terça-feira, fevereiro 25, 2014

Mãe


Na primeira hora de Marte de um dia de Marte e de S. Matias

23.º Caminho

O 23.º Caminho é chamado Consciência Sustentadora. Chama-se assim porque é o poder sustentador de todas as Sephiras
in Sefer Yetzirah

É o caminho que vai de Geburah a Hod. Pertence à coluna da esquerda, aquela que permite construções estáveis e que tornou possível a vida material.
O trabalho neste caminho consiste em unificar a acção da inteligência e os esforços físicos. No nível humano este caminho leva-nos a compreender que os nossos impulsos, as nossas acções, os nossos esforços devem ser sempre racionais. Porque se desejamos e nos esforçamos no que não é racionalmente plausível, não só encalhamos os nossos projectos como também o nosso edifício humano perderá a consistência e tudo poderá desabar à nossa volta.

Era um dia de Lua e de S. Sérgio e S. Pretextado

I Need my Girl


Era um dia de Sol e de S. Policarpo e S. Pedro Damião

Neptuno

Descoberto em 1846, pelo astrónomo Galle, é o oitavo Planeta a partir do Sol (o segundo mais afastado) move-se à volta do Sol e demora cerca de 165 anos a completar a sua órbita. Ficou conhecido como o sonhador porque a sua descoberta foi contemporânea da teoria da evolução de Darwin (1846), do manifesto comunista (1848) e, ainda, da descoberta da anestesia e da hipnose.

Deus dos oceanos, Neptuno é o planeta das águas, das viagens marítimas, dos lugares aquáticos e simboliza o que é vago e impreciso. Desenvolve a intuição e a imaginação, o misticismo e as faculdades supra normais. A sua acção tanto se exerce nas grandes correntes de pensamento, nas reformas, como também no caos e na anarquia. Pode produzir génios, como também incorrigíveis vigaristas, mistificadores ou perversos. Drogas e venenos colocam-se sob a sua autoridade.
Brandi Strickland

Psicologicamente, domina a realidade psíquica e os graus mais elevados de percepção, sobretudo os sonhos e a fantasia. Em geral, os seus nativos têm tendência para serem pessoas com uma actividade psíquica intensa, dados a grandes sonhos, ilusões, estados de sonambulismo (muitas vezes provocados por drogas ou alcoolismo); podem ser bons 'mediuns'.

Por tudo isto, encontramos as energias deste Planeta personificadas em psicólogos, místicos, pessoas hipersensíveis, artistas, entre outros. Infelizmente, quando Neptuno está dissonante ou mal aspectado, esta característica revela-se em pessoas com tendência para vícios de jogo, drogas ou álcool.

Neptuno indica ainda os impulsos do inconsciente ou de fontes obscuras que afectam o indivíduo. O nativo de Peixes tem de ter cuidado para não cair em estados depressivos de desilusão, ilusão ou hipersensibilidade. É o Planeta que governa o subconsciente: as doenças mentais, as depressões, as manias. No plano social, a sua influência marca sobretudo a anarquia e o seu oposto, o comunismo, e os movimentos do tipo irracional ou surrealista, bem como a polícia. Os gases, sobretudo os tóxicos, os estupefacientes e o mundo das radiações estão também sob a sua influência.

Quer Neptuno represente o barro original, a matéria-prima, a água primordial ou a poeira do infinito cósmico e a fusão final, ele é, sob todas as suas manifestações, o arquétipo da integração ou dissolução universais.
E tudo o quanto se sabia ficou dito.

Era um dia de Saturno e de Santa Margarida de Cortona

sexta-feira, fevereiro 21, 2014

fevereiro e a luz

Eis a beleza de fevereiro, o mês que se inicia com a festa das luzes.

Apesar do frio e de ainda ser bem inverno, basta olhar para o redor e ver a Natureza a manifestar o que esteve durante tanto tempo em formação no seu interior. Por aqui os campos estão cheios destas pequenas compostas que parecem um manto de luz sobre a terra. Com as pequenas margaridas comuns a emanar um odor delicioso. Toda a Natureza já anuncia a chegada da primavera.

Na primeira hora de Lua de um dia de Vénus e de S. Maximiano e Santa Ângela de Miricia

quinta-feira, fevereiro 20, 2014

A ouvir "vozes"

O novo álbum de Phantogram, Voices, está muito interessante. Apesar de não ser a surpresa e ter a intensidade do primeiro, tem muitas outras qualidades. Sons novos, mais negros e misturas de estilos muito boas.

