco mais quente.

Sento-me na relva molhada pelo orvalho. Minhas mãos firmam-se no terreno e respiro fundo. "Cheguei", penso, ao sentir que, apesar da água fria, há uma réstia de calor ali dentro à minha espera.

Não sei quanto tempo passa entre esta sensação de acolhimento e o meu despertar, novamente pelo piar dos pássaros. Oiço-os atentamente e sinto o meu coração aquietar-se. Sintoniza-se com o ritmo do seu canto. Fico a ouvir. A ouvir a Natureza que acorda e se manifesta.

Coloco a folha de videira, a folha de hera e o trigo sobre a terra. Elevo o trigo até ao meu coração:

«Energia Primordial, Pai/Mãe do Universo, tu que és e estás em tudo,  desperta em mim o amor e a alegria de sentir e viver as minhas emoções.»

Respiro fundo e sinto o verde ainda forte da Natureza a preencher o meu coração. O meu corpo emocional. A energia é forte. 

«Desperta em mim a consciência e o poder de sentir a Energia e cumprir a minha missão nesta vida.»

O sol está vermelho, pujante. Os pássaros voltam a cantar. As nuvens brancas acolhem o meu corpo e levam-me a viajar.

«Luz da Pureza, Porta dos Planos, Santo Graal, onde se encontram a Grande Mãe e o Grande Pai no eterno casamento dos opostos e ligação dos planos, concede-nos a Sabedoria necessária para percorrer o Bom Caminho e ajudar quem de mim necessitar, para lhe restabelecer o equilíbrio do corpo e despertar a consciência do Espírito.»

Meus olhos enchem-se de lágrimas e sinto que, assim como a Natureza se vai libertar para poder novamente nascer, a partir de hoje tudo vai morrer para renascer o essencial que me levará cada vez mais neste Caminho do Meio, do reencontro da Casa do Pai. Meu coração abre-se, minha mente desperta e a minha Luz regressa.

sexta-feira, setembro 21, 2012

Lua em Sagitário e o 9 de Bastões

Apenas sei que não sei viver sem esta parte tão grande que me preenche o Corpo, a Alma, o Espírito.

Não sei acordar e não ter um propósito. Não ver esses olhos ávidos do que tenho para dar. Não sei não partilhar o que tenho e que sei dar tão bem.

Não sei fingir que posso fazer outra coisa que não estar ali, à tua frente de mão estendida, pronta para te receber quando a dor é forte e afagar as costas num reconforto improvável, rir-me contigo nas gargalhadas espontâneas que invadem o espaço. Ser a tua pedra firme, inabalável.

Não sei ser outra coisa a não ser assim.

Ainda não estou pronta para desistir.

segunda-feira, setembro 17, 2012

3 bastões e o passo rumo ao Eu

Nem sempre é fácil entregarmo-nos à Roda da Vida ou à Torre com o coração confiante de que o Uno sabe o que faz, que tudo irá ser colocado onde deve estar. Nem sempre é fácil esse passo de fé que nos é pedido.

A minha alma sabe que precisa daquilo que neste momento não lhe está a ser dado, mas o Espírito diz-me para ter calma e confiar. O meu corpo, por sua vez, colapsa e perde a confiança. Entrega-se à dor que este vazio provoca. Lágrimas, ansiedade, desespero, tristeza...

É aqui, nestes momentos de maior dificuldade, que o Louco faz mais sentido, permitindo um reboot completo, exigindo o religar com o Plano divino através da confiança. Hoje darei espaço ao vazio para que no silêncio surja a calma e com ela uma visão sobre que passo dar neste futuro incerto, instável, improvável.

É provavelmente chegado o momento de encontrar outra forma de realização pessoal, algo que me faça sentir tão feliz como antes, algo onde possa da mesma forma expressar todo o meu Amor, Paixão e Dedicação, algo onde eu possa ser eu.

domingo, setembro 16, 2012

O Vazio dá lugar ao Novo

É tão curioso que depois do dia de ontem, onde parece ter havido um mega fim na atitude passiva dos portugueses, saia para esta semana o Louco.

O Louco é o zero, o conjunto vazio, o vazio de onde tudo provém e onde tudo retorna. É (-1) + (+1).

