domingo, junho 13, 2010

A providência, o destino, o fatus...será que está tudo escrito?

A Sacerdotisa não sabia o que responder...Ela acreditava que tudo estava certo a toda a hora, que qualquer errado representa também um correcto...mas desta vez...a dúvida habitava a sua alma.
Alegria havia chegado até ela em sonhos. Seguindo o curso natural da história ela foi um dia a uma fonte onde deveria oferecer água a um Cavaleiro, tal como vira no seu sonho. Fora nesse instante que os seus caminhos actuais se cruzaram, mas só mais tarde compreendeu Alegria que deveria procurá-la. E ela esperou sempre pacientemente.
Estiveram juntos todo este tempo, viveram em harmonia e as aprendizagens foram muitas, mas como sempre...chegara a hora da despedida. Será que também ela deveria seguir e abandonar esta comunidade que conhecera toda a vida? Se assim for porque não recebeu um sonho, um aviso, uma premonição? Eram estas as dúvidas que assolavam a sua mente e coração. 
«Úrano entrou nos reinos de Carneiro e isso, de facto, convida às mudanças, às limpezas. Sempre pude contar com ele para realizar a harmonia dos corpos e restabelecer as ligações necessárias, eliminado o fútil...mas e agora…Será um bom momento para avançar?» 
Consultando as suas cartas, para uma orientação, a Sacerdotisa deu por si a constatar que um fim estava próximo, mas isso tanto podia representar a partida de Alegria só, um fim nesta etapa partilhada, ou ela seguir com ele, um fim na sua história com a comunidade. Intrigada, decide usar o método que sempre usa quando em dúvida. 
Fechou o círculo mágico, sentou-se no centro, depois de convidar os guardiães das portas, e meditou. Como um flash, uma cena invadiu a sua percepção: o seu coração em tamanho gigante, apertadinho numa sala minúscula. Aproximou-se e tocou-lhe, eis senão quando este se abre e de lá dentro sai a imagem de Alegria e atrás dele uma criança, um rapaz parecido com ele. 
A Sacerdotisa compreendeu imediatamente que esta era a sua família e que este era o desejo do seu coração. 
Virou-se para trás, pois ouvira um som, e viu a sua comunidade em festa. Estavam felizes e a comemorar algo. Aproximou-se e entendeu que era a sua festa de despedida. A Anciã aproximou-se e beijou-lhe o ventre, balbuciando umas palavras que ela não descodificou. Atrás desta veio outra mulher que executou o mesmo ritual e outra e outra e outra ainda. 
A Sacerdotisa sentia-se em estado de graça, até que ... ouviu dentro de si um alerta: 
Cuidado, em todo o caminho há circunstâncias dolorosas, traumáticas. Uma mulher trar-te-á grande desgraça! Cuidado!» 
Despertou do seu transe ainda com aquelas palavras a ecoarem na sua alma. Não deveria ser muito grave, afinal, todos os caminhos têm as suas dificuldades e todos, num momento ou noutro, representamos um desafio para alguém. Mais confiante decide dar as novas, não só a Alegria, mas a toda a comunidade. 
E tal como na sua visão, a sua família realizou uma festa para celebrar a nova vida de Isis, a antiga Sacerdotisa da comunidade do Vale, agora Mãe e Esposa de Alegria, o Caminhante. 
Todavia, no meio da fila de mulheres a abençoarem a nova vida dentro e fora de Isis, havia uma que ela não vira antes. 
Quando os seus olhares se cruzaram, Isis compreendeu que era o aviso a tornar-se realidade. 
«Todos te felicitam pela nova vida que escolhes concretizar, mas eu NÃO. És egoísta ao abandonares toda a família que sempre te apoiou, deixando-nos sem uma Sacerdotisa que te substitua. Não te posso desejar nada de bom, pois dentro de mim apenas cresce ressentimento e ódio por ti! Parte mas não partas em paz!» 
Isis não queria acreditar no que ouvira. Aquelas palavras vindas de alguém que professa a mesma disciplina que ela, como era possível. Cobrar assim a presença de alguém que não deseja mais estar connosco. Porém, numa coisa ela estava certa, era preciso nomear a nova Sacerdotisa...como se poderia ter esquecido! 
Sem mais delongas e sem se incomodar com aquelas palavras, Isis foi para os seus aposentos e convocou assembleia para nomeação da Sacerdotisa. Essa escolha iria retê-la por mais tempo, o ritual deveria ser realizado na lua crescente. 

Et voilá...foi esta a decisão da Sacerdotisa que ao que tudo indica se quis colocar como personagem principal desta aventura. Vamos ver que aprendizagens nos fará chegar.

Foi uma semana de decisões, arrumámos assuntos pendentes (resolvendo ou não), recebemos avisos do Cosmos para nos dar um empurrãozinho e, no fim, tivemos de lidar com assuntos triviais, mundanos quando na verdade nos apetecia era andar a festejar...

Foi assim a vossa semana ou isto é apenas um resumo da minha :)

Dia de Sol e de S. António
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...