Esta é uma das minhas preferidas:


Na primeira hora de Júpiter de um dia de Júpiter e de S. Eleutério e S. Raimundo

quarta-feira, fevereiro 19, 2014

Neptuno - o deus dos mares

Neptuno ou Poseidon, filho de Saturno e de Réia, era irmão de Júpiter e de Plutão. Logo que nasceu, Réia escondeu-o num aprisco da Arcádia e fez Saturno acreditar ter dado à luz um potro que lhe deu para devorar. Na partilha que os três irmãos fizeram do Universo ele teve por quinhão o mar, as ilhas e todas as ribeiras.

Quando Júpiter, o seu irmão, a quem sempre serviu com toda a fidelidade, venceu os Titãs, os seus terríveis competidores, Neptuno encarcerou-os no Inferno, impedindo-os de tentar novos feitos e mantendo-os por trás das suas ondas e rochedos.

Neptuno governa o seu império com uma calma imperturbável. Do fundo do mar em que está a sua tranquila morada, sabe tudo o que se passa na superfície das ondas. Se por acaso os ventos impetuosos espalham sem consideração as vagas sobre as praias, causando injustos naufrágios, Neptuno aparece e, com a sua nobre serenidade, faz reentrar as águas no seu leito, abre canais através dos baixios, levanta com o tridente os navios presos nos rochedos ou encalhados nos bancos de areia, numa palavra, restabelece toda a desordem das tempestades.

Teve como mulher Anfitrite, filha de Doris e de Nereu. Esta ninfa recusara desposar Neptuno e escondeu-se para se esquivar às suas perseguições. Mas um delfim, encarregado dos interesses de Neptuno, encontrou-a ao pé do monte Atlas e persuadiu-a que devia aceitar o pedido do deus; como recompensa foi colocada entre os astros. De Neptuno ela teve um filho chamado Tritão e muitas ninfas marinhas; diz-se também que foi a mãe dos Ciclopes.
Neptune offering gifts to Venice de Giovanni Battista Tiepolo
O ruído do mar, a sua profundidade misteriosa, o seu poder, a severidade de Neptuno que abala o mundo, quando com o tridente ergue os enormes rochedos, inspiram à humanidade um sentimento mais de receio do que de simpatia e amor. O deus parecia dar por isso, todas as vezes que se apaixonava de uma divindade ou de um simples mortal. Recorria então à metamorfose; mas mesmo assim, na maior parte das vezes, conservava o seu carácter de força e impetuosidade.

Neptuno era um dos deuses mais venerados na Grécia e na Itália, onde possuía grande número de templos, sobretudo nas vizinhanças do mar; tinha também as suas festas e os seus espectáculos solenes, sendo que os do istmo de Corinto e os do Circo de Roma eram-lhe especialmente consagrados sob o nome de Hípio. Independentes das Saturnais, festas que se celebravam no mês de Julho, os romanos consagravam a Neptuno todo o mês de Fevereiro.

Neptuno é geralmente representado nu, com uma longa barba e o tridente na mão, ora sentado, ora em pé sobre as ondas; muitas vezes; num carro puxado por dois ou quatro cavalos, comuns ou marinhos, cuja parte inferior do corpo termina em cauda de peixe.

Na primeira hora de Lua de um dia de Mercúrio e de S. Conrado e S. Álvaro de Córdova

terça-feira, fevereiro 18, 2014

Neptuno em Sagitário, Capricórnio e Aquário

Neptuno em Sagitário (1970‑1984) levou‑nos a um período em que a necessidade de valores espirituais e religiosos mais elevados encontrou expressão positiva: houve um retorno a Deus e o desejo de espiritualizar a ordem social mais ampla.
A música e formas de arte voltaram-se para a espiritualidade. Houve muitas viagens ao estrangeiro e troca de ideias e religião com culturas estrangeiras.
Os assuntos ocultos e místicos foram gradualmente introduzidos nos currículos das universidades.
As religiões deram maior ênfase ao contacto pessoal do homem com Deus por intermédio do eu interior, o que resultou na prática crescente da meditação e no uso das faculdades intuitivas da mente superior.
O mistério e o poder da mente foram explorados e desenvolvidos por intermédio de experiências místicas.
As expressões exageradas de Neptuno em Sagitário foram provavelmente o devaneio sem rumo, como aconteceu com a geração hippie, e a adesão a cultos religiosos desconhecidos, profetas e gurus. Mas Neptuno em Sagitário trouxe a muitos a percepção da presença do Deus único em todas as coisas.
Famosos com este aspecto: Leonardo DiCaprio, Uma Thurman, Amy Winehouse, David Beckham, Abraham Lincoln, Channing Tatum, Ryan Gosling, Michael Fassbender, Kirsten Dunst, entre muitos outros dos actores e cantores actuais.