É um restart geral e em particular na nossa vida. Como? Relembrando a alegria, a espontaneidade, o prazer, a totalidade, a percepção e a imprevisibilidade que tão genuinamente mantínhamos quando éramos crianças, pois o Louco é essa inocência, esse estado puro característico da infância.

Vamos abrir uma nova etapa da nossa vida, vamos abrir as portas para os nossos desejos, não permitindo ao mental o seu controlo, pois quanto mais o fazemos, mais obsessivos nos tornamos, descontrolados, já que é impossível deixar de se desejar o que se deseja. Deixemos a seriedade e relembremos que tudo é efémero, sorríamos mesmo quando não temos motivo, contemos uma piada para alegrar o ambiente, provoquemos a mudança de dentro para fora. Sejamos o Louco que todos temos dentro.

Esta semana aconselho brincar (também vale aos papás e às mamas, se não tiverem crianças por perto), usemos a nossa espontaneidade para exprimir os nossos desejos, deixemos de lado as convenções e imposições sociais, afinal está tudo a rebentar. Resgatem a vossa criança interior pelo bem próprio e da humanidade.

Façam o favor de esta semana voltarem a ser felizes!

terça-feira, setembro 04, 2012

2 Espadas

Hoje a Imperatriz chama a nossa atenção para as concessões que fazemos em prol do bem-estar dos outros, ou de todos.
La petite Monique, Robert Doisneau
Quantas vezes ao dia renunciamos os nossos desejos para manter a harmonia ou a diplomacia dos lugares onde passamos? Se isso nos deixar em paz, se essa concessão for feita por ter em base também uma necessidade de estarmos tranquilo, não há qualquer problema.

O problema levantado por esta carta hoje é quando ficam coisas por dizer, quando sabemos que devíamos ter feito desta forma e não fizemos. Basicamente o problema é quando para não irritar o outro ficamos nós irritados, para não magoar o outro magoamo-nos a nós próprios. O problema é quando criamos uma paz, uma tranquilidade às custas de muita auto-renúncia e isso, isso mais cedo ou mais tarde revela-se.

Para hoje avaliemos as concessões que fazemos, ponderem se valem a pena ou não. Sejam corajosos e atrevam-se a dar o murro na mesa.

segunda-feira, setembro 03, 2012

A Imperatriz no início de setembro

Para esta semana regressamos à Imperatriz, que esteve connosco no final de Julho, podem ver aqui. Como primeira carta, aquela que dita a direcção da acção desta energia saiu o Cavaleiro de Copas.

Assim sendo, esta semana a Imperatriz leva-nos para a cura das nossas emoções. Haverá algo que nos marcou profundamente e nos impede agora de conseguir olhar para dentro e aceitar o que sentimos? Haverá algum tipo de bloqueio no nosso coração? Em caso afirmativo, Ela oferece-nos a nutrição necessária, o cuidado de uma Mãe, o seu colo e o o bem que só ele consegue fazer.

É neste sentido que a Imperatriz nos conduz esta primeira semana de Setembro. Incentiva-nos a olhar para o nosso coração e a identificar os mecanismos pelos quais nos governamos. A olhar para a dor, se ela existir, compreendê-la, digeri-la, esclarecê-la e, por fim, resolvê-la.

Aproveitemos a energia deste arcano e expressemo-nos, principalmente com o corpo ;)

quinta-feira, agosto 30, 2012

6 Espadas e a espontaneidade

Quantas vezes usamos o potencial da nossa mente não para conseguir o que o Eu deseja mas para precisamente nos afastar do desejado?

Hoje saiu o 6 de Espadas, em abril também tinha saído e fiz um post a propósito disso. Mas hoje esta energia é acompanhada pela Lua, esse símbolo que nos faz questionar sobre quem somos e o que desejamos. Sobre o que habita nas nossas águas mais profundas e, por fim, nos faz compreender que somos mais do que apenas instinto, somos percepção.
Mas e o que fazemos quando passamos uma vida inteira a treinar a nossa percepção com um mental completamente científico, civilizado, dentro de regras, normas, padrões? Quando o treinamos para ver o que conhecemos e ofuscar o que desconhecemos. Ou para reconhecer a novidade dentro dos padrões antigos? Haverá nestes casos alguma hipótese de deslumbramento, de descoberta? De evolução?