Neptuno em Capricórnio (1984‑2000) indica um período no qual os governos do mundo se encontrarão no caos e as estruturas económicas e políticas ruirão. Deste caos e sofrimento nascerá a verdadeira responsabilidade espiritual e a disciplina que se manifestarão em acordos práticos.
As pessoas não mais terão o luxo da espiritualidade abstracta de Sagitário. Para sobreviver, serão forçadas a incorporar a espiritualidade nas suas vidas práticas.
Através dessas experiências do final kármico da Era de Peixes, muitos daqueles que sobreviverem alcançarão novas alturas de realização espiritual.
Haverá necessidade de criar novas formas de governos e conceitos políticos, e o final deste período produzirá o início de um governo mundial.
Famosos com Neptuno em Capricórnio: Jules Verne, Frida Kahlo, Charles Baudelaire, Dakota Fanning, Jean-Paul Sartre, Ronald Reagan, Howard Hughes, Fyodor Dostoyevsky, Simone de Beauvoir, Justin Bieber, Rihanna, Taylor Swift, entre outros.

Neptuno entrou em Aquário (1998-2011) juntamente com Úrano, marcando um verdadeiro impulso para a Era de Aquário.
Surgirá uma nova civilização baseada no humanitarismo iluminado e numa ciência que utilizará novas tecnologias e novas formas de energia.
As faculdades intuitivas, clarividentes, da humanidade serão muito desenvolvidas, e a fraternidade universal será colocada em prática.
Alguns famosos: Friedrich Nietzsche, Thomas Edison, Mark Twain, Antonio Vivaldi, Tchaikovsky, Emile Zola, Alexander Graham Bell, Paul Cézanne, e.t.c.

Tradução livre de The astrologer's handbook de Frances Sakoian & Louis S. Acker

Na primeira hora de Sol de um dia de Marte e de S. Teotónio e S. Simeão

segunda-feira, fevereiro 17, 2014

12


O 12 é a manifestação da trindade (Espírito) nas quatro esquinas do horizonte e nos quatro mundos cabalísticos, passando-nos a ideia de realização final, de conclusão concreta.
O ano é formado por 12 meses.
O céu dividido em 12 constelações.
O dia tem 2 vezes 12 horas.

12 é, portanto, o número em que muitas culturas dividem o tempo e o espaço.

Na segunda hora de Vénus de um dia de Lua e de S. Faustino e S. Teodulo de Sion

Sobre a beleza

Sobre a beleza o meu pai também explicava: só existe beleza no que se diz. Só existe a beleza se existir interlocutor. A beleza da lagoa é sempre alguém. Porque a beleza da lagoa só existe porque a posso partilhar. Se não houver ninguém, nem a necessidade de encontrar a beleza existe nem a lagoa será bela. A beleza é sempre alguém, no sentido em que ela se concretiza apenas pela expectativa da reunião com o outro. Ele afirmava: o nome da lagoa é Halla, é Sigridur. Ainda que as palavras sejam débeis. As palavras são objectos magros incapazes de conter o mundo. Usamo-las por pura ilusão. Deixámo-nos iludir assim para não perecermos de imediato conscientes da impossibilidade de comunicar e, por isso, a impossibilidade da beleza. Todas as lagoas do mundo dependem de sermos ao menos dois. Para que um veja e o outro ouça. Sem um diálogo não há beleza e não há lagoa. A esperança na humanidade, talvez por ingénua convicção, está na crença de que o indivíduo a quem se pede que ouça o faça por confiança. É o que todos almejamos. Que acreditem em nós. Dizermos algo que se toma como verdadeiro porque o dizemos simplesmente.
in A desumanização de Vater Hugo Mãe

Era um dia de Sol e de S. Porfírio, S. Onésimo, Honesto e Santa Juliana de Nicomédia

sábado, fevereiro 15, 2014

Neptuno em Virgem, Balança e Escorpião

Neptuno em Virgem (1928/1929‑1942/1943) está em detrimento, indicando uma geração cujas faculdades criativas e imaginativas são frustradas por circunstâncias materiais adversas.
Neptuno em Virgem inclui grande parte da geração que cresceu durante a Grande Depressão dos anos 30. Foi uma época de caos em todo o sistema económico, resultando em escassez de empregos, que são regidos por Virgem.
O lado negativo de Neptuno em Virgem pode manifestar-se como uma tendência a doenças psicossomáticas e uma excessiva preocupação emocional com detalhes inconsequentes.
É provável que também existam dúvidas ou negatividade com relação aos impulsos intuitivos, que se manifestam no materialismo. Se Neptuno estiver sob tensão em Virgem, são típicos hábitos alimentares insensatos. Grande parte da adulteração química dos nossos alimentos começou durante esse período.
Famosos que nasceram nesta altura: Martin Luther King, John Lennon, Elvis Presley, Al Pacino, Sean Connery, Robert Redford, James Dean, Charles Manson, Beethoven, Woody Allen, Papa Francisco e Bob  Dylan.