O 6 de Espadas, hoje, pede-nos que, só por hoje, equilibremos a nossa percepção, mantendo a mente aberta para o que vier. Olhemos o mundo como se fosse a primeira vez. Esqueçamos tudo o que sabemos e redescubramos a alegria de aprender algo. Mas se quisermos ir mais longe nesta carta, podemos hoje aproveitar para desconectar a nossa percepção do mental e sintonizá-la com o espírito de forma a que a partir daqui ela sirva o seu propósito, estar alinhada com o nosso Eu verdadeiro e ajudar-nos a rumar no nosso caminho sagrado.

Tornemo-nos espontâneos, abertos ao Mundo, larguemos o pedestal catedrático, o papel do equilibrado, conhecedor de muitos assuntos, mas sempre com opiniões muito pouco pessoais. Arrisquemos a ser que somos! Ou a conhecer quem somos, mas para isso, não pode haver esse controlo mental.

A todos um muito bom dia desmentalizado!!!!

terça-feira, agosto 28, 2012

2 Discos na semana da Lua

«Que força de vontade precisamos para fazer algo que nos entusiasma?»
Dou por concluídas as férias esta semana e que bela forma de o fazer senão com a energia da Lua!

A Lua oferece-nos o fortalecimento da nossa verdadeira identidade, ajudando-nos a eliminar o que provem dos outros e descobrindo os nossos verdadeiros desejos. Passamos a compreender o que é ilusão e discernir o real de melhor forma. É de facto uma muito boa energia para concluir as férias e retomar o trabalho.

Dentro desta linha de raciocínio, hoje com a carta do dia, 2 Discos, ou como Crowley lhe chama «A Mudança», dei por mim a pensar na questão que inicia este post: «Que força de vontade precisamos para fazer algo que nos entusiasma?»

Será que precisamos assim tanto de fazer acontecer ou basta crer e confiar? Será que quanto mais temos de lutar para concretizar algo, mais significa que não é isso que devemos fazer?

Nesta carta, a mudança não é algo que se force, que aconteça bruscamente, ela é suave e tranquila, mostrando-nos que quanto mais pressão existe para alcançar algo, mais significa que não o devemos fazer, não é o momento certo. Talvez existam mudanças dolorosas como na experiência da Torre, mas o 2 de Discos é uma mudança suave, natural, quase imperceptível para quem não estiver atento. Ela firma dentro de nós a convicção de que o que tiver de ser será, que enquanto houver tensão, há apego ao desejo e se assim for, não é uma boa opção.

Aproveitemos esta energia para cultivar esse fortalecimento da nossa identidade real que a Lua esta semana oferece. Ah! E esta semana temos a Lua Cheia em Peixes!!!

sexta-feira, agosto 03, 2012

3 Copas e a Colheita

Confirmação do que temos andado a fazer. A carta do dia tem a ver com colher o que andámos a plantar conscientemente ou não. Em sintonia com o ritual realizado esta semana.

O 3 de Copas fala-nos de assumirmos o nosso potencial, a nossa capacidade de frutificar e prosperar. Despertando a criatividade como andámos a fazer nesta semana da Imperatriz, agora é colher e desfrutar da abundância. Contudo, é preciso alertar para a consciência do plantar, do semear.
Estamos sempre a fazê-lo, a lançar sementes no nosso solo. Algumas frutificam outras nem por isso. Perguntamo-nos: por que não frutificam as que nós queremos? Ao que respondem os sábios: será que é possível crescer alguma coisa quando o solo é fertilizado por medo e ansiedade? Respondo-lhe eu: sabem que é falta de educação responder a uma pergunta com uma pergunta? (sim, continuo louca, mas novamente uma louca saudável!)

Hoje foi um dia para relaxar, desfrutar do que a vida de melhor tem, agradecer tudo o que temos (sim, mesmo aquelas situações que nos desgastam, TUDO) nutrir as relações, estar com os filhos (ou pensar neles).

Em última análise, hoje foi um bom dia para ver a abundância que existe dentro de nós, dando valor a quem somos, ao que fazemos e naturalmente abrindo as portas para que tudo se multiplique. Lembrem-se a única coisa que se multiplica quando é dividida é o Amor (e tudo o que ele traz)!!!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...