Neptuno em Balança (1942/1943‑1955/1957) é a posição da actual geração pós-guerra. Durante a guerra, a instituição do casamento foi submetida a muita confusão e a um aumento crescente do índice de divórcios. François Hollande é uma das celebridades com este aspecto.
O número de lares destruídos conduziu a geração mais jovem à incerteza sobre o valor das obrigações nos relacionamentos. Há um instinto para o conformismo emocional e social com Neptuno em Balança, que, em sua expressão negativa, resulta em cegos conduzindo cegos. Isso manifesta-se em fenómenos contemporâneos como o abuso de drogas.
No lado positivo, Neptuno em Balança proporciona a essa geração uma percepção intuitiva dos relacionamentos sociais. O conceito de responsabilidade social mútua se baseia mais no espírito da lei do que em sua interpretação literal. Esta posição trouxe o desenvolvimento de novas formas de arte.

Eis alguns famosos a título de exemplo: Bill Gates, Leonardo DaVinci, Bruce Willis, Hillary Clinton, Jim Morrison, David Bowie. Oprah Winfrey, George W. Bush e Meryl Streep.

Neptuno em Escorpião (1955/1957‑1970) indica um período de exploração dos desejos naturais do homem.
Poucas pessoas vivenciaram a regeneração espiritual e iniciaram a busca dos mistérios interiores da vida, mas muitos são marcados pela exploração do sexo com propósitos comerciais. Escorpião é o signo do sexo e Neptuno rege as drogas. Pamela Anderson, Madonna, Kurt Cobain, Whitney Houston e Marilyn Manson são exemplos do que foi expresso.

A moralidade licenciosa desta época levou à disseminação de doenças venéreas e à difusão do uso de drogas como uma saída psicológica. Há muita intensidade e confusão emocionais, provocando perturbações no inconsciente que se manifestam através de fenómenos artísticos, como o rock.

Muitas das pessoas nascidas com Neptuno neste signo têm faculdades de clarividência e são forçadas a reconhecer a necessidade da regeneração espiritual.

Tradução livre de The astrologer's handbook de Frances Sakoian & Louis S. Acker

Na primeira hora de Júpiter de um dia de Saturno e de Santa Jovita e S. Romualdo

sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Neptuno em Gémeos, Caranguejo e Leão

Neptuno em Gémeos (1887/1989‑1901/1902) indica uma geração de pessoas que se esforçam para desenvolver as faculdades criativas e intuitivas da mente por meio da literatura e da poesia, William Shakespear, Ernest Hemingway, John Steinbeck, F. Scott Fitzgerald, J.R.R. Tolkien, Jean Cocteau, Henry Miller e Fernando Pessoa são exemplos disso.
Essas pessoas dessa geração possuem uma imaginação activa e versátil e a capacidade de canalizar ideias de esferas mais elevadas através da habilidade da mente para formar imagens. O pintor catalão Joan Miró ilustra bem esta afirmação.
O lado negativo dessa expressão é a preocupação com um mundo imaginário e seus valores superficiais. Pode também haver confusão no raciocínio prático e na comunicação.

Neptuno em Caranguejo (1901/1902‑1914/1916) indica uma geração de pessoas com fortes ligações psíquicas com o lar, a família e a terra. Elas são bastante compreensivas e emocionalmente sensíveis. Tendem a ser religiosas, mas de maneira emocional. Exemplo disso são Madre Teresa de Calcutá, Abbé Pierre e Joana d'Arc.
Se Neptuno estiver bem colocado e aspectado, são evidentes tendências psíquicas e mediúnicas. Muitos clarividentes nascem com Neptuno em Caranguejo.
O lado negativo dessa expressão são o sentimentalismo piegas e uma ligação exclusiva, emocional, com a família e o país. Pode também haver tendências mediúnicas mal orientadas que podem atrair influências astrais inferiores.
Temos os artistas Salvador Dalí e Frida Kalo que, a meu ver, ilustram bem este posicionamento.

Neptuno em Leão (1914/1916‑1928/1929) indica uma geração de pessoas com fortes talentos musicais e artísticos. Elas se interessam especialmente pelo teatro e outras artes dramáticas. Marilyn Monroe, Paul Newman, Ava Gardner, Charles Bronson, Audrey Hepburn, Marlon Brandon e Rita Hayworth, mas também Frank Sinatra, Andy Warhol, Mozart, Serge Gainsbourg, Edith Piaf e Maria Callas.
Grande parte da sua criatividade inspira-se nos níveis mais elevados da consciência. Esta posição de Neptuno tende ao romantismo e ao idealismo no amor. Nelson Mandela, Malcom X, Papa João Paulo II, Che Guevara e Indira Gandhi são alguns dos famosos com este posicionamento.
O lado negativo dessa expressão pode ser a ilusão no amor. As armadilhas dessa posição são os gastos extravagantes na procura do prazer e inabilidade para lidar com crianças.
Neptuno estava em Leão no período em que especulações imprudentes na Bolsa de Valores levaram o mundo à ruína financeira e à Grande Depressão.

Tradução livre de The astrologer's handbook de Frances Sakoian & Louis S. Acker

Na primeira hora de Mercúrio de um dia de Vénus ede S. Valentim

quinta-feira, fevereiro 13, 2014

Estreia da semana

Finalmente chegou o dia!


Na primeira hora de Marte de um dia de Júpiter e de S. Gregório e de Santa Catarina de Rici

quarta-feira, fevereiro 12, 2014

Neptuno em Peixes, Carneiro e Touro

Neptuno em Peixes (2011) indica um período de paz que se seguirá à Era de Aquário. Este período proporcionará uma oportunidade para a descoberta de faculdades espirituais e para o desenvolvimento de formas exaltadas de música e arte; a cura terá grandes avanços. A forma mais elevada da cultura aquariana será iniciada, dando uso a todas as grandes realizações criativas da Era anterior, a de Peixes. Nascerão muitos grandes místicos, artistas e líderes espirituais durante este período.

Neptuno em Carneiro (1861/62 - 1874/75) indica uma geração na qual são feitos avanços pioneiros na criação de conceitos religiosos místicos. É uma geração que demonstra considerável iniciativa e vontade para a criatividade espiritual e a regeneração. O lado negativo dessa expressão é o orgulho espiritual e o egoísmo.
Famosos desta geração: Mahatma Gandhi, Winston Churchill, Grigori Rasputin, Henry Matisse, Gustav Klimt, Piet Mondrian, Harry Houdini, Wassily Kandinsky, Tagore, Henry Ford, William Butler Yeats, H. G. Wells e Rudyard Kipling.


Neptuno em Touro (1874/1875‑1887/1889) indica um período histórico de muito idealismo no que se refere à utilização do dinheiro e de recursos materiais. Esta geração procura aplicações práticas para insights visionários. O lado negativo dessa expressão é a preocupação com dinheiro e valores materiais.
Famosos desta geração: Albert Einstein, Carl Jung, Pablo Picasso, Joseph Stalin, Coco Chanel, Aleister Crowley, Benito Mussolini, Franklin Roosevelt, Harry S. Truman, Franz Kafka, Immanuel Kant, Virginia Woolf, Herman Hesse, James Joyce, Rainer Maria Rilke e Jean-Jacques Rousseau.

Tradução livre de The astrologer's handbook de Frances Sakoian & Louis S. Acker

Na primeira hora de Lua de um dia de Mercúrio e de Santa Eulália

terça-feira, fevereiro 11, 2014

Neptuno nos signos

Planeta impessoal, representa a sensibilidade aos níveis supra físicos, a inspiração e a fusão de sentimentos com o plano colectivo quando se está em sintonia com os domínios tanto do supra consciente como do inconsciente colectivo.

A influência de Neptuno nos signos faz-se sentir, essencialmente, nos aspectos mundiais e no domínio do inconsciente colectivo. Cada vez que entra num signo vai trazer as ideias para esse signo.

Indica-nos que tipo de expressão cultural se manifesta pela faculdades criativas da espécie humana, num período de 13 anos. A geração que partilha Neptuno no mesmo signo partilha também uma missão espiritual. 

Na primeira hora de Sol de um dia de Marte e de Nossa Senhora de Lurdes e S. Lázaro

segunda-feira, fevereiro 10, 2014

domingo, fevereiro 09, 2014

Morning Phase


Belo álbum, para ouvir muitas vezes nestes dias cinzentos em que a chuva nos faz companhia.

Na primeira hora de Lua de um dia de Sol e de Santa Apolónia, S. Cirilo e S. Teodoro

Neptuno (parte 3)

Neptuno (parte 1)
Neptuno (parte 2)

Independente dos ideais que temos, temos que os ter. O contrário do ideal é a desilusão, a apatia, a confusão. Planeta da desistência, a energia de Neptuno está associada ao sonho, ao ideal, ao refinamento, à busca de si.

Ao nível das artes, enquanto que Vénus é a forma, a roupa, a tela pintada, Neptuno é a música, a pintura para a qual olhamos e somos remetidos para uma emoção, para uma dimensão maior.

Ao nível do amor, Vénus é a troca. A área de vida onde temos Neptuno, é aquela em que nos temos que dar incondicionalmente, a algo que não se pode definir.

Neptuno é o planeta associado à ideia de sacrifício do “sacro-ofício” do trabalho sagrado, uma ascensão do refinamento em que transformamos matéria noutra mais subtil. Identificamo-nos com algo não definível, mas sentimos uma emoção comum que nos amplia.

Neptuno vem a seguir a Úrano, existindo portanto uma hierarquia entre os planetas. Sem o processo de individualização, simbolizado por Úrano, ficamos sujeitos a perdermo-nos no oceano da multiplicidade do mundo dos sentidos, repleto de imagens e ilusões. Só podemos chegar a Úrano, ser livres e independentes, depois de assumirmos as nossas responsabilidades sociais.

Só nos podemos entregar depois de sabermos quem somos e aí seremos seres individualizados, para nos podermos dar aos outros.

Neptuno é o planeta da dissolução, um solvente universal onde tudo se dilui em algo maior ao nível da anatomia e da fisiologia do corpo; é a Aura no seu todo, é o corpo etérico, o sistema linfático, como se fosse a parte mais espiritual do corpo.

Pela negativa, dissociado, mal aspectado e mal vivido, é o planeta do vício, da ilusão, dos venenos. O mesmo Neptuno que nos transporta para dimensões transcendentais também nos pode matar com todo o tipo de drogas, álcool, ou quaisquer fenómenos escapistas, de relação social, ou de trocas emocionais. Neptuno sem Saturno quer atingir a beatitude, a plenitude, a felicidade, sem o esforço e o trabalho para tal.

Os métodos de desintoxicação em que se obtêm resultados positivos, têm sempre 2 facetas: uma espiritual com a introdução de uma noção do Divino, de transcendência e espiritualidade e outra de trabalho físico e concreto. Todas as que não têm a parte Divina ou parte do trabalho físico concreto, têm maiores níveis de insucesso.

Neptuno remete-nos ao mais transcendente, ao mais definível que há em nós.

Está também ligado aos processos de mediunidade de sensibilidade e à confusão e receptividade ligada ao céu e, aplicada na terra. A casa onde temos Neptuno é a área de vida onde a vida mais sacrifícios nos pede. Vai pedir-nos que nos demos incondicionalmente, onde devemos dar mais do que recebemos e como tal o recebimento vem dessa própria dádiva, porque ela implica a fusão com algo maior.

Esta área é aquela que, numa primeira fase de vida nós não queremos dar nada, onde nos projectamos e portanto a vida vai-nos confrontar com mais desilusão.

Uma projecção é sempre uma carga emocional que direccionamos sobre alguém, sobre algo e, como não há a capacidade de obtermos resposta para suportar a nossa projecção, iremos desiludirmo-nos.

Projectamos algo fora de nós (sobre os outros) com sentimentos que no fundo são nossos, mas que não vemos. Pela positiva, vemos no outro qualidades que temos em nós mas que ainda não as consciencializámos e pela negativa vemos um defeito noutra pessoa, (defeito esse que é o nosso mas que não reconhecemos) que, como um espelho, essa pessoa nos irá mostrar. A projecção é portanto um sentimento, uma ideia que projectamos sobre alguém que está em nós, mas ainda não está consciencializado.

Era um dia de Saturno e de S. João da Mata e S. Jerónimo Emiliano

sexta-feira, fevereiro 07, 2014

O inferno não são os outros

A humanidade começa nos que te rodeiam, e não exatamente em ti. Ser-se pessoa implica a tua mãe, as nossas pessoas, um desconhecido ou a sua expectativa. Sem ninguém no presente ou no futuro, o individuo pensa tão sem razão quanto pensam os peixes. Dura pelo engenho que tiver e perece como um atributo indiferenciado do planeta. Perece como uma coisa qualquer.
Valter Hugo Mãe in A desumanização

Na primeira hora de Vénus de um dia de Vénus e de S. Ricardo e S. Romualdo

Neptuno (parte 2)

Neptuno (parte 1)

O símbolo de Neptuno corresponde graficamente ao tridente do deus Neptuno, do Rei das marés que tem na mão um tridente. É uma energia muito doce, muito feminina.

Simboliza o amor universal o sentimento colectivo de pertencermos a uma raiz comum. Simboliza a busca do absoluto e do paraíso que cada um sonha alcançar.

Simboliza toda a energia transcendental no sentido emocional do tempo. Nos planetas transpessoais Úrano, Neptuno, e Plutão; Úrano é o primeiro, sendo uma energia mental, eléctrica; Neptuno é uma energia emocional, magnética.

Enquanto que Úrano nos conduz à individualização, Neptuno leva-nos à colectivização. É uma energia colectivista, de fusão, de dispersão. Representa tudo o que é menos visível, menos palpável, menos definível, menos concreto.

É a oitava superior de Vénus. Enquanto Vénus nos vai falar do amor, dos valores pessoais, estéticos e materiais, Neptuno fala-nos do amor incondicional, divino e transpessoal. A nível amoroso e afectivo, onde temos Neptuno será onde a vida nos vai pedir sacrifícios e dádivas incondicionais.

Neptuno é o planeta do sonho, do ideal, da imaginação. Representa a nossa dimensão divina, menos tangível menos palpável. Representa os nossos anseios, o nosso apelo interior, o nosso apelo de transcendência, os nossos sonhos, independentemente de crermos em Deus ou não, ou de termos uma dimensão mística ou religiosa.

Ao longo da vida todos temos uma função psíquica, uma dimensão neptuniana o apelo ao divino, o ideal de transcendência dentro de nós. Quem não tem uma visão mística ou religiosa, projecta esse ideal para outras coisas.

Quando a personalidade vive separada do seu princípio superior, Neptuno amplia os sonhos de grandeza, exacerba os desejos pessoais e leva-nos por excesso, a mistificar os objectivos da nossa projecção. Nesse momento idealizamos o retorno a um paraíso idílico que se revela artificial, enquanto a personalidade não passar pelos respectivos processos de depuração e purificação, nas suas múltiplas facetas.

Todos temos uma dimensão em que acreditamos e projectamos “aquele” ideal e ao atingi-lo, pensamos poder ser felizes. Quando nos desiludimos com um projecto, carreira, ou com uma pessoa, temos que projectar noutra pessoa ou noutro ideal.

A desilusão e a diluição das projecções são a forma pela qual Neptuno nos devolve ao sentido do real. O entendimento e a aceitação deste processo são o resultado da deslocação da consciência individual para uma consciência universal enquadrando a personalidade numa nova relação com o todo.

Quanto mais transcendente for o nosso ideal menos nos desiludimos. Contudo esse processo não se faz sem a abdicação dos interesses pessoais em favor de uma causa maior. Daí que o caminho seja em grande parte dos casos um percurso que envolve perdas e sofrimento; no entanto é também pela desilusão e pela dor que nos vamos libertando do sentimento pessoal de querer fazer sempre as coisas à nossa maneira, isto é, ditadas pela vontade do ego separatista, pois a causa do sofrimento está ancorada numa atitude de isolamento perante o todo.

A ilusão da separação alimenta-se da fuga ao real através de atitudes escapistas, enquanto não houver uma real dissolução do “eu” personalizado, a fuga à realidade não é mais que um processo de alienação de si mesmo ou uma dissolução caótica dominada pelo inconsciente.

A diluição do “eu” só se revela positiva quando um novo nível de consciência mais global e abrangente emerge na totalidade do ser e para que isto aconteça é necessário um processo que envolva a abdicação consciente do “eu” pela via da aceitação e da integração, das partes que constituem o TODO.

Esta integração só é possível quando a personalidade se rende e se coloca ao serviço do plano da alma, deixando assim que esta cumpra os seus desígnios; inspiração criativa, o dom da visualização e da contemplação, dos níveis superiores da realidade sob a forma de sentimento.

O amor, a devoção e a dedicação altruísta ganham a sua verdadeira dimensão na ajuda ao próximo. A dádiva de Neptuno apresenta-se como doação no sentido de uma entrega do “eu” a uma energia superior por amor universal, incondicional.

O “eu” (personalidade) torna-se um canal dessa energia impessoal que se dá sem pedir nada em troca. Através de Neptuno voltamo-nos a conectar com o sagrado, com a dimensão intemporal que existe em cada um de nós.

Era um dia de Júpiter e de S. Paulo Miki, Santa Doroteia e S. Amândio

quarta-feira, fevereiro 05, 2014

Neptuno (parte 1)

É o segundo planeta transpessoal e a sua descoberta a 23 de Setembro de 1846 por Johann Gottfried Galle, coincide com o aparecimento do espírito comunitário baseado nas ideias socialistas e comunistas. Uma nova energia surge neste período, o petróleo.

A revolução sideral de Neptuno dura cerca de 168/169 anos, o que é suficientemente lento para apanhar toda uma geração. Por isso a sua interpretação no mapa astral deve ser mais focada, a nível pessoal, na casa em que se encontra mais do que no signo, já que este é geracional.

Sempre associado a:
  • Sacrifício 
  • Altos ideais 
  • Grandes desilusões/ traições
  • Adições, venenos/ escapismos
  • Nevoeiro
Tem a ver com áurea, fluidos e imagem (cinema, televisão, fotografia).
É a 8.ª superior de Vénus.

Onde temos Neptuno temos de dar sem esperar nada em troca.

Rege o signo de Peixes e a 12.ª casa, está exaltado em Leão e em detrimento em Virgem. Encontra-se em queda em Aquário.

O seu ciclo é de cerca de 169 anos, como já foi dito, o que dá mais ou menos 14 anos em cada signo.

As suas qualidades são os sonhos, visões e pensamentos profundos. As suas ilusões e tudo o que é misterioso e a palavra-chave: Intuição.

Na primeira hora de Júpiter de um dia de Mercúrio e de Santa Ágata e Santa Agueda

terça-feira, fevereiro 04, 2014

A take away show


Na primeira hora de Mercúrio de um dia de Marte e de S. André Corsino, S. João de Brito, S. Gilberto e S. Teófilo

Homage

A um dos meus actores preferidos, um adeus sentido.

Era um dia de Lua e de S. Brás, S. Óscar e S. Odorico

Fevereiro dependurado

Eis uma energia que raramente sai por estas bandas - O Dependurado. Mas, honestamente, para mim, faz todo o sentido que saí neste mês tão importante.

O Dependurado em fevereiro vem lembrar-nos coisas simples que tendemos a esquecer neste mundo da imagem, do status, do self, do convencional, do normal, da exigência, da aparência, da concorrência, da responsabilidade, do dever, da obrigação, da confusão, de tudo o que nos afasta cada vez mais de nós próprios.

Este mês façam o que fizerem, escolham o que escolherem, não se esqueçam - a única obrigação que temos de ver cumprida é o respeito pela nossa natureza. É ela que nos mantém alinhados, é ela que nos permite permanecer em equilíbrio neste mundo desequilibrado. É ela, a nossa natureza, que nos oferece a consciência tranquila, a serenidade para no final do dia beijarmos quem amamos em plenitude, olharmos os colegas de trabalho com respeito, sorrir para quem encontramos ao longo do dia e sentirmo-nos realizados, em paz, consciente e inconsciente unidos, coração e razão a fluir como um só.

E agora a pergunta inevitável: qual é a tua natureza? Aquela que te mantém o pé agarrado na cruz, impedindo-te de te estatelares no chão.

Se houver algum sacrifício associado a este Arcano, ele só pode ser o de aceitar a natureza das coisas. Só desta compreensão poderá vir paz. E, ainda, aquela desculpa das obrigações, que temos todos de assumir pois fazemos parte da grande máquina e ela só funciona assim, essa desculpa este mês tem de ir à vida. Não podemos abandonar as obrigações, é certo, porém, podemos abandonar a forma como as assumimos.

Ai! fevereiro vai ser um mês em cheio!

Era um dia de Sol e de S. Lourenço e da Purificação da Nossa Senhora

Brighid

Brighid, também grafada Brigid, Brigit ou Brígida, é uma deusa celta muito popular na Irlanda.
Brighid era representada por três mulheres, Brighid, a poetisa, Brighid, a médica, e Brighid, a ferreira, sendo conhecida com a deusa da Tríplice Chama, pois o fogo alimenta as forjas, esquenta os experimentos dos alquimistas, e incendeia a mente dos poetas.
Brighid é uma das deusas chamadas de pan-célticas, pois fora cultuada por todos os diferentes povos celtas.
in Wikipédia

Senhora, eu te saúdo no teu triplo aspecto e peço que a tua luz ilumine sempre o meu caminho, mantendo-me desperta para a realidade. 
Que assim seja.
Era um dia de Saturno e de S. Inácio, S. Brígida e S. Tugen
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...